Publicado em 2021 pela editora Intrínseca, Pachinko primeiro chegou aos assinantes dos Intrínsecos e alguns meses depois a todos os leitores da editora. Escrito pela autora best-seller, Min Jin Lee, Pachinko é sobre família, resiliência, coragem e preconceito contra imigrantes.

Nessa história acompanhamos muitos anos de uma mesma família, bem como uma decisão que se deu no início da adolescência impactou na mudança para um novo país. Filha de pescador, Sunja se apaixona por um misterioso homem. O mesmo lhe faz milhares de promessas e seu charme a conquista. Sunja descobre que esta grávida e o homem na verdade é casado. Com a recusa de ser a amante, Sunja acaba se casando com o ministro que está de passagem na Coreia rumo ao Japão. Assim a moça vai com ele como sua esposa e, a criança em sua barriga se torna filhos deles.

Pachinko não é uma leitura fácil, nem vai agradar todo mundo. Seu ritmo lento e a capacidade de aceitação dos personagens podem e vão incomodar em alguns momentos. Contudo, toda uma nova cultura e a capacidade da autora de nos criar empatia pelas situações vividas fazem a leitura valer bastante a pena. A escrita de Min Jin Lee me lembrou bastante um outro livro de uma autora coreana que tive o prazer de ler: Nossas Horas Felizes (Gong Ji-Young), que tem um tema totalmente diferente, mas o mesmo tipo de narrativa poética e lenta.

PACHINKO - MIN JIN LEE

Esse livro narra a vida de quatro gerações de uma mesma família, então as passagens entre eles são muitas. Algumas das vezes fica até um pouco confuso. Antes de você ver Sunja e sua imigração, você conhecerá os pais de seus pais, a forma como aconteceu o casamento deles e a vida confortável – mas sofrida – que eles tinham. Depois vemos Sunja e os demais personagens. Dessa forma a autora vai nos apresentando cada um até conhecemos todas os familiares e personagens.

Nesse primeiro momento pode ser um pouco assustador, já que além da passagem de tempo tem muita gente para assimilarmos. Porém, quando se vai lendo devagar, pegando as informações, ‘conhecendo’ os lugares de cada familiar, se torna tudo muito gostoso de acompanhar.

Eu sou suspeita para falar porque gostei tanto desse livro. Depois que comecei a ver doramas a Cultura Asiática – principalmente a coreana – me apresentou pontos de vista tão diferentes daquele que somos acostumados, que me vi apaixonada pela sua visão de vida.

PACHINK - MIN JIN LEE

Em Pachinko tem tanta História, uma quantidade de cultura em suas páginas, principalmente sobre a colonização japonesa na Coréia, que a cada nova página me vi bastante curiosa. Com ênfase no detalhe: essa obra será adaptada ainda esse ano para um Kdrama.

Mas não ache que esse livro romantizou a colonização não. Pelo contrário, mostrou todo o preconceito, injustiça e dificuldade que o coreano passou nessa época. Principalmente os que foram obrigados a imigrar para uma terra nova estranha que não os aceitavam.

As injustiças vividas por seus personagens deixam o coração apertado e em tristeza profunda, todavia a resiliência dessas quatros gerações nos mostra uma força única e maravilhosa. E eu espero de coração que o Kdrama, que será homônimo, consiga refletir tal qual aos telespectadores.

________________________________________________________________________________________________________________

Pachinko
Autora: Min Jin Lee
Tradutora: Marina Vargas
Ano: 2020
Páginas: 528
Idioma: português
Editora: Intrínseca
Gêneros: Romance, drama, imigração
Adicione ao Skoob
Compre usando nosso link da AMAZON