David Levithan é um dos meus autores preferidos, mesmo que não tenha lido todos os livros dele e não tenha gostado nadica de “Will & Will” (não por causa dele e sim pelo modo como John Green, com quem faz parceria de escrita neste livro, criou seu personagem), ele continua sendo um dos meus queridos. Talvez isso se deva ao fato do meu primeiro contato ter sido com sua obra “Todo Dia”, pela qual me apaixonei e estou vibrando ansiosamente pela sua estreia nos cinemas nacionais, prevista para 16 de julho. Sua escrita me conquistou!

É justamente sobre “Todo Dia” que vou comentar hoje, e talvez em um outro momento comento sobre suas outras histórias, mas por hora vamos focar na minha queridinha. Narrado em primeira pessoa, o livro apresenta “A”, um ser que não sabemos a origem, mas que acorda cada dia em um corpo humano diferente independente da forma física ou o sexo da pessoa, sendo a única informação que temos que será sempre alguém na mesma faixa etária em que ele se encontra e dentro de uma raio curto de distância da casa anterior em que estava.

“Ontem eu era uma garota numa cidade que, imagino, fica duas horas daqui. No dia anterior, era um garoto numa cidade a três horas de distancia. Já estou me esquecendo dos detalhes deles. Tenho que esquecer, caso contrário, nunca vou me lembrar de quem sou realmente.”

“A” é uma alma gentil que sempre tenta respeitar ao máximo seu hospedeiro, e que com o passar dos anos, entendeu que não deve se apegar a ninguém, pois nunca sabe onde estará no próximo dia. Mesmo tentando viver a filosofia de não se apegar, tudo muda em um dia que achou que seria só mais um jovem atleta chato e grosseiro vivendo descuidadamente, mas não esperava que ao passar seu dia no corpo do Justin acabaria mudando tudo! No corpo do rapaz de 16 anos, “A” conhece Rhiannon e se apaixona por essa garota que vive tentando agradar o namorado que não da à mínima para o que ela faz.

+ { #RESENHA } GAROTO ENCONTRA GAROTO – DAVID LEVITHAN

Rhiannon é aquela típica personagem carinhosa e sonhadora, que aguarda incansavelmente a volta do cara incrível que o namorado foi no início do relacionamento. Ela vê que só esta indo ladeira abaixo mas ainda espera tudo se ajeitar, até que conhece “A” e percebe que não vai ter essa, o namorado se  tornou um babaca e vai continuar a tratando muito mal.

“Queria que o amor conquistasse tudo. Mas o amor não conquista tudo. Ele não pode fazer nada sozinho, Ele depende de nós para conquistar em seu nome.”

 

DICA DE LIVRO: TODO DIA - DAVID LEVITHAN (TODO DIA #1)

David Levithan criou um livro único, com direito a personagens marcantes, momentos de grandes sofrimentos e outros de muita alegria. O leitor consegue conhecer um pouco mais sobre a pessoa em que “A” está no momento e sofrer com as histórias apresentadas, sendo algumas bem típicas de adolescentes e outras bem complicadas, como drogas, doenças e problemas familiares. O interessante da leitura foi que, mesmo sendo apresentada a várias pessoas diferentes, o autor consegue manter a essência de “A” com uma forma cativante e única, mostrando sua breve vida como aquele outro personagem de quem rouba a vida por um dia. Ao dar a ele a capacidade de conseguir informações do hospedeiro, vemos como todo mundo tem sua singularidade, suas alegrias e tristezas.

“A” tem a consciência que não é culpa dele esse fato de acordar no corpo de outra pessoa, então tenta viver aquele dia da melhor forma possível, sem demonstrar revolta ou insatisfação. Ele tenta ser feliz ao máximo. Minha maior dificuldade ao me colocar no lugar de ‘A’ foi imaginar não ter minha família, nunca mais vê-los. Só de imaginar já me dá um aperto no coração. Mesmo sabendo que ele sempre foi assim e se acostumou, ‘A’ teve contato com seus pais no início e entendo que é muito difícil e dolorido não ver alguém que você ama ao seu lado, eu sei, passo por isso há 10 anos e ainda me pego triste às vezes.

Sendo sincera, senti falta das explicações do porquê de ‘A’ ser assim, como isso aconteceu, de onde ele veio e se um dia ele vai parar, mas não ao ponto de tirar o brilho do livro. Gostei da narrativa, me apaixonei pelo jeito gentil do ‘A’ e a forma intensa com que ele ama Rhiannon, mesmo me questionando algumas vezes se não chegava ao ponto de parecer um perseguidor, mas isso é mais um clichê do gênero YA, um amor tão intenso que chega a assustar. A história ganhou um segundo volume chamado “Outro Dia”, lançado em 2016, onde tudo é contado através dos olhos de Rhiannon.

____________________________________________________________________________________________________________________________________________
Título: Todo Dia
Autor: David Levithan
Ano: 2013
Páginas: 280
Editora: Galera Record