Gostosas, Lindas e Sexies
Distribuidora: Paris Filmes | Estreia: 20/04/2017 | Orçamento: – | Gênero: Comédia | 
Duração: 01h:50

Entra nos cinemas essa semana a comédia brasileira “Gostosas, Lindas e Sexies” do diretor Ernani Nunes. Com grandes nomes do cinema nacional, o filme é mais uma aposta para o crescente ramo da comédia brasileira.

Ambientado no Rio de Janeiro, o filme conta a história das quatro inseparáveis amigas Beatriz (Carolinie Figueiredo), Tânia (Lyv Ziese), Ivone (Cacau Protásio) e Marilu (Mariana Xavier) que, além de lindas e bem sucedidas, também dividem outra característica em comum: todas elas vestem manequim Plus Size. O filme então vem contar com humor sobre as situações do cotidiano onde ser gorda pode causar diferenças no tratamento e nos relacionamentos.

Confesso que quando tive conhecimento do filme e vi que uma das atrizes principais seria a Cacau Protásio, já fiquei bem animada. Assim como todos aqueles que gostam do humorístico “Vai que Cola”, acredito que ela se revelou como uma das peças fortes do humor atual. Qual foi minha surpresa ao descobrir que seu protagonismo neste filme não passou de algo completamente apagado? O mesmo aconteceu com Mariana Xavier, que também é um trunfo na comédia e possui um ótimo canal no Youtube com vídeos que abordam muito da ideia principal do filme (Canal Mundo Gordelícia com Mariana Xavier), porém sua personagem…

O filme apresenta um desenvolvimento muito fraco, além de personagens carregados de clichês e bordões. Sua duração de 1h50min acaba deixando claro como o filme é cansativo e repetitivo. Apesar de conseguir arrancar algumas risadas e apresentar um bom tema (e atual) que seria a quebra dos padrões estéticos, as situações vividas pelas personagens acabam sendo bastante controversas. Um exemplo disso é a abordagem principal de que qualquer homem deve se interessar pelas quatro personagens independente de seu peso, pois são lindas, gostosas e sexies: Certo! Porém, em nenhum momento elas deixam de escolher seus parceiros por padrão. Todos os relacionamentos são com caras “lindos e malhados” porque “se não for gato eu nem pego”. Está errado gostar de caras assim? De forma alguma. Mas só assim?! Tudo bem, podemos deixar essa passar como uma crítica à objetificação feminina (apesar de não me convencer muito).

Aí vem a segunda parte que me incomodou. Acontecem dois casos de traição no filme: o marido de uma das protagonistas a trai com uma modelo, e uma das protagonistas trai seu namorado, ou melhor inicia um relacionamento paralelo, com um cara “mais gostoso”. As abordagens feitas às duas situações são extremamente opostas e absurdas, uma vez que o marido é apontado como o cafajeste e sua amante uma vagabunda  (que inclusive até apanha), enquanto a protagonista nada mais é do que alguém que deseja explorar os prazeres da vida antes de se casar com seu namorado que é seu amor verdadeiro. Oi???

Gostosas, Lindas e Sexies Filme

Em tempos em que o feminismo é bastante criticado e incompreendido, temos que tomar cuidado com este estilo de abordagem onde as mulheres são colocadas em uma posição elevada, com atitudes inquestionáveis. Isto é um exemplo claro de femismo (o oposto do machismo) e não feminismo, e avançar injustificadamente está linha tênue de separação entre os dois pode prejudicar a luta daquelas que realmente buscam a igualdade entre os gêneros.

Sendo assim, infelizmente classifico o longa como uma decepção. Em um momento onde filmes como “Minha Mãe é uma Peça” e “Tô Ryca” ganham seu espaço, os padrões estão elevados e fica difícil ser convencida por algo que só promete (porque o trailer é hilário) mas não cumpre.