Mailing do blog

Assine e receba novidades

ROBINSON CRUSOÉ – DANIEL DEFOE | RESENHA

ROBINSON CRUSOÉ – DANIEL DEFOE | RESENHA

Robinson Crusoé, de Daniel Defoe, foi publicado no ano de 1719. Essa edição está muito caprichada, é ilustrada e comentada. A Editora Zahar torna possível a você, além de fazer a leitura esperada, também irá agregar diversas informações além. As notas são extremamente pertinentes e funcionam como um norte a mais nessa incrível jornada. Acompanhe comigo então um pouco mais sobre esse romance um tanto epistolar, e uma espécie de diário, mas de fato, das aventuras de Robinson Crusoé. Você ficará encantado com essa autobiografia fictícia!

Robinson Crusoé

edição comentada e ilustrada

 

Autoria:
Daniel Defoe

Editora:
Clássicos Zahar

Ano de lançamento:
2021

Gênero:
Aventura, Clássico Universal, Ficção, Literatura Estrangeira

Páginas (nº):
352
Tradução: José Roberto O’Shea
Classificação indicativa: + 11 anos

Um mistura entre aventura e fantásia

A história se dá, porque nosso aventureiro naufragou. Não cheguemos à essa obra esperando verdades absolutas, ensinamentos profundos, ou qualquer tipo de epifania. Aqui, tão simplesmente, iremos descobrir o que Crusoé passou e enfrentou nesta ilha deserta. Pode ser que por alguns momentos sintamos uma linguagem um pouco mais rebuscada, ou que a narrativa não esteja tão fluída. Creio que isso faz parte do espírito do livro. Pois, o próprio narrador afirma que irá se concentrar em registrar fatos mais objetivos e importantes a partir de certo ponto. O que faz tudo mais divertido e dinâmico.

“Mas, ai de mim! Não era de admirar que estivesse enganado, pois nunca fazia nada certo. Não havia outro remédio senão persistir…”

ROBINSON CRUSOÉ – DANIEL DEFOE
ROBINSON CRUSOÉ – DANIEL DEFOE | RESENHA

A Narrativa de Robinson Crusoé

Teremos, durante as facetas de Crusoé para sua sobrevivência, toques tanto sobrenaturais, quanto realistas. A mistura de gêneros é algo intrínseco aos acontecimentos e experiências, bem como à própria narrativa. Alexander Selkirk foi um marinheiro escocês, e a inspiração de Defoe para seu Robinson Crusoé. A fama do autor nasceu aí, uma vez que possivelmente tendo entrevistado Selkirk, e com adições de sua própria imaginação, a obra ficou tão conhecida. É isso que dá quando se escreve a respeito de um sujeito que ficou em uma ilha deserta por 28 anos…

Dessa forma, poderemos ter inúmeras aventuras explanadas por Robinson Crusoé. Ele conseguiu construir um local pra viver, e recolher alguns suprimentos de sua embarcação. Nosso protagonista encarou diversas situações inusitadas, desde a presença de canibais, piratas e até mesmo outros naufrágios. Uma visão religiosa/bíblica também pode-se ser enxergada na trama, uma vez que como o filho pródigo que deixa seu lar, Crusoé também saiu. O que era para ser uma aventura e conhecimento do mundo, foi de encontro a grandes calamidades. Outro trecho que pode ser uma analogia religiosa, é relacionado a doença de Crusoé e a personalidade bíblica Jó.

“Isso tocou meu coração um pouco, e arrancou lágrimas de meus olhos, e comecei a sentir-me abençoado que tal prodígio da natureza acontecesse em meu benefício…”

LIVRO DANIEL DEFOE
Robinson Crusoé: edição comentada e ilustrada

Foram mais de 20 anos sem contato com outra pessoa.

Faz alguns companheiros daí em diante. E finalmente há a chance de resgate. Ao ajudarem o britânico capitão do navio a tomar posse de sua embarcação contra amotinados, os “ilhados” ganham a chance de libertamento. Crusoé contabilizou seu tempo de “cativeiro” em de passar 28 anos, 2 meses e 19 dias na ilha. As coisas mudaram na Inglaterra e ele terá uma grande surpresa a respeito de sua vida.

“Qualquer um pensaria que naquele estado de ventura eu jamais voltaria a sujeitar-me a riscos, e assim, na verdade, seria, se outras circunstâncias tivessem concorrido; mas eu havia me habituado à vida errante, não tinha família direta nem muitos parentes…”

ROBINSON CRUSOÉ – DANIEL DEFOE

Robinson Crusoé é um dos Clássicos mais lindos no mundo

De certo modo, podemos até acessarmos um “modo” reflexivo ao conhecer a história de vida de um homem tão solitário, que conseguiu sobreviver por tantos e tantos anos sozinho, sem qualquer interação humana – esse foi Robinson Crusoé. Lá (na ilha) ele precisou aprender a viver de outra forma. Necessitou instruir-se e reaprender maneiras de lidar com as adversidades que iam surgindo. Foram anos de certo tipo de sofrimento, de aprendizados, e de novas jeitos de encarar a realidade.

Robinson Crusoé, de Defoe, acabou por conquistar uma figura arquetípica na literatura mundial: o homem universal. Suas façanhas são conhecidas há alguns séculos, marcando e denotando acontecimentos semelhantes ou inspirados. Dificilmente alguém acostumado com a literatura ter contato com fatos semelhantes à naufrágios e ilhas desertas, e não associarem ao nosso protagonista.

Comente este post!

  • Flavia Pedroso

    Meu sonho essa coleção ilustrada e comentada da Zahar. Esse é um dos clássicos que tenho interesse em ler, mas não sabia muito da história e agora estou chocada que o cara ficou mais de 28 anos em uma ilha e ainda conseguiu ser resgatado. Já vou incluir a edição na minha wishlist pq ela parece ser maravilhosa.

    responder
    • Carol Nery

      Flávia, essas edições da Zahar têm o total de ZERO defeitos, né?
      Tomara que consiga ler em breve essa grande aventura. Você pode se surpreender!!!

      responder
  • Ana Clara

    Tá aí um livro interessante e que eu nunca lembro de procurar pra ler. Quem sabe no próximo ano, né?!
    Tô tentando ler mais clássicos da literatura mundial, li pouquíssimos até hoje, e não tem como falar de clássicos e não citar as aventuras de Robson Crusoé.
    Amei a resenha!
    Beijos

    responder
    • Carol Nery

      Oiê!
      Então, há alguns anos eu decidi que iria conhecer melhor os Clássicos Universais. E estou aí… há uns 4 ou 5 anos, não me lembro mais, me dedicando muito a isso! Só tenho a agradecer tal decisão.
      Conheci das melhores histórias já escritas e me sinto muito, muito satisfeita em poder dividir isso com os colegas literários.
      Beijão e obrigada pela visita

      responder
  • Nalu Santos

    Nossa, que perfeito. Eu também sou apaixonada por essa mistura de gêneros, adoro livros assim mas não consigo encontrar muitas opções. Já fiquei cativada.

    responder
    • Carol Nery

      Quando os gêneros dão uma misturada, a gente sente que as coisas ficam mais agitadas… às vezes isso prende mais o leitor! É bom demais esse tipo de leitura às vezes.

      responder
  • Ana Carolina

    O nome Robinson Crusoé não me é estranho, não sei se em algum momento tive contato com algum livro que tinha esse personagem. Essa me pareceu uma história muito profunda, 28 anos perdido me parece muito tempo pra pensar sobre a vida, é um tipo de história que me atrai.

    responder
    • Carol Nery

      Ah, sim! Robinso Crusoé de uma forma ou de outra é um nome conhecido. Se não for contato com o livro propriamente dito, pode ser um programa de tv, um desenho animado… alguém comentando! Muita gente fala sobre essa história.
      Feliz que o livro te atraiu.

      responder
  • Debora Sapphire

    Show! Gostei bastante de poder acompanhar aqui um pouco mais a respeito desse romance um tanto epistolar também. Achei interessante por ser meio que uma espécie de diário e trazer as aventuras de Robinson Crusoé. Sem dúvida, uma autobiografia fictícia pra encantar mesmo. Fiquei querendo ler. E que edição magnífica. Adorei!

    responder
    • Carol Nery

      Tomara que consiga ler. E recomendo muito esse da Zahar. Porque é maravilhoso, e bem trabalhado.

      responder
  • Hanna Carolina

    Esse livro é mesmo um clássico da literatura mundial. E a Zahar capricha tanto nas edições, que fico babando em todas elas, haha. Eu amo o apanhado histórico que eles fazem antes da história começar, assim como uma biografia do autor, isso deixa até o leitor mais próximo da obra, né? Acho fantástico e até olho com outros olhos para o livro que estou prestes a ler. Que bom que a leitura te foi proveitosa, o que só completa a experiência. ^^
    Bjks!

    Mundinho da Hanna
    Pinterest | Instagram | Skoob

    responder
    • Carol Nery

      Você tá certíssima. Eu me sinto bem mais próxima da obra quando a edição é tão bem preparada e cuidadosa com esses detalhes.
      Beijão

      responder
  • Leticia Rodrigues

    nossa, uma capa tão linda, que guarda uma história tão simples mas ao mesmo tempo que parece tão dolorosa, a solidão pode ser boa mas também é dolorosa, eu acho que ja achei mais um pro meu 30 antes dos 30 kkk

    responder
    • Carol Nery

      Ah, adorei que ele pode figurar em uma lista sua tão importante assim.
      Certeza que não vai se arrepender.
      Grande abraço

      responder
  • Val

    Eu adoro esse livro. E um dos livros de aventura que mais gosto. E se tratando de aventuras no mar, aí que amo mesmo jajajaj
    Essa edição da zahar tá bem bonita. Preciso reler em algum momento.
    Gosto da escrita de Defoe. Comigo ela fluiu muito bem.
    Tschuss, Carol

    responder
    • Carol Nery

      Pois é. Eu sou daquelas que adora uma releitura.
      E quando recebo edições lindas, e bem elaboradas, a vontade só cresce. hahahaa
      Beijocas

      responder
  • Erika Monteiro

    Oie, tudo bem? Se tem uma coisa que gosto em livros mais antigos é justamente a linguagem rebuscada. Me faz lembrar tanto do meu professor de literatura. Ele sempre me ensinou a pegar esses livros com um dicionário do lado. Eu tinha uns três dicionários diferentes. Amava aprender palavras novas e tentar usar no meu dia a dia. Com relação a esse livro lembro da minha mãe comentando (porque ela ama clássicos como O jardim secreto, A volta ao mundo em 80 dias, O morro dos ventos uivantes) mas ainda não li. Interessante essa vibe sobrenatural, fiquei curiosa para saber mais. Quanto a edição dispensa comentários, está lindíssima. O livro Mulherzinhas também traz muitas notas e isso auxilia demais a leitura. Amo edições que se preocupam com esse detalhe. Um abraço, Érika =^.^=

    responder
    • Carol Nery

      Olha, Erika, dos livros que sua mãe gosta, eu já li todos. Fiquei me achando agora. Já posso bater um papo com ela. hhehehee
      E sim, sem comentários a preocupação de uma boa edição. Que se preocupa em ir amparando e até ensinando o leitor. Adoro!!!

      responder