Distribuidora: Disney – Buena Vista Estreia: 04/01/2018 Gênero: Animação, Fantasia  Duração: 1h 45min Orçamento: Entre 175 e 200 milhões US$

A algumas semanas atrás pude assistir a animação “Viva – A vida é uma festa” Que nos conta a história de Miguel, um garoto de 12 anos que sonha em ser um músico famoso, porém para sua tristeza sua família desaprova esse sonho, já que todos os familiares odeiam música… E vamos descobrir o porquê e como ele irá lidar com isso.

A história tem inicio com a comemoração do Dia dos Mortos, uma data com grande significado para os mexicanos. Nesse dia os mortos e os vivos se reencontram para a alegria de toda família. São ofertadas comidas, bebidas e fotos dos entes que se foram são colocadas em altares cercados por flores, tudo feito com muita alegria. Porém, o menino está mais interessado num determinado evento que acontecerá em decorrência das festividades e que poderá tornar seu sonho em realidade, mas isso irá gerar uma grande confusão devido a uma atitude tomada por ele num momento de desespero…

Miguel juntamente com seu fiel cãozinho Dante irá viver muitas aventuras, quando por um ato impensado irá acabar no mundo dos mortos e lá irá conhecer a verdadeira história de seus antepassados e o que desencadeou tal trauma pela música entre seus entes queridos. Vamos acompanhar os personagens através de cenários lindos, com muitas cores, música, emoção e em certas cenas, silêncios que nos fazem pensar e que chegam a doer no coração dos mais sensíveis.

Amei a fotografia, a Cidade dos Mortos é linda!!! Os esqueletos ficaram ótimos podemos ver a expressividade nos olhos deles e o que nos faz compartilhar das emoções vividas por eles. As músicas são lindas, de um sentimento hora nostálgico, hora de pura alegria, e ficam por conta do compositor Michael Giacchino (Zootopia). O tema foi retratado com delicadeza, sempre me interessei por esse tipo de coisa e o modo como foi retratado ficou muito fácil de entender. A morte não é algo ruim, é algo que, na cultura mexicana, é visto como bom. Uma reunião familiar além da vida.

Tirei algumas lições do filme:
– Corra atrás dos seus sonhos, não importa o quanto as pessoas digam que você não é capaz, corra atrás deles!

– Nem todos são honestos e verdadeiros em suas palavras e atitudes, vamos ver isso muito bem no filme. E enganar o outro para tirar vantagem é algo que nunca devemos fazer. Pois, o que vai, volta.

Essa animação é algo que tanto adultos quanto crianças deveriam assistir, tem uma ótima lição de vida! Ainda se encontra em exibição em alguns cinemas de Belo Horizonte, quem tiver oportunidade vale a pena conferir!

Os responsáveis pela animação são o diretor americano Lee Unkrich (O Bom Dinossauro) e o roteirista Adrian Molina (Central da Festa).

Curiosidades:
– A “Terra dos Mortos” (The Land of the Dead no original) é inspirada na cidade mexicana de Guanajuato.

– Quando Miguel anda pela rua, você pode observar que existem piñatas de alguns personagens da Pixar, como do Woody, Buzz Lightyear e Mike Wazowski.

– Miguel Rivera é o primeiro protagonista de pele morena de um filme animado da Pixar.

– O título original “Coco” foi substituído no Brasil por “Viva” para evitar que a palavra “Coco” fosse confundida com outra não tão agradável.

– O maestro da orquestra para o show musical é uma caricatura do compositor do filme, Michael Giacchino. Além disso, o personagem Ernesto de la Cruz foi baseado no ator mexicano Pedro Infante.

– A flor laranja que aparece no filme é a Aztec marigold, uma flor comumente usada pelos mexicanos no Dia de los Muertos.

Essa matéria foi escrita por Raquel Carvalho enquanto ainda era colunista do Coisas de Mineira