Mailing do blog

Assine e receba novidades

FORWARD – BLAKE CROUCH, N. K. JEMISIN E OUTROS | RESENHA

FORWARD – BLAKE CROUCH, N. K. JEMISIN E OUTROS | RESENHA

Forward é uma coletânea de contos organizados pelo autor Blake Crouch e lançado em 2021 pela Editora Intrínseca, trazendo seis contos de seis autores do gênero, que misturam ficção especulativa e ficção científica.

Forward

 

Autoria:
Blake Crouch, N. K. Jemisin, e mais

Ano de lançamento:
2021

Páginas (nº):
304

Editora:
Intrínseca
Classificação indicativa: 16+
Aviso de conteúdo: Morte, fim do mundo, fim da humanidade, racismo

Blake Crouch inicia o livro com uma nota explicativa de como chegou à coletânea. Foi em um passeio pelas Montanhas Rochosas, discutindo com a esposa sobre o desenvolvimento tecnológico acelerado que vivemos, e as consequências – nem todas positivas.

Mas esse medo do desconhecido deve ser um empecilho para novas descobertas, ou temos de nos lançar no escuro, sem saber onde esse caminho vai dar? Após escrever um conto, teve a ideia de pedir a escritores do gênero para criar contos que explorassem os efeitos retumbantes de um momento tecnológico crucial.

O conto que abre a coletânea é do organizador Blake Crouch, autor de Matéria Escura e Recursão, e que pretende explorar a realidade virtual e a Inteligência Artificial.

FORWARD – BLAKE CROUCH

NO CONTO SUMMER FROST DE FORWARD – BLAKE CROUCH 

Riley é uma programadora de uma NPC (Um personagem não jogável) dentro de um jogo. Max – a NPC, desvia-se da programação, e explora os limites do jogo. Riley extrai seu código, e acaba desenvolvendo um relacionamento emocional com a IA (Inteligência Artificial).

Com uma linha do tempo ágil, já que muitos anos se passam, teremos uma discussão fantástica sobre o desenvolvimento de uma IA, e os limites entre o virtual e o real. Até que ponto um código pode se desenvolver, e até onde uma IA consegue ir?

Além disso, o autor consegue desenvolver o mistério em relação à Max – que aliás, tem uma discussão ótima sobre gênero, levando a utilização de uma linguagem neutra; tem todo o drama da vida de Riley, que entrega tanto do seu tempo ao projeto de Max, e perde momentos importantes da família, e temos até mesmo uma pontinha de terror – é assustador acompanhar todo o desenvolvimento de Max, e perceber que poderemos estar à mercê de uma situação como essa em breve…

Summer Frost nos leva a questionar como nossa tecnologia pode se mostrar perigosa e incontrolável, com proporções que talvez já não caibam no pouco que podemos conceber.

“Foi uma mulher assassinada duas mil vezes enquanto sua consciência estava se formando. O que se podia esperar?”

PELE DE EMERGÊNCIA – N. K. JEMISIN 

No segundo conto de Forward , o protagonista é enviado ao planeta Terra – chamado por sua sociedade de Tellus, em uma missão que pode salvar os remanescentes da raça humana. Mas é uma estória guiada por comandos que o protagonista recebe, o que deixa pouco espaço para diálogos.

Parece que um evento levou à um apocalipse da Terra, e alguns poucos e selecionados humanos conseguiram escapar para outro planeta. Essa sociedade envia soldados para Tellus, deixando claro que não há vida na terra.

Esse grupo, que se autodenomina Fundadores, enfrenta problemas – e um deles parece ter relação com a dificuldade de desenvolver pele, fornecida para poucos.

Mas, quando o soldado chega à terra: surpresa! Somos resilientes! E as falas que são deixadas para o protagonista chegam a ser irreverentes. Acima de tudo, porque a autora aproveita para discutir temas importantes, como superioridade de raça, racismo, misoginia, daquela forma que é própria da Jemisin.

Um conto narrado de uma forma bem diferente, que me deixou com muita raiva dos fundadores e foi tão fantástico que eu preciso saber o que aconteceu após o final da estória…

“Você podia ter ido fazer outros trabalhos, as tarefas rotineiras que os robôs não executam. Mas, não, claro que você não iria ganhar uma pele por isso. Só os melhores entre nós merecem esses privilégios.”

FORWARD –  N. K. JEMISIN

ARCA – VERONICA ROTH

Aqui, o foco não está na tecnologia, mas sim na destruição do planeta. Há vinte anos, um cometa entrou em curso de colisão com a Terra, e a humanidade se mobilizou, se preparando para uma evacuação, mas também com pesquisas voltadas para conhecer, entre outras coisas, a flora e fauna, escolhendo aqueles que deveriam ser levados em uma viagem em busca de um novo planeta.

Samantha é uma horticultora, responsável pela catalogação da flora. Estamos há duas semanas da colisão, e ela toma uma atitude drástica, mas que a aproxima de suas raízes, até que um inesperado e potencial futuro começa a florescer…

Um conto sublime e poético, sobre escolhas e sobre o que nos faz humanos. Mesmo parecendo ser sobre perda, trata-se sobretudo de recomeços. E a reconexão que ela faz com suas raízes por conta de uma coleção de orquídeas e o pesquisador é terno, triste e promissor – coube isso tudo… mais ainda, a orquídea inusitada é brasileira!

“O pai tinha lhe dito, um ano antes, que cada inverno que ela via seria um dos últimos invernos da Terra.”

 VOCÊ CHEGOU AO SEU DESTINO – AMOR TOWLES 

Provavelmente o conto que mais esteja próximo da nossa realidade hoje, já que trata de inseminação artificial, mas com opção de escolhas tão minuciosas que chegam a dar medo.

Sam procura a Vitek, um laboratório de fertilidade, para um procedimento de fertilização in vitro. O que ele não imaginava é o quanto poderia aprofundar nas escolhas para que seu filho tivesse todas as vantagens em um mundo tão competitivo. Bom, nem todas, já que um algoritmo deduz quais seriam os possíveis caminhos dentro das possibilidades do seu grupo na sociedade. Pois é, ascender dessa forma também é difícil…

A esposa dele já havia selecionado três possíveis caminhos para o ‘filho’, mas quanto mais Sam vai conhecendo os caminhos, mas ele reflete sobre as suas escolhas, as escolhas de sua esposa, e o que ele realmente quer para seu filho.
É bizarro, medonho e tão incrível como nos faz refletir!

“O padrão acaba se tornando um prognóstico.”

A ÚLTIMA CONVERSA – PAUL TREMBLAY 

Que conto aterrorizante! Novamente temos uma forma diferente de narrativa, já que parece que o leitor é o protagonista. Só existem dois personagens – você e Anne.

O que poderia ser mais assustador: não saber quem você é, ou descobrir isso… você acorda em um cômodo desconhecido, sem lembranças de quem você é. Mas Anne – ou Dra. Kuhn, vai lhe ajudando a se lembrar. Claro que você quer saber quem é e o que aconteceu, mas quanto mais próximo você chega das respostas, mais apavorado fica! A ignorância é uma benção…

Temos o fim do mundo de uma nova perspectiva. A narrativa vai dando pequenas pistas, mas ainda assim o final é chocante!

“Esquecer é perder alguma coisa que um dia foi sua, que um dia fez parte de você.”

CONTO DO LIVRO FORWARD – RANDOMIZANDO – ANDY WEIR 

Imagine trambiqueiros misturados com física quântica! Se os jogos de Vegas são à prova de fraudes, porque não usar um QI elevado para burlar a segurança?

E é assim, usando física quântica – bem explicada, como o autor gosta de fazer, que um casal resolve tirar a sorte grande e ganhar um dinheiro fácil. Mas, nada sai como planejado, e temos a receita do sucesso: computadores, hackers e uma mulher inteligente e rápida ao propor uma saída inusitada para todo o imbróglio…

“Você pode entender de física quântica de A a Z, mas eu dirijo este cassino há vinte anos.”

No geral, Forward foi uma surpresa instigante, com reflexões e críticas intensas, e que envolvem o leitor de tal forma, que fica impossível largar.

Os contos são fluidos, e trazem diversas facetas do ser humano e de sua interface com a tecnologia, situações que provavelmente você já se viu especulando, por isso – apesar de alguns mais distantes, foi tão fácil me relacionar com as estórias.

Enfim, se gosta de ficção científica e especulativa, de contos, e de estórias divertidas, reflexivas e aterrorizantes, Forward é para você.

Comente este post!

  • Nalu Santos

    Uau, adorei a capa, faz tempo que não leio contos. Os assuntos são muito relevantes e atuais, tenho certeza que vale muito a pena ser lido e já entrou na minha lista de desejados.

    responder
    • Yasmim Ingrid

      Normalmente passo longe de livros de ficção científica, mas gostei muito da resenha e essa ideia de dividir em contos e cada conto trabalhar a respeito de assunto é muito interessante, além da capa ser um luxo de linda.

      responder
  • João Victor Silva de Carvalho

    Ultimamente eu ando tão caidinho por contos que cada dia aparece um interessante e vou encaixando na minha lista, e esse, com certeza, estará encaixado lá. A capa me chama muita atenção, capa maravilhosa. 2022 promete!!!!

    responder
  • Helenna

    Nossa, ficção científica me deixa aflita quando leio… Me traz fascínio, mas ao mesmo tempo um certo medo, porque você vê o progresso da tecnologia e a relação dela com o planeta, mas ao mesmo tempo as situações são cabulosas… Eu achei muito interessante ser vários contos, parece bem bacana, vou ler depois (mas comendo um chocolate e na calma pra não ficar aflita kkkk)

    responder
  • Layla

    Confesso que agora foi minha vez de boiar um pouquinho. Eu não entendo muito bem e não gosto muito de ficção científica e, a propósito, pessoal, não ficou claro pra mim e eu queria que vocês me explicassem: o que é ficção especulativa?

    responder
  • Yasmim Ingrid

    Gostei muito da resenha, e amei essa ideia de dividir o livro em contos e cada conto trabalhar a respeito de assunto, além da capa ser um luxo de linda. Normalmente passo longe de livros de ficção científica, mas vou dar uma conferida.

    responder