Atenção: essa resenha pode (e vai) conter spoilers leves (ou não) do primeiro livro O segundo livro da série As crônicas de amor e ódio (primeiro aqui). The Heart of Betrayal começa com a chegada de Lia, acompanhada de KadenRafe e toda a caravana em Venda. Ela se surpreende com as grandes muralhas e com os rostos curiosos que a admiravam, e com o quanto eles pareciam… normais. Chegando ao Sanctum – que é onde os mais importantes líderes de Venda se reúnem – Lia descobre que o reino de Venda é grande, e dividido em partes menores comandadas por governadores.

Além disso, ela se surpreende com o Komizar, que parece bem mais jovem que realmente é. E mesmo assim, assustador. Quando Lia reencontra Rafe, ele está ferido. Ele tem um plano para salvá-la, mas mentiu para ela a respeito de quem era. Rafe manteve sua mentira para o komizar, que não suporta os “porcos de Dalbreck”. Lia no entanto não consegue saber se deve confiar no seu plano e perdoá-lo pela mentira.

“Mas o fato é que eu vim por você, Lia, não importando quem você seja, e não me importo com os erros que você tenha cometido ou que eu tenha cometido. Eu cometeria todos, cada um deles de novo, se esse fosse o único jeito de ficar com você.”
Darksid books editora
Num ato de generosidade do KomizarLia tem a oportunidade de ir até o comércio de Venda comprar algo para se vestir, e lá encontra mais do que os bárbaros que ela esperava. Encontra famílias trabalhando para sobreviver, crianças e mulheres, o que faz com que ela desenvolva alguma afeição pelo povo Vendano.
Ela descobre também alguns atos de bondade do Komizar que a surpreendem, mas seria essa bondade genuína? Além de bem recebida por muitos, Lia é alvo do afeto e da lealdade de Kaden. Mas ele é um Rathan, que significa “Nunca falhar”, ou seja, sua lealdade era primariamente a Venda, e ao Komizar. Ele não era um qualquer, era O Assassino. Mas Lia também não era quem costumava ser. Não era mais uma princesinha da corte.

“A expressão dela estava sinistra. Sem sentimentos. Não estava com a menor pressa de responder, porém, quando o fez, seu tom não continha qualquer emoção.

‘Ele deu risada na noite em que me contou que havia matado Greta. Ele regozijou-se com a morte dela. Disse que foi fácil. Que a morte dela não lhe custara nada. Agora custará. Todos os dias em que eu respirar, farei com que custe alguma coisa. Toda vez que eu vir aquele mesmo largo e presunçoso sorriso no rosto dele, farei com que pague por isso.’

(…)”Então, a resposta à sua pergunta, Kaden, é não. Não é o suficiente. Nunca será o suficiente.”

 

Dica de leitura para as ferias
Lia, no entanto descobre que Venda – quem deu o nome ao reino – não era quem ela pensava ser. Durante a sua viagem pelo Cam Lateaux, ela aprende bastante do idioma vedano, e traduzindo os livros que contém a Canção de Venda, Lia descobre que o que os textos sagrados Morrgiheses que ela lia desde criança estavam errados. Errados a respeito do surgimento do seu mundo. Errados a respeito de quem foi Morringhan e quem foi Venda. O dom está cada vez mais presente e Lia sente que algo está se agigantando, prestes a acontecer. Mas leva um longo tempo para que  ela descubra o que é.
 
Nesse segundo livro, Mary E. Pearson nos leva mais intensamente ao mundo de Lia. O livro não é só um romance, nem só uma distopia. Tem um quê de místico que é muito, muito fascinante. Esse misticismo não é tão visto no primeiro livro, e nesse segundo – que eu AMEI – podemos conferir o surgimento dos reinos.
Nesse livro todos aqueles trechos que me pareceram um pouco soltos no primeiro, se encaixam e fazem a história adquirir mais profundidade, ainda mais quando entendemos que o papel dela é muito maior do que qualquer Primeira filha que já existiu. E acho que uma das coisas que eu mais gosto é que, isso vai fazendo sentido aos poucos, como se um quebra-cabeças estivesse se montando bem na nossa frente. Conforme faz sentido para Lia, faz sentido pro leitor, e isso faz com que a gente se sinta mais próxima da obra a cada palavra.



“A esperança é um peixe deslizante… Impossível prendê-la por muito tempo. (…)Então você tem que segurá-la com mais força.”

 
Não vou mentir, levei uns bons dias para ler The Heart of Betrayal. Diferente dos quais eu estou acostumada a gostar, esse livro tem uma história densa. Não deve ser ‘devorado’, mas lido com calma para que os inúmeros detalhes sejam absorvidos. Perdi a conta de quantas vezes meu coração acelerou com as atitudes de Lia, ou se partiu com Kaden Rafe, mas devo dizer que é daqueles livros que nos deixa fissurado. E me prendeu completamente. Mal posso esperar pela continuação!

E vocês? Leram? O que acharam?

_______________________________________________________________________________________________________________

Título: The Heart of Betrayal
Crônicas de Amor e Ódio # 2
Autora :Mary E. Pearson
Ano: 2016
Páginas: 402
Editora: DarkSide Books
Gênero: Jovem adulto, Fantasia,  Romance
Adicione ao Skoob
Onde comprar: AMAZON