Mailing do blog

Assine e receba novidades

MANUAL DE ASSASSINATO PARA BOAS GAROTAS – HOLLY JACKSON, ISSO AQUI PODE SER NADA DO QUE VOCÊ ESTÁ PENSANDO.

MANUAL DE ASSASSINATO PARA BOAS GAROTAS – HOLLY JACKSON, ISSO AQUI PODE SER NADA DO QUE VOCÊ ESTÁ PENSANDO.

Manual de Assassinato Para Boas Garotas (A Good Girl’s Guide to Murder #1) tem esse título que, ao mesmo tempo, induziu minha mente a pensar que o livro fosse ser um thriller infanto-juvenil, bem como algo recheado de clichês. Porém, o que teremos nessas páginas é bem mais do que eu poderia esperar. Fui surpreendida positivamente pela obra de Holly Jackson. Fiquei mais feliz ainda, quando descobri após a leitura, que esse é apenas o livro um de uma trilogia. Já que gostei tanto das personagens, do enredo, e da escrita da autora… só basta esperar por mais!

MANUAL DE ASSASSINATO PARA BOAS GAROTAS

 

Autoria:
Holly Jackson

Editora:
Intrínseca

Ano de lançamento:
2022

Gênero:
Crime, Jovem adulto, Suspense, Mistério

Páginas (nº):
448

Título original:
A Good Girl’s Guide to Murder
Todos em Little Kilton conhecem essa história. Andie Bell, a garota mais bonita e popular da escola, foi assassinada pelo namorado, Sal Singh, que se suicidou após o crime. Na época, não se falava em outra coisa. Cinco anos depois, Pip ainda vê as marcas que a tragédia deixou na cidade, desde as matérias tendenciosas da imprensa local até o ostracismo da família das vítimas. E ela não vai deixar as coisas continuarem assim…
.
.
Classificação Indicativa: +15
Aviso de Conteúdo: ansiedade, automutilação, cárcere privado, cyberbullying, estupro, morte de animais, morte de jovens, referências sexuais, traição, uso de drogas.
Manual de Assassinato Para Boas Garotas

Vamos falar de Pippa

Pippa Fitz-Amobi é a protagonista “barra” investigadora de Manual de Assassinato Para Boas Garotas, um livro de mistério e suspense. Como um trabalho de escola, a garota resolve “reanalisar” um caso muito conhecido em sua cidade, Little Kilton (Buckinghamshire). O assassinato de Andie Bell foi uma tragédia que aconteceu há 5 anos. O culpado, seu namorado Sal Singh, foi encontrado numa floresta, já sem vida, e com vestígios de sangue de Bell em suas unhas. Ele morreu por suicídio através de overdose de medicamentos, e o celular de Andie ao seu lado. Entretanto, Pip quer remexer nesse passado obscuro, porque tem suas desconfianças a respeito da culpa do rapaz.

Pip dá início a uma sequência de entrevistas. Um dos entrevistados, é Ravi, o irmão mais novo de Sal – o “monstro” de Little Kilton. De início o jovem não sabia como lidar com essa investida de Pippa. A família foi relegada à escória da cidade. Todos moradores os condenam pelo que Sal fez a Andie. E qualquer contato com cidadãos da cidade, geralmente é cercado por um clima muito desagradável. A entrevista de Pip vai acontecer, porque ela não é como o resto do pessoal de sua cidade.

“- Porque eu não acho que seu irmão é o culpado. E vou tentar provar isso.”

Por que matar Andie?

No decorrer da investigação, Pip se coloca em risco. Ela começa a receber recados, bilhetes, e mensagens muito preocupantes. Ameaças estão sendo direcionadas a ela, no intuito de fazê-la desistir de mexer nessa história, que para a cidade toda, já está morta e enterrada. Todavia, o corpo de Andie nunca foi encontrado. E na cabeça de Pip, Andie pode estar até viva, enquanto Sal pagou o preço por seu assassinato perdendo a vida, e praticamente amaldiçoando o que sobrou de sua família.

Algo muito interessante na trama de Manual de Assassinato Para Boas Garotas, é o levantamento de pistas que Pip, com a ajuda de Ravi, vai fazendo e anotando. Ela também elenca nomes aos quais ela acredita que pudessem ter motivos para querer eliminar Andie. No decorrer das pesquisas e entrevistas, é descoberto muitos “podres” sobre Andie. E assim, a gente vai percebendo que ela não é aquela garota popular e querida. Mas, sim alguém que praticava bullying e coisas piores. Onde ela errou a ponto de ser assassinada?

“- Andie parece ter sido uma pessoa muito problemática – disse ele quando Pip terminou. – E mesmo assim foi tão fácil para todo mundo assumir que Sal era o monstro (…).”

Manual de Assassinato Para Boas Garotas

Poderia ser um caso real…

A história desse livro é algo que realmente poderia acontecer. Tanto o enredo, quanto os personagens, são bastante críveis. Esses envolvimentos e esses acontecimentos bem poderiam ter ocorrido na nossa própria vizinhança. Também é muito bom imaginar uma adolescente, no fim de sua vida acadêmica, pronta pra vida adulta, faculdade, etc, se envolver em algo (perigoso), afim de provar a inocência de alguém que ela mal conhecia, mas passou a gostar e confiar.

O que não deixamos de pensar o tempo todo é: e se Sal não é o assassino, o verdadeiro criminoso está a solta. E pode estar na cidade ainda. Por isso tudo é muito perigoso. E Pip, bem como Ravi, acabam por se colocar em situações críticas. Viram muitos perigos de perto. As ameaças à Pip e sua família ficam mais íntimas e próximas. Qual daqueles nomes anotados no projeto de Pip será o aliciador de Pip? Por qual motivo essa pessoa quer que a garota abandone esse projeto tão importante? Sal é realmente inocente?

“Mas já aprendi a lição. Ao pegar alguém mentindo sobre uma garota que foi assassinada, a melhor coisa a se fazer é perguntar à pessoa por quê.”

Recomendo demais Manual de Assassinato Para Boas Garotas!

Sei que conforme o livro se encaminhava para o fim, de tão envolvida, eu não queria que ele terminasse. A autora foi muito cuidadosa e atenciosa aos detalhes. Não vi furos na trama. Para mim, ela foi muito detalhista e nos prende à trama de tal forma, que fiquei em êxtase quando descobri que “Manual de Assassinato Para Boas Garotas”, é apenas o primeiro livro de uma trilogia.

Concluindo, eu vou ficar aqui, na torcida, para nossa querida Intrínseca trazer logo logo os outros dois livros. Pip vai crescer mais ainda, se desenvolver, e quem sabe… levar esse negócio de investigação à diante. No mais, essa edição é muito bonitinha. Um livro em um tamanho menor, com folhas em papel pólen, e uma ótima diagramação! Muito confortável de tê-lo em mãos. É delicioso poder segurar e ler um livro que vai diferenciando nas páginas as mídias diferentes que a garota trabalhava. Identificar suas anotações, mapas, registros da agenda de Andie, bilhetes de ameaça! Tudo sensacional.

“Quanto mais tenho que mentir, mais fácil fica.”

Comente este post!