Emma Cline As Garotas

A resenha de hoje é sobre o lançamento da Editora Intrínseca que já atrai de cara com sua edição muito linda em capa dura e a inspiração em um dos casos mais hediondos da história americana: a seita de Charles Manson. Primeiro livro da autora Emma Cline, “As Garotas” aborda o lado das mulheres que seguiam o criminoso idealista, inserindo personagens e situações fictícias que possam nos dar uma visão ainda não pensada.

Mas antes de mais nada, vocês sabem quem é Charles Manson? Vou dar um resumo caso não conheçam aquele que é considerado o pior homem do mundo. Manson era problema desde a adolescência. Nascido em uma família desestruturada, colecionou prisões por diversos motivos, dentre eles roubo estupro (de mulheres e homens), até que no final dos anos 60, com pouco mais de 30 anos, acabou formando um grupo que comprava todas as suas ideias.

 

Dono de uma oratória impressionante visto a pessoa que era (vou até deixar um vídeo de uma entrevista com ele aqui pra vocês verem do aue eu estou falando), Charles Manson usava o ponto fraco das pessoas e a ideia de autoconhecimento para trazê-las para seu lado, além de acreditar que era um super sucesso musical e seria brevemente lançado por uma gravadora. Tinha obsessão pelos Beatles, especialmente pela música “Helter Skelter”, da qual ele passou a utilizar o nome em diversos momentos da sua seita.

O grupo de seguidores de Manson era composto essencialmente por mulheres de várias classes, que largavam toda uma vida para viverem juntos em um rancho com condições precárias e o consumo de muitas drogas. As jovens (entre 14 e 19 anos) tinham o comportamento extremamente moldado a partir das vontades do líder, inclusive mantendo relações sexuais com ele e com quem ele indicasse. Dentre estas garotas existia Susan Atkins, chamada de Sadie Mae, que era praticamente um exemplo para as garotas e uma liderança deste grupo feminino abaixo de Manson.

Tate-LaBianca

Com o tempo os ideais de liberdade da seita foram ficando mais violentos, culminando no caso de assassinato conhecido como Tate-LaBianca onde o grupo invadiu uma casa e assassinou a sangue frio todos os presentes (7 pessoas), dentre eles a esposa grávida de oito meses do diretor Roman Polanski, atriz Sharon Tate. Maison e Susan foram condenados à pena de morte, que em seguida foi transformada em prisão perpétua. Ela morreu em 2009, aos 61 anos, vítima de um câncer cerebral.

Manson permanece preso, hoje aos 82 anos, e de tempos em tempos participa de suas audiências de redução de pena, onde zomba e ri dos presentes. Dentre inúmeros filmes, séries, documentários e livros, em 2004 foi feito um filme sobre o caso que recebeu o nome de “Helter Skelter”, e atualmente a série American Horror Story tem o tema “Cult” e irá abordar esta seita.

TATE-LA BIANCA
Vítimas da seita de Charles Manson

Agora vamos ao livro (ufa!). Nele vamos acompanhar a história de Evie Boyd, agora com meia idade, que após ser confrontada sobre seu envolvimento com certa seita em sua infância começa a relembrar o ocorrido. Nos anos 60, nascida em classe média alta e neta de uma famosa atriz, Evie enfrenta problemas em seu lar aos 14 anos. Após o divórcio dos pais ela passa a sofrer com a ausência do pai e a negligência da mãe, sendo isso agravado pela sua única amizade com a qual não se identifica mais, e a rejeição de uma paixão platônica.

Neste cenário de carência e inseguranças, em um dia no parque ela vê um grupo de garotas diferente de todas as pessoas que estão por ali. Alheias ao julgamento dos presentes e confiantes de si mesmas com seus cabelos compridos e as roupas sujas, elas causam certa atração em Evie, em especial uma delas, Suzanne (a mais velha com 19 anos).

“Olhei naquela direção por causa das risadas, e continuei olhando por causa das garotas. Primeiro reparei nos cabelos, longos e despenteados. Depois nas bijuterias que usavam, brilhando ao sol. As três estavam tão longe que só consegui distinguir o contorno de seus traços, mas não me importei com isso – sabia que eram diferentes de todas as outras pessoas no parque. Aquelas garotas de cabelo comprido pareciam pairar acima de tudo o que acontecia à volta delas, trágicas e distantes…”
Emma Cline book

Após um encontro por coincidência ela consegue se infiltrar no meio das garotas e vai parar no rancho onde elas moram, em torno dos ideais propostos pelo líder Russel. Pregando ideais de liberdade, aceitação, sexualização e muitas drogas, a jovem vai se infiltrando cada vez mais nesse mundo que é o oposto daquilo que ela sempre foi, sendo reforçado seu interesse no grupo por uma forte paixão que desenvolve por Suzanne. Aos poucos as atitudes da doce e frágil garota vão se transformando, refletindo em vários aspectos de sua vida.

Como já disse a vocês, o livro é uma estória da história. É muito interessante ler e descobrir as inspirações reais dos personagens que estão ali, agora o principal foi ver a situação toda pelo lado das garotas que estavam envolvidas, com a presença de Russel (inspirado em Manson) meramente superficial, estando mais presente nas atitudes, fala e experiências delas.

Com isso é possível criar hipóteses ou análises do porquê de tantas jovens terem comprado as ideias de um criminoso deste estilo, suas necessidades e anseios. Desmistifica a ideia rasa de pessoas sem personalidade que seguem alguém cegamente, e passa a propor situações e aspectos propensos a sensibilização com a causa.

Emma Cline - As Garotas

Evie é a retratação perfeita da insegurança com as mudanças do próprio corpo, carência fraterna e abandono. Contando sua história de um momento no futuro, ela consegue perceber então como aquela situação era decadente, e como sua necessidade de ser amada, seja de qual forma esse amor viesse, era mais importante. O comportamento e as situações vividas pela jovem de apenas 14 anos me causaram muito incômodo e penso que talvez tenha sido essa a intenção da autora. Abrir o leque de possibilidades acerca de um caso como esse.

Como fã incondicional de casos investigativos, policiais e criminais, eu indico essa leitura não apenas como uma distração interessante ou um incômodo revoltante, mas principalmente pela abordagem feita pela autora da construção da personalidade feminina, suas fragilidades e incertezas em contrapartida a sua força e coragem de entrar de cabeça em algo tão hediondo. Foi feita uma disputa milionária pelos direitos de publicação desse livro nos EUA e seus direitos cinematográficos também já foram vendidos.

Titulo: As Garotas 
Autora: Emma Cline 
Ano: 2017 
Páginas: 336 
Editora: Intrínseca 
Adicione no Skoob
Onde comprar: Amazon