“Bom dia, Verônica” enfim está disponível na Netflix! A série de 08 episódios inspirada no livro homônimo dos autores Raphael Montes e Ilana Casoy é uma produção original da plataforma de streaming e estreou dia  01 de outubro. Acredito que a maior parte da camada de leitores estava ansiosa por este lançamento e eu não sou uma exceção. Sendo grande fã dos autores, coloquei meu celular para despertar às 4 horas da manhã e iniciei a maratona. Venho então compartilhar a minha opinião sobre essa série que já anima e enche de orgulho desde o elenco de peso!

Verônica Torres é uma escrivã da Polícia Civil e em mais um dia habitual de trabalho acaba se deparando com o caso de Marta Campos. Após ter sido enganada e roubada em um site de relacionamentos, recebe pouco crédito da polícia, e ali no meio da delegacia e na frente de Verônica, ela suicida. O vídeo do caso viraliza e em meio a investigação e pressão da imprensa, a escrivã acaba se deparando com o grave caso de uma outra mulher.

"Bom dia, Verônica" enfim está disponível na Netflix! A série de 08 episódios inspirada no livro homônimo dos autores Raphael Montes e Ilana Casoy

Janete viu aos poucos seu conto de fadas ruir. Apaixonou-se por Brandão e por ele saiu de sua cidade, se afastou de sua família, e foi viver uma vida a dois. Mas esse relacionamento envolve segredos. Seu marido esconde do mundo uma face cruel, fria e doentia. Além de abusar física e psicologicamente da esposa, ele mantém o “hábito” de sequestrar garotas na rodoviária, obrigando Janete ajudá-lo. E apesar de tudo isso, ela ainda sente que a culpa é toda dela, uma vez que não consegue dar a Brandão o filho que ele tanto deseja.

O caminho de Janete e Verônica irá se cruzar, numa busca incessante por justiça e resgate de vida. Porém, existe ainda um outro agravante, uma vez que Brandão exerce um cargo de poder que o coloca acima da Lei. Motivada a salvar a vida daquela esposa, e de diversas outras possíveis vítimas, Verônica inicia uma batalha contra o próprio sistema, aquele que deveria estar a seu favor. E acaba percebendo que pode ter mexido em algo que ultrapassa seu conhecimento, uma rede consolidada e perigosa que existe há anos.

Bom dia, Verônica enfim está disponível na Netflix!

BOM DIA, VERÔNICA

Sabem o que essa produção merece antes de qualquer comentário? Aplausos. A série tem uma trama eletrizante, atuações exemplares e mantém o nível de tensão e adrenalina lá no alto. Chega ser impossível interromper uma maratona. Além disso, vem driblando todas as barreiras e dificuldades encontradas por uma obra nacional, ainda mais sendo uma que desvia tanto do habitual gênero comédia/romance. Era mesmo necessário chegar com os dois pés na porta.

À frente de toda história estão três atores de destaque no cenário nacional que, sinceramente, mostraram como trabalham com excelência. Tainá Muller é uma perfeita Verônica, transmitindo com facilidade o seu jeito prático, corajoso, decidido e empático. Já Camila Morgado, dispensa apresentações há algum tempo. A atriz dá mais um show, representando Janete de forma sensível e emocionante. Através dos seus olhos é possível visualizar o ciclo do abuso doméstico, as fases de aceitação, culpa, revolta e coragem da esposa subjugada.

Agora o Eduardo Moscovis… meu Deus! Confesso que nunca o imaginei em um personagem tão duro e cruel, por isso fiquei ainda mais impressionada. Para mim, sua atuação é a cereja do bolo. O Brandão de Moscovis provoca medo, repulsa e tensão de uma forma bem fria e controlada. Você vê um homem de hábitos comuns, que não eleva o tom de voz em nenhum momento, não faz movimentos bruscos, mas causa um arrepio na espinha só de surgir na tela.

Bom dia, Verônica enfim está disponível na Netflix!Livro homônimo dos autores Raphael Montes e Ilana Casoy

E vamos ao que muita gente quer saber: Segue exatamente enredo do livro? NÃO. Mas você está enganado se acreditar que por isso a série não atingiu seus objetivos. Na minha opinião, uma boa adaptação literária é aquela que consegue alcançar uma maior parcela do público. Se adequar de forma a levar e divulgar a história para uma maior quantidade de pessoas, e não necessariamente agradar apenas aqueles leitores que já a conhecem.

Dito isso, o que posso dizer é que a história da tela mudou sim, mas principalmente por se tratar de um formato diferente. Nem tudo que está nas páginas é viável para o audiovisual e vice-versa, o que torna as obras complementares e não antagônicas. Inclusive, é importante ressaltar que é impossível não reconhecer as mãos de Rafael e Ilana no roteiro da série, então fiquem tranquilos.

A principal mudança está na personalidade de Verônica, o que não foi algo ruim, pois detesto a do livro (rs). Na série a escrivã é mais centrada, responsável, preocupada com a família e com as vítimas, o que condiz com suas várias ações altruístas. É deixado de lado sua ambição pelo reconhecimento, sucesso e até seu egoísmo. A inclusão da delegada Anita foi algo que inicialmente me preocupou, pois tive receio de seguirem o caminho da “rivalidade feminina”. Mas, não. Essa questão é resolvida logo pela própria trama.

Assista ao trailler:

No entanto, a grande perda é, com certeza, o imenso corte na investigação do caso de Marta Campos e o site Amor Ideal. Todo o processo no livro é brilhante e a história bizarra, além da sua junção com desfecho do livro ser genial. Porém, com o foco em Janete e Brandão isso tudo precisou ser colocado de lado. Por falar em Brandão, senti também muita falta da abordagem de sua infância e vida da avó. Consequentemente houve um grande ganho para a trama de “Bom dia, Verônica” com a inclusão de conspiração policial e o caso do Orfanato Cosme e Damião.

Enfim, acredito que todas essas alterações façam parte daquela ideia inicial de adequação ao formato e alcance de público. Eu já vi tanta gente classificando a história como “muito forte e visceral”, imagina se eles soubessem o que as páginas reservam?! Não podemos esquecer que nós já estamos acostumados a ir ao limite com Rafael e Ilana, mas nem todo mundo é assim.

Então fica aqui essa super indicação que aborda temas necessários e muitas vezes camuflados na nossa sociedade. Além disso, prestigiem os nossos! Existe uma equipe brilhante por trás dessa produção que precisa ser valorizada. E vamos aguardar ansiosos por “Boa Tarde, Verônica”!

________________________________________________________________________________________________________________

Título: Bom Dia, Verônica
Direção: José Henrique Fonseca
Ano: 2020
Distribuidora: Netflix
Gênero: Drama
Idioma: Português
Elenco principal: Tainá Müller, Camila Morgado, Eduardo Moscovis.