Filme:  Call Me By Your Name |  Distribuidora: Sony Pictures | Estreia: 18/01/2018 | 
Gênero: Drama, Romance | Duração: 2h13min | Orçamento: 3,5 milhões USD

Chegou ao cinema ontem, 18 de janeiro, “Me chame pelo seu Nome”, do diretor italiano Luca Guadagnino (Um sonho de Amor). No elenco temos Armie Hammer (Animais Noturnos), Timothée Chalamet (O Natal dos Coopers), Michael Stuhlbarg (A Chegada), entre outros que confesso, não conhecia. O filme “Call Me By Your Name” é inspirado no romance de André Aciman de mesmo nome. A trama nos contará a história de Elio e Oliver, sendo Elio um rapaz que passa férias na casa dos pais e Oliver um estudante que irá ajudar o pai de Elio com a pesquisa que este realiza.

Passa-se em algum lugar da Itália, o local exato não nos é informado, mas parece ser a Riviera italiana. O ano em que se passa a história é 1983. Vamos conhecer Elio e sua família que moram numa linda casa com um belo pomar. Já no início somos apresentados a Oliver, um estudante americano que passará algumas semanas com o pai de Elio, um especialista em cultura grego-romana, e Oliver vai ajuda-lo com essa pesquisa. Como qualquer adolescente o filho do casal tem amigos que também passam férias na cidade e que tentam fazer com que o estudante, em seus momentos livres, participe das atividades de verão praticadas por eles.

De início, Elio não fica muito feliz com esse novo ajudante de seu pai, já que o pai terá de dar atenção ao outro rapaz. Mas, no decorrer da historia isso irá mudar, uma vez que irá surgir uma amizade e, no desenrolar da história, uma paixão. A Obra aborda a descoberta da sexualidade nas mais diversas formas. Elio fica em conflito por não saber se é feliz sendo heterossexual ou homossexual, pois teve as duas experiências. Ele se sente, às vezes, como um doente quando está com Oliver, como ele mesmo relata em uma determinada cena.

A fotografia ficou maravilhosa, cada paisagem mais linda que a outra, quando nos é mostrado o campo, as cidades não aparecem muito. O figurino é condizente com a época retratada. As atuações foram boas, Timothée como Elio nos mostra a descoberta da homossexualidade com um pouco de receio no começo, Armie como Oliver nos passa a impressão de que é um rapaz estudioso e que resiste as indiretas que Elio dá. Os outros atores também fizeram um bom trabalho. A trilha sonora fica por conta de Sufjan Stevens .

Achei longo e cansativo, ele tem mais de 2 horas. Pela primeira vez foi um filme que não me prendeu, não me fez gostar da história abordada. Mesmo com as boas atuações, o enredo meio que se perdeu, ficaram algumas pontas soltas. Se não fosse isso talvez eu pudesse ter vindo a gostar, não sei… Mesmo sendo uma obra que está com uma nota de 8,4 no IMDB, ele não me conquistou. Confesso que me sinto até um pouco mal por dizer isso, mas não vou dizer que gostei de algo não tendo gostado, seria enganar a mim e a quem for assistir e que venha a gostar.

Mesmo eu não tendo gostado, acho válido que assistam, caso a história chame atenção de vocês, porque outras pessoas podem gostar e devemos respeitar a opinião e gosto dos outros. Quem sabe eu mude de opinião? Não sei… Mas no momento, não me agradou.

Curiosidades:

– Em 2015, James Ivory disse ao The New York Times que ele planejava dirigir um filme e que Shia LaBeouf e Greta Scacchi estariam no elenco. No entanto, em 2016, foi anunciado que ao invés disso, Luca Guadagnino iria dirigí-lo com um roteiro co-escrito por ele e Ivory, com Armie Hammer, Timothée Chalamet e Michael Stuhlbarg no elenco.
– “Call Me By Your Name” é inspirado no romance de André Aciman de mesmo nome.
– Foi lançado em 2017 no Festival de Sundance, nos Estados Unidos.
– Foi selecionado para o Festival Internacional de Cinema de Toronto em 2017.

Essa matéria foi escrita por Raquel Carvalho enquanto ainda era colunista do Coisas de Mineira