FILMES

PROUD MARY | CRÍTICA

04 março, 2021 por

Proud Mary é um filme de ação, mistério e suspense com 1h 28m cheio de vínculos vulgares, reviravoltas dramáticas insinceras e uma legião de escolhas estilísticas e narrativas confusas.

A vida de Mary (Taraji P. Henson), uma assassina da máfia de Boston, dá uma guinada inesperada quando ela conhece uma criança que desperta o instinto maternal que ela pensava estar perdido. O que parecia ser um excitante veículo ao estilo de John Wick para Taraji P. Henson, acabou sendo uma falha de ignição completa que presta um desserviço aos talentos dela.

Dirigido por Babak Najafi, o filme mostra Mary, assassina pertencente a uma família de gangsters liderada por Benny ( Danny Glover) que acolhe em sua casa um menino chamado Danny (Jahi Winston), filho da vítima de Mary em uma de suas atribuições há algum tempo, que por ter ficado sem os pais acabou se enredando e trabalhando para um narcotraficante que chamam de Tio.

Por tudo isso, Mary fica encarregada de cuidar para que Danny não se envolva nos problemas do submundo do crime organizado, colocando em prática suas habilidades como assassino de aluguel e tentando deixar essa vida para trás.

PROUD MARY

E é nesse contexto que talvez o maior desprezo contra “Proud Mary” seja que nada acontece. É um filme de ação sem ação. É um drama sem drama real. Resumindo, é uma chatice completa.

O que foi legal foi ver o gênero blaxploitation dos anos 70 reinventado em um filme moderno, mas infelizmente o diretor Babak Najafi não consegue conectar os pontos com o roteiro e as emoções dos personagens.

Com roteiro de John S. Newman, Christian Swegal e Steve Antin, cineasta também conhecido por outros filmes como Sebbe , London Under Fire , Gabriel och Iasermannen e Rasten , entre outros. O filme é uma ação que desanima , apesar de uma atuação totalmente comprometida de sua estrela.

O protagonista do filme Taraji P. Henson , aceitou o papel principal em janeiro de 2017. Curiosamente, assinou o contrato antes de o estúdio encontrar o diretor ideal. Apenas algumas semanas depois, soube-se que Najafi seria o homem encarregado de levar a história de Newman e Swegal para a tela grande.

PROUD MARY

E seu brilhante trabalho merece destaque neste texto, mesmo enquanto o resto do filme desmoronava em torno de Taraji P. Henson como um suflê mal feito, ela corajosamente mantém sua parte no trato brilhantemente.

A orgulhosa Mary é descaradamente enigmática na execução, enquanto tenta, sem muito entusiasmo, imitar o poder anti-herói de uma mulher de ferro. Em última análise, precisamos de mais filmes com protagonistas femininas; precisamos de mais filmes com pistas coloridas. Mas também precisamos – e podemos fazer – melhor do que isso.

veja os posts relacionados

Deixe seu comentário

1 Comentário

  • Angela Cunha
    março 14, 2021

    Ah… rs
    Eu ri, me perdoa. Mas eu ri. Não me recordo de ter passado por este filme,mas agora já nem quero passar mesmo. Uma pena, pois era um enredo que se bem dosado, teria dado uma boa obra de suspense e drama!
    Beijo

    Angela Cunha/O Vazio na Flor

  • LIVROS INDEPENDENTES DO AUTOR QUERIDINHO DA NETFLIX HARLAN COBEN 5 K- DRAMA COM HAN SO HEE, ATRIZ DE MY NAME LANÇAMENTOS DE K-DRAMAS MAIS AGUARDADOS DE NOVEMBRO CRÍTICAS SÉREIS E FILMES COM PERSONAGENS NÃO BRANCOS Dicas de livros, filmes e Doramas para animar seu final de semana. Black Friday: Saiba como escolher o melhor kindle para você OS LIVROS DE FANTASIAS MAIS INDICADAS PELOS TIKTOKS DORAMAS DUBLADOS NA NETFLIX Promoção Kindle Unlimited Sarah J Maas? Quem não conhece tem que conhecer!