Distribuidora: Warner Bros | Estreia: 29/03/2018 | Gênero: Ação, Aventura, Ficção Científica | Duração: 2h20

Em um futuro distópico, no ano de 2044, Wade Watts (Tye Sheridan), vive em Columbia, na cidade que mais cresce na terra, e como o resto da humanidade prefere a realidade virtual do jogo OASIS. Quando James Halliday (Mark Rylance), o criador do jogo morre, ele deixa um vídeo explicando que deixou sua herança dentro do jogo. Para conseguir o grande prêmio, os jogadores tem que encontrar três chaves e desvendar enigmas que estão em três desafios diferentes. Wade, é grande fã de Halliday e entra de cabeça para desvendar o mistério e conseguir vencer o jogo, durante o caminho, ele acaba aprendendo que nem tudo se trata de virtual. Essa é sinopse de “Jogador Número 1”, baseado no livro homônimo de Ernest Cline, lançado pela Leya em 2012, que estreia hoje (29 de março) nos cinemas. E para você ver o que te espera nas telonas, vou deixar não um, mas dois trailer do filme. O primeiro é o oficial, mas o segundo foi exibido no San Diego Comic-Con (SDCC).

A primeira coisa que tenho que falar é: a sala em que se assiste a um filme que fala sobre realidade virtual e tem como diretor Steven Spielberg faz TODA a diferença, a equipe do blog foi convidada para ir na pré-estreia e levar alguns leitores, e gente, assistir a “Jogador Número 1” na sala Imax sim, foi muito bom. Mas nem tudo são flores não é? Devo confessar que os primeiro minutos do longa para mim foram bem tediosos, mas concordo que nem tudo é ação de primeira. Em compensação, quando o tédio passou, eu me diverti bastante. É de referência que gostamos de falar Capitão América? Então vamos lá, a obra cinematográfica traz toda uma pegada de referências dos anos 1980 (se você lembra dessa época, vai pegar muita coisa), desde jogos de video game (ATARI) até as músicas, filmes e livros. O que devo dizer? O filme é um altar para a cultura pop da década. SEM SPOILERS.

Dizer que não espero muito quando vejo Spielberg na ficha técnica de alguma produção, seria mentira. E graças a Deus, esse não me decepcionou. Toda a parte em que os jovens estão no jogo, os efeitos visuais e toda a criação gráfica ficou realmente excelente. Além da fotografia do mundo “real” também, os produtores, criaram um ambiente que encaixou direitinho com a história. Não li o livro ainda, mas depois de assistir, ele entrou na minha lista de desejados, e tem um tempo que aprendi a não esperar que adaptações sejam iguais as histórias (na verdade tento pensar que é uma coisa totalmente diferente, com um mesmo enredo). Antes de iniciar o filme, teve um aviso dizendo que no banner de “Jogador Número 1”, haveria um QRCode para as pessoas entrarem mais na realidade da produção. No Spotify, apareceu para mim uma página com uma lista de músicas que fazem parte do longa, além de criar também uma lista personalizada a partir do gosto de cada um, quem quiser entrar no clima de “Jogador Número 1”: Clique aqui 

 

Acho que a ficha técnica do Spielberg estamos cansados de saber né (“A.I. Inteligência Artificial”, “Jurassic Park”, e o recente “The Post”). Já os atores, alguns foram bem conhecidos para mim, como Hannah John-kamen (Killjoys, Black Mirror), Tye Sheridan (“Como Sobreviver a um Ataque Zumbi” e “X-Men: Apocalipse), Olivia Cooke (“Bates Motel” e “Ouija: O Jogo dos Espíritos”), Mark Rylance (“Dunkirk” e “O Bom Gigante Amigo”). Outros apesar de não tão conhecidos para mim, não deixaram de ter destaque, como: Win Morisak, Philip Zao, T.J. Miller (“Deadpool” e “Como Treinar o seu Dragão”), Lena Waithe (“This is Us”) e Ben Mendensohn (“O Destino de uma Nação” e “Rougue One”).
Como disse no inicio, o blog levou alguns leitores para assistir ao filme na pré-estreia, convidamos alguns deles para contar um pouco sobre as suas impressões:



Maria Rocha
Ontem fui a pré estréia de Jogador Número 1 (Ready player one) a convite do blog Coisa de Mineira e foi sensacional! Primeiramente q o filme foi transmitido em uma sala Imax com áudio e imagem impecável que proporciona uma maior  imersão no filme. Sobre o filme o que posso dizer é que as referências aos anos 80 e toda ação é de tirar o fôlego . É um filme que vai agradar principalmente os amantes Geek. Mas, se você assim como eu não faz parte do mundo dos jogos vai se apaixonar também pelo Parzival (Wade Watts) , Art3mis (qm leu o livro vai saber porque escrevi assim rsrs), sua turma e é claro por OASIS.

Carol
Spielberg está de volta e chegou arrasando, o filme é a minha cara! Ele está de olho na geração atual e nos apresentou os avanços da tecnologia e o caminho que para onde podemos seguir em breve, um mundo virtual interligado com o distanciamento das pessoas na realidade. Mesmo que eu não tenha nascido na década de 80, os games (<3), quadrinhos, músicas, séries, filmes e qualquer outro item da cultura pop da época me chamam muita atenção. Amei todas as referências (Põe amor nisso, haha), os easter egg’s, a trilha sonora (Já citei diversas vezes que sou, a loka das trilhas sonoras, hahaha) adorei assistir ao filme em uma sala IMAX, a experiência é impressionante e extasiante, mal pisquei durante a sessão. Nostalgia pura, obrigada ao blog por mais essa pré estreia maravilhosa e principalmente ao Spielberg por nos presentear com esse filme LINDÃO!
 

Camille
O que dizer do filme JOGADOR N°1? Incrível seria pouco, a experiência foi surpreendente tanto pelo som, quanto pela imagem, acho que essa definição se aplica bem a sala IMAX também. Eu fiquei tremendo de emoção do começo ao fim, o filme e cheio de ação e aventura e tem uma ótimo referencial de outros filmes e uma ótima trilha sonora, além de que o 3D e super bem utilizado. Não me decepcionei nem um pouco com enredo, pelo contrário eu queria estar lá e viver no Oásis. JÁ QUERO LER MUITO o livro e… ver o filme de novo, por que sou dessas ! kk

Alice Reis
Ter visto o filme Jogador n°1 na sala imax acho que foi uma das melhores experiências que tive em 2018, os efeitos especiais, a trilha sonora e as referências a década de 80, tudo isso merece ser elogiado, as referências aos games que marcaram uma geração me faz querer ver esse filme novamente, e não apenas isso, também fiquei com vontade de ler o livro que inspirou o filme…. Eu amei !!!

Camila
Bom, achei o filme muito bem estruturado, com uma história que mistura drama, fantasia, aventura e romance. Enfim, adorei. É dinâmico, interativo, cheio de referências do mundo real e de outros mundos imaginários. Fiquei louca pra ler o livro, vou providenciar já.