Mailing do blog

Assine e receba novidades

NÃO OLHE PARA CIMA – UMA SÁTIRA DA VIDA REAL | NETFLIX

NÃO OLHE PARA CIMA – UMA SÁTIRA DA VIDA REAL | NETFLIX

Não Olhe Para Cima (2021) é dirigido por Adam McKay. No elenco contamos com as estrelas Leonardo DiCaprio, Jennifer Lawrence, Meryl Streep, Timothee Chalamet e Cate Blanchett. Está disponível na Netflix, e tem causado uma mescla de sentimentos e sensações em seus telespectadores. Acredito que essa sátira superinteligente, veio para tentar ressaltar como o mundo – no caso do filme, a América do Norte – está cego e obcecado por celebridades, tecnologias em geral, redes sociais, e assuntos fúteis. Uma sátira, repito, necessária, inteligente, e que chama o telespectador a um olhar mais crítico, não só a nível de entretenimento.

Nome: Não Olhe Para Cima (Don’t Look Up)
Duração: 2h 22min
Gênero: Comédia, Sátira
Elenco: Jennifer Lawrence, Jonah Hill, Leonardo DiCaprio, Timothee Chalamet, Tyler Perry, Mark Rylance, Rob Morgan, Cate Blanchett, Meryl Streep
Classificação do Conteúdo: 16+
Aviso de conteúdo: Apocalipse, Destruição, Palavreado chulo, Traição, Nudez
Diretor: Adam McKay – Disponível: Netflix

Essa comédia dirigida por McKay, é aparentemente mais inofensiva do que seus demais trabalhos. A temática do longa acabou por me lembrar Tyler Durden (O Clube da Luta – PALAHNIUK, Chuck). Ele prega sobre nossa sociedade consumista. O Sr. Durden anuncia: “Trabalhamos em empregos que não gostamos, para comprar um monte de coisa que não precisamos.” E também: “As coisas que você possui acabam possuindo você.” É incrível como o filme nos traz uma ‘idiotização’ do ser humano. Porém, é ao mesmo tempo o que está acontecendo a cada dia.

Sobre o filme Não Olhe Para Cima

Não Olhe Para Cima se deve à descoberta de um incrível e destruidor cometa por uma doutoranda e seu orientador – vividos respectivamente por Lawrence (Kate Dibiasky) e DiCaprio (Dr. Randall Mindy). Ele está em rota de colisão com a Terra. Ambos tentam de todas as formas alertar a NASA, os responsáveis por esses assuntos, e até mesmo chegar ao gabinete da presidente dos Estados Unidos, interpretada de forma brilhantemente ignóbil, por Meryl Streep (Janie Orlean). Os cientistas são jogados para lá e para cá. Somente uma pessoa dá valor à descoberta. De resto, ninguém deu a mínima para a história.

E só de pensar que isso poderia muito bem ser verdade, a gente estremece. Nossa segurança, a vida na Terra seria dizimada… Mas, as preocupações dos grandes líderes estavam direcionadas para outro foco. Claro, foco esse que envolve valores monetários altíssimos, descobertas tecnológicas avançadas, e um tipo bem diferente de segregação. O jogo político, por exemplo, faz com que os “grandes” não levem a sério nossa iminente destruição. O prazo para o meteoro alcançar o planeta é pouco mais que 6 meses. E os descobridores do fato disseram que há 99% de chance de a extinção acontecer.

O cinismo desse filme, que coloca a nossa frente uma presidente preocupada com ‘nudes’ suas vasadas on-line, ou que estabelece um filho seu (Jason Orlean, vivido por Jonah Hill) como chefe de gabinete – alguém sem qualquer preparo ou condição de exercer o cargo –, é algo muito real e libertador. Qualquer síndrome de teoria da conspiração que você já tenha se acusado, cai por terra. Sim, essas coisas acontecem por aí a todo tempo. O que faz de Não Olhe Para Cima, em minha humilde e não profissional opinião, ser um dos filmes mais interessantes do falecido ano de 2021.

Não Olhe Para Cima (2021) é dirigido por Adam McKay. No elenco contamos com as estrelas Leonardo DiCaprio, Jennifer Lawrence, Meryl Streep, Timothee Chalamet e Cate Blanchett.

Todavia, creio eu que esse é um filme onde quanto menos a gente fala sobre ele, melhor. Pois, é interessante que você tenha sua interpretação dos fatos. Que você decida onde é o momento de dar risada, o momento de ‘pescar’ as sutis e eloquentes sátiras da vida real, e o momento de entrar em desespero… Porque é bem claro, estamos caminhando para o fim dos tempos. A passos largos. E tudo que nos pedem por aí, é para que nós não olhemos para cima. Não enxerguemos o mal feito, feito.

É sim possível, ao fim da obra, se alegrar em pensar que existem outros seres pensantes, que percebem o que anda acontecendo com o nosso planeta. O que está acontecendo aos nossos relacionamentos, às nossas famílias. Até mesmo aos programas de TV que assistimos, e aos artistas que acompanhamos. O que de fato é importante para que o mundo continue girando? Acabar 2021 refletindo sobre um cometa maior do que o que matou os dinossauros estar em rota de colisão com a Terra foi algo surreal. Experimente a sensação você também! Mas, abra bem os olhos.

O Público consegue entender não olhe para cima?

Algumas críticas defendem o caráter extremamente óbvio de Não Olhe Para Cima, e que assim, o público consegue estar mais reflexivo e consciente com o que o final do longa deseja mostrar. Então, com sátira ou sem sátira, tire proveito do recado maior que o filme tenta trazer. Preserve nossa “casa”. Cuide do nosso planeta. Olhe mais para os lugares certos, e perca menos tempo com as coisas menores ou menos importantes. Será que seríamos capazes disso?

Comente este post!

  • Joyce

    Já coloquei esse filme na minha lista desde o primeiro dia que o vi. A maioria dos filmes com Leonardo d Caprio é ótimo. Não vejo a hora de poder assisti_lo.

    responder
  • Erika Monteiro

    Oi Carol, tudo bem? Vi muitas pessoas comentando sobre o filme e no início me chamou atenção pela participação do Leo, claro. Gosto bastante do trabalho dele. A Jennifer também atua bem. Mas num primeiro momento achei que a produção reuniu atores bem aleatórios. Talvez eu esteja enganada. Quanto aos questionamentos são válidos se compararmos com a sociedade na qual vivemos. Esse pensamento é sempre válido concorda? Um abraço, Érika =^.^=

    responder
  • Lilian de Souza Farias

    Menina, ainda não assisti o filme, geralmente quando muitas pessoas falam, ao mesmo tempo do filme (aconteceu comigo no facebook e insta) que se torna quase uma ‘histeria’ não consigo assistir de imediato, preciso esperar, mas não posso negar que é um soco no estômago.

    responder