A resenha de hoje é do início de uma série que está há anos na minha lista de leituras e agora finalmente comecei a tirar da pilha de não lidos: “Sombra e Ossos” é o primeiro livro da Trilogia Grisha de Leigh Bardugo. Já sabem o porquê de eu estar tirando ela da lista de não lidos correndo né? Afinal, no final de abril estreia a série “Sombra e Ossos” baseada no Grishaverse de Leigh Bardugo. Vamos ver como essa aventura começa?

Alina é órfã por causa das guerras nas fronteiras de Ravka. Ela e Maly cresceram juntos em Keramzin, acolhidos pelo duque de Keramsov. Depois que cresceram, os dois se juntaram as forças de Ravka, para ajudar na guerra, ele como rastreador e ela como cartógrafa. Quando vão fazer sua primeira viagem na dobra, uma sombra que foi criada séculos antes por um Grisha poderoso, algo acontece e Maly acaba machucado. Querendo salvar o amigo, Alina acaba invocando uma força desconhecida, surpreendendo a todos. De uma simples cartógrafa, Alina acaba sendo reconhecida como uma Grisha com um poder que foi muito esperado.

Essa é a sinopse de “Sombra e Ossos”, o primeiro contato que temos com o Grishaverse. Como não sei a forma que a série irá abordar, irei ler os livros pela ordem de lançamento. Tenho que confessar que o início da história foi um pouco maçante para mim. Eles estão a caminho da dobra e pela visão de Alina, conhecemos um pouco da infância dela com Maly e descobrimos algumas coisas importantes sobre a relação dos dois. Além de saber da personalidade do próprio Maly, pela visão de Alina.

“(…) a palavra que os filósofos usavam para descrever as pessoas nascidas sem dons Grishas era otkazat’sya, “o abandonado”. Essa era outra palavra para órfão.”

SOMBRA E OSSOS - LEIGH BARDUGO

Maly é um personagem injustiçado (ao menos no primeiro livro e essa é a minha opinião). Vemos ele pelos olhos de Alina e cheguei ao final da história, dizendo que Alina não fez justiça ao maravilhoso personagem. Gostaria de ver mais dele e da visão dele. Vamos ver como vai ser no decorrer da trilogia, não é mesmo? Alina vê Maly com dois corações no lugar de olhos, e vê o garoto como o sedutor que ele é, já que ele consegue conquistar todos à sua volta. Não se deixe levar pelo início, Maly é mais forte do que o livro deixa a entender no início e mais valioso também.

Alina foi uma personagem bem normal para mim, no início da história. Sabia que ela era a protagonista, mas não conseguia perceber ela como tal. Foi logo após o incidente na dobra que a história começou a ficar interessante. Para entender sobre como ficaram interessantes, vamos entender um pouco sobre essa sociedade criada por Bardugo? Existe um rei que controla todo o reino de Ravka e eles estão há séculos em guerra com reinos vizinhos e com a dobra, que divide o reino em dois. Grishas, são humanos que têm habilidades para praticar a pequena ciência. Cada Grisha tem habilidade com alguma coisa, mas existem aqueles raros que podem controlar a luz ou a escuridão.

O Darkling, outro personagem importante para a trama, é o comandante do Segundo Exército, que é todo composto por Grishas. Ele é um desses raros Grishas e pode controlar a escuridão. Tenho mania de gostar do personagem com cara de mal, e na maioria das vezes, quebro a cara com isso. Então, assim que vi o Darkling entrando na jogada, minha atenção foi toda para ele. Um Grisha poderoso e misterioso, quem não teria atenção nesse cara? Até a Alina que é mais boba 🤐.

“Eu espero por você há muito tempo, Alina”, disse ele. “Você e eu mudaremos o mundo.

Eu sou fã de um triângulo amoroso. Além disso, também adoro os bad boys. Ou seja, assim que vi o Darkling, já me apaixonei por ele de cara. Tenho que dizer para vocês que há um indício de um triângulo amoroso, afinal, Alina sempre gostou de Maly, mas agora temos um Darkling para rivalizar com esse sentimento. Não sei qual é a ideia da autora para a continuação desse triângulo, mas quero acreditar que isso vai continuar sendo trabalhado. Até mesmo para vermos um pouquinho mais de emoção.

 LEIGH BARDUGO

Para exemplificar um pouco sobre isso, não podia deixar de colocar um quote que eu amei! É um pouco grande, porque não conseguia cortar nenhuma parte. Coisa que acontece direto comigo, não sei como é com vocês:

“Eu me pegava caminhando por aí para encontrar você, sem qualquer razão, apenas por hábito, porque tinha visto algo que eu queria lhe contar ou porque queria ouvir a sua voz. E então me lembrava de que você não estava mais lá e todas as vezes, cada uma delas, era como se me faltasse o ar. Eu tinha arriscado minha vida por você. Andado metade da extensão de Ravka por você, e faria tudo isso de novo e de novo e de novo só para estar com você, só para passar fome com você e congelar com você, e ouvir você reclamando sobre queijo duro todo dia. Então não me diga que o seu lugar não é ao meu lado”, disse ele, intensamente. Ele estava muito perto agora, e meu coração repentinamente retumbava no peito. “Desculpe se levei tanto tempo para enxergar você, Alina. Mas eu a enxergo agora.””

Não sei por que motivo, mas eu não consegui simpatizar com a Alina. Até o final da leitura, ainda não simpatizava com ela. Alina despertou em mim o mesmo sentimento que a Mare de “A rainha vermelha”. Agora estou aqui esperando uma Evangeline aparecer no livro para me fazer amá-la e deixar a protagonista de lado. Ou, que Alina comece a despertar alguma emoção melhorzinha em mim. O que acontecer primeiro.

Temos uma grande reviravolta no final. E bota grande nisso! Descobrimos muitas coisas com Alina e vemos que uma grande aventura está para começar. Sim, no início temos um indício de aventura, mas é no final mesmo que a coisa fica explícita para a gente. Essa é uma história com muitas intrigas, jogo de poder e traições. Então aguarde, para amar, odiar e depois amar novamente vários dos personagens.

“(…) o que é infinito? O universo e a ambição do homem”.”

Eu sinceramente estou querendo saber o que a autora preparou para o resto da história e já estou me coçando de curiosidade e me segurando para não pegar o último livro e já ler a última frase. Sim, esse é meu nível de curiosidade. Mas, mais do que isso, eu quero saber como será o desenvolvimento de tantos personagens importantes que Bardugo colocou na trama, falei de três, mas existem muitos mais, como Genya, uma Grisha que fica amiga de Alina no palácio e Baghra, uma velha professora que tem um papel importante em toda a trama.

Ouvi muitas pessoas falando sobre a leitura, e quando começou a sair coisas sobre a série, vi muitos comentários. Ainda não tinha lido, então não entendia porque todo mundo ficava animado com o cervo que aparecia. Mas senhor, depois de ler fez todo o sentido. Há um cervo na história, e ele faz toda a diferença para a trama.

SOMBRA E OSSOS - LEIGH BARDUGO

Em uma primeira versão, “Sombra e Ossos” foi lançada pela editora Gutenberg. Mas, no início desse ano a editora Planeta lançou uma edição maravilhosa com o selo Minotauro. Sério, eu estou muito impactada em como a edição ficou bonita. A capa do livro acompanha a identidade visual da série, azul e com um cervo na capa. Depois disso, não consegui mais achar a edição da Gutenberg para comprar, então acredito que para quem quiser adquirir os livros agora, apenas encontrará o da Planeta (o que não é nenhuma tristeza, já que a edição deles está maravilhosa).

“No momento em que nossos lábios se encontraram, eu soube com uma certeza pura e penetrante que eu teria esperado para sempre por ele.”

“Sombra e Ossos” é o primeiro livro da Trilogia Grisha de Leigh Bardugo, e é seguido por “Sol e Tormenta” e “Ruína e Ascensão”. Mas, quando falamos de Grishaverse ainda temos uma duologia de spin-off para completar a coleção. A duologia “Six of Crows” é composta pelos livros “Six of Crows: Sangue e Mentiras” e “Crooked Kingdom: Vingança e Redenção”. Pelos comentários que vi, a série vai abordar tanto a Trilogia, quanto a Duologia. Estou tentando não ganhar spoilers, então nem o trailer da série assisti ainda, mas para quem quiser ver, é só dar play no vídeo!

Leigh Bardugo nasceu em Jerusalém, cresceu no sul da Califórnia e se formou na Universidade de Yale. Além dos livros do Grishaverse, Bardugo tem no Brasil “Mulher-Maravilha: Sementes da Guerra” e “Nona Casa” (que está sendo adaptado pela Amazon Studios). No site da autora, acabei descobrindo que tem muito mais do Grishaverse, que já foi lançado lá fora e ainda não veio para o Brasil, e que ainda está em desenvolvimento. Será que vem mais coisa para o Brasil?

E aí, já leu “Sombra e Ossos”? O que achou da história e qual é a expectativa para a série?

“Nós encontramos o caminho de volta um para o outro, Alina. É só isso que importa.”

Trilogia GrishaGrishaverse:

Trilogia Grisha
1. Sombra e Ossos;
2. Sol e Tormenta;
3. Ruína e Ascensão.

Duologia Six of Crows:
1. Six of Crows: Sangue e Mentiras;
2. Crooked Kingdom: Vingança e Redenção

Autora: Leigh Bardugo
Ano: 2013 / 2021
Páginas: 288
Editora: Gutenberg / Minotauro
Gênero: Fantasia, Jovem Adulto, Romance, Aventura
Nota: 5/5
Adicione a sua lista do Skoob
Onde Comprar: Amazon edição Ed. Planeta