DORAMAS

O REI ETERNO – 2020 | KDRAMA

29 junho, 2021 por

O Rei Eterno (The King: Eternal Monarch) é uma série de televisão sul-coreana exibida pela emissora tvN entre 17 de abril a 12 de junho de 2020, com um total de dezesseis episódios. É estrelada por Lee Min-ho (Boys Over Flowers, The Heirs,A Lenda do Mar Azul), Kim Go-eun (Goblin, Eungyo,Cheese in the Trap) Woo Do-hwan (Save me, Mad Dog, Tempted), Jung Eun-chae (The Guest, Haunters, The King) e Lee Jung-jin (a hundred years legacy, Pieta (filme), The K2).

O Rei eterno

A história começa no reinado do Rei Sinmun, na Dinastia Silla, do Reino da Coreia, um universo paralelo. O rei Sinmun recebeu uma flauta de bambu do Rei Dragão do Mar Leste, quando a flauta fosse tocada, os inimigos se renderam, as doenças seriam curadas, a chuva cairia durante as secas e por aí vai.

Percebendo os poderes da flauta, o Rei Sinmun a chamou de Manpasikjeok e a denominou um tesouro nacional, porém essa flauta também abre portais para mundos paralelos.

No inverno de 1994 no Reino da Coreia o filho mais velho ilegítimo (Lee Lim) do Rei, planeja um golpe com vários traidores e invade a sala do tesouro, onde encontra o filho mais novo do Rei, seu irmão Lee Ho. Lee Lim e seus seguidores assassinam os guardas reais, o Rei pede que Lee Lim reconsidere e abaixe sua espada, mas o vilão ignora o pedido do Rei e o mata.

Lee Lim consegue pegar a flauta mas é surpreendido com a chegada do príncipe Lee Gin, que se levantou não por causa do som de tiros, mas pelo som alto que a flauta emitiu. Lee Gon corajosamente pega a espada (depois de entender o que estava acontecendo), e avança contra Lee Lim, que se protege com a flauta, mas tem sua mão cortada e a flauta partida no meio.

Lee Gon tenta prender Lee Lim, mas os guardas estão do lado do traidor e apontam as armas para o príncipe. Surge um homem misterioso com o rosto escondido, Lee Lim tenta estrangular o príncipe usando os dois pedaços da flauta, o vidro do teto quebra e o homem misterioso entra e acaba com os traidores seguidores de Lee Lim salvando o pequeno Príncipe, Lee Gon acaba pegando uma das metades da flauta, Lee Lim é obrigado a recuar com uma das metades da flauta.

O homem misterioso se aproxima do príncipe para verificar se ele está bem, e o príncipe tenta agarrá-lo, mas quando o homem parte, acaba deixando para trás o seu crachá.

Lee Min-ho como o Rei Lee Gon do Reino da Coreia. Lee Gon é um rei bondoso, inteligente e dedicado ao seu povo. Ele atravessa um portal mágico seguindo o rastro do coelho branco ( Alice no País das Maravilhas) e acaba em um universo paralelo, onde encontra a Tenente Jung Tae-eul, por quem se apaixona.

Kim Go-eun como Jung Tae-eul, ela é tenente na República da Coreia. Extremamente forte casca grossa. No começo não acredita que Lee Gon é um rei de um universo paralelo, mas quando isso se prova verdade, Tae-eul e Lee Gon lutam com todas as forças pelo seu amor. Luna é uma ladra no Reino da Coreia e sósia de Jung Tae-eul. Ela é ambiciosa e vingativa.

O Rei Eterno

Woo Do-hwan como Jo Eun-seop / Jo Yeong. Jo Eun-seop é um amigo de Jung Tae-eul na República da Coreia. Brincalhão, abobalhado e medroso, mas faz de tudo para proteger sua família e eventualmente, o Rei Lee Gon. É também apaixonado por Myeong Na-ri. Diferente do seu sósia, Jo Yeong é o capitão da Guarda Real do Reino da Coreia e melhor amigo do Rei Lee Gon desde criança. Ele é inteligente, centrado e extremamente protetor do Rei. Ele também é apaixonado pela sósia de Myeong Na-ri do seu mundo, Myeong Seung-a, mas não admite.

Jung Eun-chae como a Primeira-ministra do Reino da Coreia Koo Seo-ryung / Koo Eun-a. No Reino da Coreia, Seo-ryung é Primeira Ministra. Extremamente gananciosa e manipuladora, ela deseja se casar com o Rei Lee Gon, mesmo não o amando, mas seus planos são frustrados quando o Rei encontra Tae-eul. Na República da Coreia, sua sósia é Koo Eun-a, uma simples estudante.

Lee Jung-jin como Lee Lim. Tio do Rei Lee Gon, ele não tem direito ao trono por ser filho de uma concubina. Desejando mais do que ser rei, ele realiza um golpe onde assassina o irmão, e rouba a flauta mágica Manpasikjeonk, mas seu plano falha quando Lee Gon, ainda criança, corta a flauta ao meio com a espada dos Quatro Tigres e pega uma metade para si. Assim os dois tendo acesso ao portal que conecta os mundos

O Rei Eterno

Apesar de seu elenco, publicidade extensa e orçamento de produção de mais de 30 bilhões de Wones (US$ 25 milhões), O Rei Eterno recebeu críticas por seu roteiro, direção e performances, levando a uma popularidade doméstica abaixo do esperado na Coreia. No entanto, O Rei Eterno foi denominada como “drama de sucesso da Netflix” pela GMA News Online e o South China Morning Post também o mencionou como um “sucesso de série de drama coreano” devido à sua popularidade no exterior.

Tem um tempinho que assisti O Rei Eterno e os principais motivos de eu ter gostado muito do drama foram as personagens femininas. Talvez minha opinião agora seja polêmica (ou não), mas eu adorava a Tenente, principalmente a primeira ministra e a Na ri.

A primeira ministra gostei por ela ser uma figura política muito importante no Reino da Coreia e ter a mesma ambição e inteligência que a maioria dos políticos de lá, e eu achava isso fascinante. Porém essa função política dela acabou perdendo um pouco já que o foco dela passou a ser uma babaca e atrapalhar o casal principal por puro capricho. A Tael eul é uma mulher muito forte, direta, sabe a hora de avançar e de recuar, sabe o que quer e luta muito por isso. Sofre por amor como qualquer ser humano, pensa na família, nos amigos e principalmente na sua profissão que tanto gosta.

Mesmo ela amando muito o protagonista, não vai deixar de viver o seu sonho profissional que ela tanto lutou para conseguir. E por fim a Na Ri (não menos importante), uma mocinha independente, com vontade e opiniões próprias, dona do seu próprio negócio e super forte e objetiva.

Resumindo, as personagens femininas de O Rei Eterno deram um show e não foi só de atuação. Agora indo para os três principais personagens masculinos, que nem preciso falar o quão apaixonantes eles são e como ganharam o coração dos telespectadores, principalmente o queridinho da Coréia Lee Min Ho, mas quem acabou ganhando muito destaque foi os personagens Eun seop e Jo Yeong, que trouxeram uma complexidade, um humor, uma leveza, uma seriedade também, dois personagens super completos a cativantes.

Outro ponto forte da trama com certeza foram os cenários, a fotografia. O que é aquilo, direção e fotografia conseguiram fazer com maestria e inserir o telespectador nos dois mundos, focando em cada detalhe, cada arquitetura presente nos dois mundos, além de cenas lindas entre o casal principal. O Lee Gon viajando entre as linhas do tempo, detalhes entre o reino da Coreia e a República da Coreia. Só assistindo para saber mesmo, sentir e se inserir nesse universo cativante.

O único ponto possivelmente negativo (que eu não acho), é a complexidade da trama e só depois de alguns episódios pra frente que você começa a entender o que tá acontecendo e o que levou a isso. Para algumas pessoas isso pode acabar sendo um empecilho ou pode ser o que vai te dar um pontapé para maratonar O Rei Eterno, depende do gosto da pessoa mesmo. É um drama de fantasia, romance, um pouco de comédia e ficção científica. Um drama apaixonante e que só o elenco já é motivo suficiente para você embarcar nesse k-drama.

veja os posts relacionados

Deixe seu comentário