LIVRO

RESENHA | CONECTADAS – CLARA ALVES

23 setembro, 2019 por

CONECTADAS - CLARA ALVES

Quando vi o anúncio de “Conectadas” entrei em modo euforia. Apenas vi a capa e a sinopse e ele já estava na minha lista de desejados. O por quê? A história me lembrou minha adolescência e vou falar disso mais para frente, por agora, vamos à sinopse.

Em “Conectadas” Raíssa descobriu cedo que ser gamer e mulher não era uma boa combinação. Afinal, os meninos que jogavam não queriam jogar com ela. Para tentar resolver isso, a menina criou outro perfil, fingindo ser um menino por trás da tela. Mas não um menino qualquer, Raíssa adota a personalidade e a aparência do seu melhor amigo, Leo.

Quando ela conhece Ayla, que está passando por um problema parecido com o qual ela passou, ela não imagina que em pouco tempo a relação das duas evoluiria tanto. Para Ayla, Raíssa é Leo, e ela não vê problema nisso, afinal, morando em cidades diferentes as chances de se conhecerem são mínimas.

“Até que começaram a surgir as missões difíceis, aquelas que eu precisaria da ajuda de outros jogadores para completar.
Foi aí que descobri o machismo do mundo dos games.”

Quando a produtora de seu game favorito “Nevasca” anuncia uma feira gigantesca dedicada aos games, Raíssa e Ayla ficam animadíssimas para ir. Ayla vê a oportunidade de nessa feira conseguir conhecer Leo pessoalmente. Quando as duas não conseguem permissão, Raíssa fica triste, mas aliviada, afinal sua farsa não seria descoberta. Já Ayla fica arrasada, por perder a oportunidade de ver Leo pessoalmente.

Quando a Nevasca anuncia um concurso de Cosplay e Raíssa vence esse concurso, ela vê a oportunidade dela e Leo irem, sem o perigo de Ayla ir também. O que ela não esperava é que Ayla também conseguisse uma forma de ir até a feira. Raíssa então se vê em um problema gigantesco, afinal quem Ayla tanto quer conhecer é Leo, e não ela.

Será que ela vai sobreviver três dias na feira com Ayla, sem que ela descubra a verdade? Isso é o que vamos descobrir na história.

“Ayla era o destino da viagem pela qual eu mais ansiava.
O que só tornava tudo o que eu estava fazendo ainda pior.”

Eu sabia, é a primeira coisa que vou dizer sobre esse livro. Assim que a seguinte lançou a sinopse, eu mandei mensagem para a Lê e falei, “eu preciso desse livro”. Sim, eu precisava porque estava me sentindo ligada a história.

A primeira coisa que pensei foi: ela tá falando do fake? Eu sempre expliquei o fake como: RPG no Orkut ou The Sims no Orkut, porque era isso. Criávamos personagens e vivíamos essa vida desse personagem no Orkut. É a melhor forma de explicar.

Mas voltando ao assunto do eu sabia. Recentemente a Seguinte lançou um vídeo da Clara (já sou íntima, quero ser sua amiga) falando sobre cinco curiosidades de “Conectadas” e eis que a segunda é: “a história foi inspirada no fake”. Vi esse vídeo antes de terminar o livro, então quando cheguei ao final, li que lá ela falava sobre a inspiração no fake.

E só para quem viveu aquela época, vai saber como aquela vida virtual fazia sentido. Obrigada Clara, por abordar uma época da minha vida e da vida de vários amigos meus, que foi confusa, foi sofrida, foi cheia de problemas, mas foi feliz.

“Por mais que eu tentasse definir aquilo como curiosidade, eu tinha certeza de que ninguém veria com bons olhos a atração que eu sentia por pessoas, independente do gênero.”

Depois dessa euforia toda, vamos ao que achei da história. Como fiquei muito animada com o livro, ao finalmente o pegar eu apenas pensei: “por favor, não me decepcione”. E graças a Deus e a Clara Alves, é claro, eu não me decepcionei.

A leitura do livro é bem fluida, a autora vai te levando na história e quando eu vi estava dentro do mundo da Raíssa e da Ayla. Acredito que eu ter conseguido entrar tanto na história, foi porque me identifiquei com algumas coisas, mas isso quer dizer também que Clara conseguiu aproximar o enredo e o leitor.

“Conectadas” tem capítulos narrados por Raíssa e Ayla. Entre os capítulos podemos ver imagens simulando a troca de mensagem entre as duas. Eu achei isso muito interessante, porque foi possível perceber como o relacionamento das duas foi evoluindo com o tempo.

“Mesmo que soubesse que minha sexualidade não define quem sou, eu tinha a impressão de que mudaria a visão que os outros tinham de mim, então era mais fácil deixar as coisas como estavam.”

Clara consegue abordar temas importantes durante os capítulos, a aceitação pessoal por exemplo. Ver como a Raíssa passa por esse processo de aceitação da própria sexualidade e de ficar em paz com isso. Além de Raíssa e Ayla temos outro personagem muito importante e que também aborda um tema bem importante: assexualidade e área cinza.

Uma coisa que gostei em “Conectadas” foi como a autora abordou a aceitação da família. Essa era uma parte que me deixou bem receosa, e que quando chegou gostei do desfecho que foi dado.

A trama foca muito em Raíssa e Ayla, mas Leo e Gabi (melhores amigos de Raíssa) possuem uma história bem bacana e que me deixou um pouco curiosa – se estou querendo livros para os dois? Sim eu quero.

“Não queria que um beijo gerasse tanta racionalização, tantas dúvidas, tantas perguntas. Um beijo devia ser só um beijo. Incrível, avassalador, apaixonante. Mas também certo. Um beijo devia trazer certezas.”

A capa da publicação é uma coisa bem fofa, também. Mostra Raíssa segurando um computador com a imagem de Leo na tela, e bem na frente do computador Ayla. “Conectadas” é um título que cai como uma luva na história.

Agora vamos falar um pouquinho da Clara Alves? Carioca, Clara nasceu em 1993, é formada em jornalismo pela UERJ e trabalha como assistente editorial. Clara escreve no Wattpad e ganhou o prêmio Wattys 2016 na categoria Novas Vozes, com a história “Como reconquistar um amor perdido”.

Além de “Conectadas” no skoob pude ver mais três histórias cadastradas. E no Wattpad encontrei mais histórias que ainda estão disponíveis (sim, já comecei a seguir ela na rede social e um dos livros está na minha biblioteca para ler).

Para finalizar, peço desculpas a autora e a você que está lendo, mas preciso compartilhar uma parte do livro. Lá no final, na entrevista com a Clara, tem uma pergunta que é “o que ela gostaria de dizer para as pessoas que sentem que precisam esconder quem elas são”. E a resposta é:

“Você é incrível! Lembre-se disso todos os dias. Diga isso para si mesmo todos os dias. E eu sei que o mundo nem sempre permite que sejamos quem queremos ser, e que muitas vezes temos medo de assumir aquilo que faz parte de quem somos, mas sempre existirão pessoas que vão nos amar do jeitinho que somos. Permita que elas te enxerguem. Aceite a mão que elas estendem para você. Tudo fica mais fácil quando temos uma rede de apoio. E faça terapia! Por mais fundamental que seja ter amigos e se abrir com os outros, a terapia é um olhar profissional muito diferente. Ela nos ajuda a enxergar nossos medos e inseguranças e a lidar com eles, a nos sentir mais confiantes com o mundo e, principalmente, a nos amar. Mesmo que o mundo nem sempre facilite as coisas para nós.”

________________________________________________________________________________________________________________

CONECTADAS - CLARA ALVES 03

Título: Conectadas
Autora: Clara Alves
Ano: 2019
Páginas: 320
Editora: Seguinte
Gênero: Romance, LGBT, Literatura Brasileira, Jovem Adulto.
Adicione à sua lista do Skoob
Onde Comprar: Amazon

 

 

veja os posts relacionados

Deixe seu comentário