Não conhecia nenhum dos trabalhos da autora Suzanne Brockmann, somente tinha lido algo rapidamente sobre a chegada de uma de suas séries ao Brasil pela editora Valentina e que o livro escolhido era Destino Mortal o primeiro da série (Destiny), uma mistura de ficção cientifica, romance e distopia em uma narrativa explosiva.  E que o  livro trabalhava com uma ideia totalmente original. Como iria solicitar um novo livro para resenha, acabei pedindo a Carina para me indicar uma leitura pelo twitter e não foi que ela me indicou “Destino Mortal”. Já tinha lido algo por cima sobre o livro e ainda tive essa indicação não perdi tempo e o solicitei na primeira oportunidade que tive.

” […] Mesmo que eu pare de sentir o que sinto, vou me lembrar de como é sentir, e vou querer essa emoção de volta. “

O livro começa com um enredo confuso e uma ideia genial. A autora me surpreendeu positivamente, pois simplesmente ela criou um mundo totalmente intrigante e personagens de tirar o fôlego que fazem o leitor fica sem ar a cada momento que seus caminhos se cruzavam.  As primeiras cinquenta páginas foram confusas, até pensei em abandonar a leitura, pois estava achando tudo muito cansativo a autora teve que introduzir um mundo de informações para dar continuidade e desenvolver o conteúdo e fazendo com que muita informação fosse jogada nas paginas de uma forma difícil de ser absorvida.

As páginas passaram e a narrativa ganhou um rumo mais autêntico e dinâmico com a apresentação dos personagens e a ideia de um governo corrupto, cidadãos que foram obrigados a arranjar uma forma para conseguir as premissas básicas de sobrevivência como falta de segurança, saúde e trabalho indisponível a todos, além é claro da mão de ferro governamental e mesmo que o romance fosse o foco principal, não tirou o brilho do resto da historia.

A cada trecho que lia, queria mais, e a cada novo personagem apresentado sentia que precisava de novas informações que dariam um novo rumo àquela história, porque eu já estava quase completamente certa de que a autora iria me surpreender com algo totalmente novo ao decorrer da história e mesmo tendo essa certeza ainda era surpreendida com suas ideias.

Suzanne descreveu personagens fortes, capazes de usar uma parte importante de seu cérebro que os faziam ter alguns superpoderes que me lembrou das histórias em quadrinhos que meu irmão lia para mim quando criança (e que ele ainda coleciona), mas sem ser uma copia deles e sim uma referencia dos personagens.

E como alguns livros que eu li, esse também teve sua parte que ficou marcada em minha memória:

*A melhor delas foi a forma como a mocinha é apresentada como a personagem principal Mac, ela não tem nada de fenomenal, magra por causa dos treinamentos para a agência a qual trabalha, acha que todos os caras só querem ficar com ela por causa dos seus poderes, ela nem é de parar quarteirão.

*A descrição que a autora realizada através da visão do mocinho bonitão, o EX- Seal Shane Laughlin.

*A forma como eles se conhecem em um bar, Shane Laughlin estava nele para ver se conseguia ganhar alguma grana jogando sinuca porque não tinha mais, e Mac entrou porque queria uma bebida. Quando Shane chegou perto da Mac, ela fez cara de “sai fora, não estou a fim de companhia”. Eu a adorei, porquê deu a impressão de cara que a personagem era muito marrenta, e o Shane insistente.

Enfim, o livro foi uma delícia inusitada que tive muita dificuldade de descrever para vocês, queria colocar aqui o que achei sem contar nada de importante da leitura ou estragar alguma surpresa que a autora disponibilizou para o leitor. Acho que consegui mostrar o tanto que gostei sem contar nada. Espero que gostem!!!

Gostou do post? clique nas redes sociais abaixo e compartilhar com os amigos!♡! 
_______________________________________________________________________________________________________________
Titulo : Destino mortal
Subtítulo: Destiny
Autora :Suzanne Brockmann 
Ano: 2014 
Páginas: 536 
Editora: Valentina
Onde comprar : AMAZON