RESENHA: O LIVRO DE MEMÓRIAS - LARA AVERY

Samantha McCoy tem uma boa memória, sempre se planeja e já sabe o que quer fazer da vida. Na verdade, todos esses verbos deveriam ser colocados no passado. Sammie acaba de ser diagnosticada com NP-C, uma doença genética que vai fazer com que sua memória definhe, seus músculos enfraqueçam e com que ela perca o controle de si mesma.Perder o controle do próprio corpo é aceitável para ela, mas o fato de caminhar rapidamente para a demência a assusta muito mais do que a morte. Então ela começa a escrever um material de consulta para si mesma, para que ela não se esqueça do que importa. Ela escreve tudo: seu nome, apelido, descrição da sua casa, dos seus pais e dos seus três irmãos além de muito do que ela nunca imaginou que seria tão importante na vida dela. Ela escreve para que a futura Sam se lembre.

Nesse Livro de memórias, Sammie compartilha conosco sua rotina e seus acontecimentos mais marcantes. Conta como foi a descoberta da doença, mas, muito além da doença, ela nos conta como se formará como oradora da turma além de estudar na NYU sobre ciências políticas, sociais e direito, como ela se tornará uma grande advogada e como o seu grupo de debates na escola a ajudou a chegar nisso. Durante um tempo nós esquecemos que ela está doente, e eu, como romântica incurável que sou, tive muitas esperanças. Esse livro, no entanto, vem carregado de realidade.Ele mostra o progresso da doença que insiste em piorar mesmo quando Sammie consegue finalmente começar algo com seu amor platônico de infância e quando reata uma amizade perdida há muitos anos. Stuart, seu antigo amor, é um escritor descolado, muito doce e que nos conquista logo de cara. Cooper, o vizinho de Sammie, tem um comportamento rebelde, mas ver que a amizade deles não morreu só deixa o coração aquecido. Ele o rebelde e conquistador, ela a menina dos debates, e Stu o menino dos livros: isso dá uma história e tanto.

“Antes de tudo isso acontecer, minha memória era meu bilhete premiado. Minha capacidade de memorizar coisas me rendeu bolsas de estudo. Minha memória me fez vencer o Concurso de Soletrar do Condado de Grafton quando eu tinha onze anos. E agora ela vai desaparecer. Isso é, tipo, inconcebível pra mim.”
RESENHA DO LIVRO O LIVRO DE MEMÓRIAS - LARA AVER @EDITORASEGUINTE
 

Sobre esse livro: a) é sobre uma doença genética que eu nunca tinha ouvido falar; b) é escrito em forma de pequenos textos organizados como diário – que normalmente é um tipo que não gosto mas que dessa vez reconheço que precisava ser assim; c) é um livro Muito, muito real. Não é só porque Sammie é uma pessoa comum, mas porque o jeito que ela nos conta sua história nos faz sentir parte dela. Ela compartilha seus sonhos, decepções e anseios, e a autora teve uma forma tão suave de criar empatia que quando você percebe já está rindo e chorando com a história.Cada capítulo escrito durante as crises relata com perfeição o momento, e faz com que a gente sinta ao menos um pouco daquele pânico que deve inundar Sammie a cada vez que ela perde o controle de si mesma. Além disso, é possível ver de perto o drama familiar, e de brinde, pude conhecer mais a fundo quem era Cooper (já vou adiantar: é melhor do que parece).

“Independentemente dos planos que eu faça, do quanto eu ajude meus pais, sinto que meu corpo está me decepcionando e não sei como impedir.”

 

Eu tenho um fraco por personagens meio nerds, então gostei da Sammie logo de cara. Ela é otimista, mas também é realista em boa parte do tempo. Ela é forte, apaixonada pela família e luta muito por tudo que ela acredita que seja capaz de fazer. Essa obra da autora também mexeu muito com o meu lado profissional: para quem não sabe, estudo medicina, e esse livro me fez lembrar que a medicina é muito limitada. Passo os dias na faculdade estudando sobre os avanços mas ainda sim muitas vezes a única coisa que a medicina pode dar é um pouco de esperança baseada em hipóteses.

A capa do livro tem um aspecto interessante porque suas cores (muito delicadas e que combinam perfeitamente) vão ficando mais clara da parte mais alta à mais baixa, o que lembra algo que está se esvaindo. Além disso, a anotação que parece feita à mão “(…) ENTÃO ESTOU ESCREVENDO PARA LEMBRAR”, dá ainda mais o aspecto pessoal que o livro tem. A diagramação impecável, incluindo os erros ortográficos estratégicos mantidos em algumas anotações, contribuíram ainda mais para essa obra maravilhosa. Leiam!Me contem o que acharam!

_______________________________________________________________________________________________________________

Título: O livro de memórias
Autora: Lara Avery
Ano: 2016
Páginas: 392
Editora: Seguinte
Gênero: jovem adulto, sick-lit, romance
Adicione ao Skoob