FILMES

MULAN – live-action | CRÍTICA

25 março, 2021 por

Mulan é um Remake do desenho de 1998 e teve uma trajetória bem diferente da que provavelmente foi planejada para ele. Você vai saber de tudo na nossa crítica Coisas de Mineira.

Pois bem, se você é fã de Mulan, como eu, vai entender que esse é um filme muito importante para um live-action. Justamente por isso, peço desde já a compreensão de todos os aficionados da animação que entendam, os produtores e diretores deram voz e vida a uma bela história, que precisou de adaptações para se tornar um espetáculo cinematográfico.

O Live-Action de Mulan, conta a historia de Hua Mulan (Liu Yifei de “O Reino Proibido”) é espirituosa e determinada filha mais velha de um honrado guerreiro.

Quando o Imperador da China emite um decreto que um homem de cada família deve servir no exército imperial, Mulan decide tomar o lugar de seu pai, que está doente. Assumindo a identidade de Hua Jun, ela se disfarça de homem para combater os invasores que estão atacando sua nação, provando-se uma grande guerreira.

Essa premissa nos trás muitas lembranças boas, a nostalgia em rever uma história tão marcante e faz com que esperemos ver novamente a mensagem que é passada durante a animação, de que uma menina pode salvar o dia e sua família apenas com sua força de vontade, mostrando para todos que as mulheres são capazes de fazer aquilo que elas quiserem.

MULAN - live-action

Mas infelizmente essa mensagem é deixada de lado logo no início do live-aciton quando Mulan tem um tipo de “poder”, o seu Shi que é forte e poderoso. E com isso acaba retirando tudo o que a animação discute, transformando Mulan em um tipo de escolhida que possui um super poder que a transforma em uma espécie de bruxa.

Mulan como homem não convence muito, principalmente pelas feições e o jeito desajeitado de engrossar a voz. Mas se entende que, naquela época, quais eram as chances de uma mulher realmente entrar infiltrada no exército? E, talvez por isso, nenhum dos outros homens tenha desconfiado de início. Pelo menos tento me convencer com esta premissa.

O filme dirigido por Niki Caro (O Zoológico de Varsóvia), é visualmente lindo. Enquadramentos, cores, cenas, efeitos especiais, está tudo devidamente no lugar. Como toda a grande produção da Disney, não há como contestar esses aspectos.

No entanto, enquanto narrativa, Mulan foi mais uma chance desperdiçada. Não se pode deixar de mencionar que é inegável a falta que fez o corte de cabelo com a espada, uma das cenas mais icônicas do desenho animado de Mulan. Mas entende-se isso como necessário para que no atual filme ela se revele plena para o exército sobre o seu novo eu, a descoberta que ela pode ser quem ela sempre quis ser. A cena é linda, ao invés do corte, Mulan solta seus cabelos.

Ele traz influências de filmes chineses, como O Clã das Adagas Voadoras. Os lutadores não chegam a voar, mas correm pelas paredes como se fossem Príncipes da Pérsia, usam tapetes como armas e outras coisas não realistas, mas muito interessantes visualmente.

Os problemas começaram durante sua produção. A história de Mulan é muito querida na China, e este é um dos mercados mais importantes para o cinema hollywoodiano. Assim, a turminha do oriente manifestou preocupação com uma simples adaptação do desenho.

Com o filme pronto, e se deparando com os cinemas fechados e a quarentena que tomou o mundo em 2020, a Disney resolveu abandonar a estreia na tela grande. Mulan sairia direto no serviço Disney Plus.

A questão é que, ao invés de simplesmente estrear no serviço, como o resto do conteúdo, ele foi colocado nos States atrás de um pagamento de 30 dólares. Mas isso foi um problema dos nossos colegas ao norte. Aqui o Disney Plus chegou e Mulan estreou livre para todos os assinantes.

Uma das outras polêmicas do filme foi a ausência das músicas presentes na animação e do dragão falante, Mushu. Mas, como muitos sabem, mesmo que faça parte da nossa infância, Mushu é um equivoco cultural que trouxe por sinal, na época muito alvoroço. Já as músicas estão discretamente presentes no fundo em praticamente todas as cenas.

As ações são rápidas e não demonstram algum senso de urgência ao espectador. Em nenhum momento você vai ficar preocupado com Mulan e sua trama, pois está sempre evidente que ela não terá problemas em resolver suas situações.

Fora das grandes cenas de ação, admito não chegou a empolgar. Se você já é assinante, vale assistir, mas não é algo que justifique uma nova assinatura.

veja os posts relacionados

Deixe seu comentário

LIVROS INDEPENDENTES DO AUTOR QUERIDINHO DA NETFLIX HARLAN COBEN 5 K- DRAMA COM HAN SO HEE, ATRIZ DE MY NAME LANÇAMENTOS DE K-DRAMAS MAIS AGUARDADOS DE NOVEMBRO CRÍTICAS SÉREIS E FILMES COM PERSONAGENS NÃO BRANCOS Dicas de livros, filmes e Doramas para animar seu final de semana. Black Friday: Saiba como escolher o melhor kindle para você OS LIVROS DE FANTASIAS MAIS INDICADAS PELOS TIKTOKS DORAMAS DUBLADOS NA NETFLIX Promoção Kindle Unlimited Sarah J Maas? Quem não conhece tem que conhecer!