“Um Dia de Chuva em Nova York” (A Rainy Day in New York) é o novo filme de Woody Allen – esse que é cineasta, roteirista, escritor, ator e músico bastante polêmico e muito conhecido em todo o mundo sejam por suas obras, ou por suas atitudes em sua vida particular. A Amazon Studios até romperam vínculo com Allen, deixando o longa em stand by. Enfim, com alguns ajustes aqui outros acolá, o filme saiu com sua estreia antecipada – era previsto para janeiro de 2020. Fomos convidadas a assisti-lo e agora você vai saber o que achamos.

Logo nas primeiras cenas de “Um Dia de Chuva em Nova York” conhecemos o casal Gatsby Welles (Timothee Chalamet) e Ashleigh Enright (Elle Fanning), dois jovens que cursam Yardley College em Nova Iorque – uma faculdade fictícia. Gatsby descende de uma família rica, e ainda não está bem certo em quais decisões tomar para dar um rumo a sua vida. Só sabe que as expectativas de sua mãe a seu respeito sempre foram muito altas. Ele é brilhante, inteligente, muito esperto e parece viver uma vida fora de sua época – amei Gatsby desde o início; ele é todo Nova York!

Timothee é um ator versátil, novo, muito descolado e simpático. É uma excelente adição às obras desenhadas pelas mãos de Allen. Seu perfil casa completamente com as cenas, com as tomadas, e principalmente com sua voz como narrador absoluto. Elle é doce e engraçada. Fez jus à sua personagem de forma brilhante. Mostrava doçura, desembaraço, inocência e ao desenvolver da história, um pouquinho de cobiça. Para mim as escolhas para as personagens centrais foram acertadas!

Ashleigh é uma estudante de jornalismo, onde já escreve para o jornal que circula na faculdade. É uma moça extremamente carismática, e reluz a todo tempo. Vê-la em uma Nova York chuvosa me deu vontade de que ela retornasse à faculdade o mais depressa possível, com seus campos ensolarados. Porque assim ela parece estar em seu lugar devido. De uma família também rica (mas, sem aquela parte toda do glamour da família de Gatsby), nós a conhecemos no momento onde ela informa ao namorado ter conseguido uma entrevista exclusiva com um renomado diretor de cinema independente, Roland Pollard vivido de forma crível por Liev Schreiber.

A tal entrevista é em Manhattan, e Gatsby (a quem não falta dinheiro, pois, ele ganha aos milhares em partidas de pôquer) planeja uma viagem dos sonhos. Desde a vista do quarto de hotel a passeios românticos em carruagens pelo parque. Gatsby é apaixonado por Ashleigh e quer proporcionar uma experiência única na vida da garota que veio do Arizona. Porém, enquanto sua namorada está envolvida em sua entrevista com Pollard, Gatsby vai redescobrindo sua amada Nova York.

Fato é que Ashleigh se deslumbra e se deixa envolver demais pelas desventuras de Pollard, Ted Davidoff (Jude Law) e Francisco Vega (Diego Luna). Se vê em meio a uma festa recheada de famosos e pessoas importantes. Ela bebe de tudo e um pouco mais. Se encanta demais. E depois precisa buscar formas de se reencontrar. Passando assim para o momento aonde ela chega a um piano bar – isso é tãããooo Gatsby! Bom, o rapaz também teve diversas experiências nesse mesmo dia, onde até aprender a admirar mais sua mãe ele conseguiu. E chegou a hora do casal conseguir enfim se encontrar após um dia com todos os planos frustrados.

A analogia usada a meu ver foi: chegar a uma Nova York ensolarada com um namoro vívido, passando para um dia chuvoso com um final de semana romântico que deveria ser perfeito, mas desceu juntamente com a enxurrada. Ressaltando que Gatsby reencontra com Chan (Selena Gomez), que é irmã de uma antiga namorada sua – e descobre algumas coisas sobre si aos olhos da garota. O filme como um todo é muito leve, muito gostosinho de apreciar. Com as tomadas de cena perfeitas que só Allen consegue nos proporcionar. E o que fez seus filmes se tornarem possíveis ao meu gosto cinematográfico (que é bem pobre, pois não sou especialista), foi ele se deixar influenciar pelo cinema de arte europeu – que clima gostoso!

Sinto muito por quem deixa passar obras como essa apenas por achar Allen pretensioso, ou porque seu passado o condena, embora seja de fato um problema. A arte é viva. Ela é construtiva… Ela continua a acontecer! De forma poética, acompanhe o momento que a chuva cai pela primeira vez, e as cenas que acontecem durante o temporal. Foram minhas preferidas!!!


Em suma, se dê a chance de assistir um filme com personagens bem estruturados, com diálogos espirituosos, com uma linda Nova York que qualquer um gostaria de viver lá exatamente nesse dia – ressaltando aqui a fotografia do italiano Vittorio Storaro. Allen consegue, entretanto, continuar relevante no cinema, mesmo com toda polêmica que envolve seu nome, seu passado e seu presente. A verdade é que conseguimos nos identificar ora ou outra com suas personagens. Eles são muito reais e vivos. Aproveite Um Dia de Chuva em Nova York!

________________________________________________________________________________________________________________

Estreia: 21 de novembro de 2019
Duração: 1h 33min
Direção: Woody Allen
Elenco: Timothée Chalamet, Elle Fanning, Selena Gomez
Gênero: Comédia , Romance
Distribuidora: Imagem Filmes