Bem-vindo à Inquisição espanhola. Seu destino está em seu sangue… Entre no Animus. É hora de Fazer história.  Nossa sobrevivência está trancada em seu passado.  Trabalhe na luz para servir a luz

Ontem foi a cabine de imprensa de Assassins Creed, um dos filmes que gerou muito rebuliço em 2016…

Assassin’s Creed (O Credo do Assassino) é uma franquia de jogos de videogame cujos fãs sempre sonharam ver adaptado para as telonas. E após muito tempo só na expectativa, ano passado tivemos um trailer de tirar o folego que deixou os fãs ainda mais ansiosos…

Para aqueles esperavam uma grande adaptação, já aviso para ir com calma ao cinema, pois o filme não segue a mesma linha dos jogos e do livro publicado, estes foram apenas base para a criação da história envolvendo a disputa entre Templários e Assassinos pela maçã do Éden,  disputa esta que se iniciou no século XIV e que persiste até os dias de hoje.

Na história somos apresentados a uma cientista (Sofia) que através de sua criação Animus, permite que os descendentes de assassinos possam voltar no tempo e reviver as memórias de seus antepassados, tudo de acordo com ela, em busca da cura da violência. E é nesse contexto que conhecemos Cal, um homem que vem de uma família de Assassinos e que é meio que “recrutado” a visitar as memórias de seu antepassado durante a Inquisição Espanhola…

Apesar de ter um elenco fenomenal, o filme que mistura fantasia com ação se perde um pouco na tentativa de trazer um jogo épico para as telonas, pois em grande parte do enredo ele fica sem sentido e em alguns momentos cansativo, uma vez que boa parte do filme se passa no presente, com as cenas de ação ocorrendo em sua maioria no passado.

O filme é bom, mas não desperta aquela sensação que só um filme incrível passa. Isso acontece porque a grande expectativa que ele gerou acabou sendo ofuscada por alguns elementos do enredo, mas com os amigos sempre fica melhor a experiência… Ele me deixou dividida, mas acho que se eu assistir novamente eu posso puxar sardinha para um ou outro lado(rsrsrs)….

Michael Fassbender dá um show de atuação como Aguilar de Nerha e Cal Lynch, com incríveis expressões faciais e corporais , e Marion Cotillard como a cientista Sofia também se sobressai em momentos chave.

Os efeitos visuais, os cenários tudo colabora para a contextualização e desenvolvimento da história, seja a águia voando em transições de cena, como as cenas com as luzes e efeitos do Animus em funcionamento.

E a trilha sonora? Gente uma boa trilha sonora no momento certo ajuda a dar emoção e personalidade para cada cena. Grande parte do filme que merece muitos elogios é a sincronização perfeita das musicas com cada cena.

Então, se como eu vocês gostaram do trailer e estão com grandes expectativas, lembre-se que o filme estreia dia 12 de janeiro nos melhores cinemas do país… Estou ansiosa para saber o que vocês vão achar…