{ #RESENHA } AS ELIZAS – SARA SHEPARD

05 novembro, 2018 por
DICA DE LIVRO: AS ELIZAS - SARA SHEPARD
Titulo: As Elizas | Autora: Sara Shepard | Ano: 2018 | Páginas: 384 | Editora: HarperCollins Brasil | Gênero: Suspense e Mistério Adicione a sua lista do Skoob  | Onde comprar: AMAZON

Sara Shepard é uma autora que ficou famosa por sua série de livros Pretty Little Liars, lançado nos Estados Unidos em 2006 e aqui no Brasil em 2010. Essa série é destinada para jovens adultos, contudo nunca me chamou a atenção, e só conhecia de ouvir falar. Na capa de “As Elizas” o nome da autora é associado à série, acredito eu, que como um chamariz, uma vez que por esses 16 obras divididas em 4 arcos, ela se tornou uma autora best-seller.

Assim, essa é minha primeira experiência com Shepard, e devido sua fama eu me senti muito atraída a conhecer sua forma de escrita, uma vez que a sinopse de As Elizas me entregou uma trama bem misteriosa e um tanto perturbadora. Um estratagema e tanto para chamar minha atenção… A resenha de hoje nos levará a conhecer uma personagem confusa, uma narradora não confiável, mas que é possível criarmos interesse em acompanhar seus passos, mesmo que às vezes, trôpegos.

Então, temos uma escritora iniciante chamada Eliza Fontaine, que começa o livro – que é narrado na primeira pessoa – contando-nos sobre sua estadia conturbada no Tranquility Resort, em Palm Springs. Ela nos conta uma história de assassinato que fofocas dizem ter acontecido nesse resort nos anos 60 envolvendo duas atrizes; um caso misterioso que ainda continua sem solução. Eliza relata também o quanto estava ingerindo álcool, e como sua mente estava ‘viajando’ sobre as formas que o assassino da atriz e aspirante a estrela, poderia ter executado a mulher.

Porém, sem mais nem menos, tudo se torna muito confuso, e Eliza acorda em um quarto de hotel, rodeada por sua mãe, seu padrasto e por sua “meia-irmã” chamada Gabby. Sem conseguir se recordar de qualquer acontecimento que possa tê-la levado ao hospital, ela exige de sua família respostas às suas questões.  Sua mãe, em um misto de decepção e impaciência não explica nada a ela. Mas, seu padrasto informa que ela foi encontrada no fundo da piscina (de mais uma piscina, outra vez). Eliza tem recorrentes episódios de tentativas de suicídio por afogamento. No entanto, ela afirma que não estava tentando se matar, e que alguém a empurrou na água. Ela tem essa sensação – a de mãos a projetando para dentro da piscina – mas, ela não é confiável, e seu padrasto afirma que ela realmente pulou.

“Somos apenas falsidade, duplicidade e contradição; nos escondemos e nos disfarçamos de nós mesmos.
– Blaise Pascal”

Eliza nos explica que ela foi operada de um tumor em sua amígdala, que pressionava essa parte de seu cérebro, e fazia com que ela agisse de forma imprudente. Mas, com esse histórico de 4 ou 5 resgates de dentro de piscinas e até do mar, ela não tem credibilidade alguma perante sua família, nem com o investigador que a visitou no hospital. Frente a isso, decide que se quer saber o que aconteceu de verdade, e o motivo de alguém estar tentando matá-la, precisará investigar por conta própria. E é isso o que ela faz, procurando em primeiro lugar, o rapaz que a resgatou da água. Seu nome é Desmond Wells, e ele é um cara muito peculiar, mais ou menos da altura de Eliza; apaixonado por encenar, trabalha como “Júlio César” em uma feira.

Ele visita Eliza quando ela retorna para casa, e enquanto estão no quintal se conhecendo melhor e trocando informações sobre os acontecimentos da noite do resgate da piscina e da prestação dos primeiros socorros, ela conta a Desmond sua sensação (e praticamente certeza) de ter sido empurrada. Nisso, ele afirma que realmente teve a impressão de ver alguém fugindo logo que ele ouviu o ‘splash’ da moça dentro da água.

DICA DE LIVRO: AS ELIZAS - SARA SHEPARD

“Isso era apenas o mito em que ela queria que eu acreditasse, não a realidade.”

Os capítulos de As Elizas são intercalados com capítulos do livro que Eliza está prestes a lançar. O livro dela chama ‘As Dots’, e conta a história de duas Dorothys. Uma mulher adulta, que é referencial de tudo que possa existir de mais divertido, sofisticado, corajoso e ousado. E a outra Dot é a sobrinha, uma garotinha apaixonada por essa tia, e que tem um relacionamento meio complicado com sua mãe que está sempre trabalhando e pouco presente. A garota tem um tumor no cérebro e passa muito tempo em hospitais sendo pajeada o tempo todo por sua super tia. A mãe de Dot, embora sinta muito pesar por esse tipo de relacionamento entre sua filha e sua irmã, acompanha um pouco mais distante, pois ela precisa trabalhar, uma vez que Dot só a têm para cuidar das contas do hospital e de tudo mais em sua vida.

Com esses capítulos intercalados, foi bem fácil perceber o quanto Eliza trouxe de sua vida pessoal para a ficção propriamente dita de seu ‘As Dots’. Será que ela não percebia isso? Não se deu conta enquanto escrevia e lia o que havia feito? Eu achei que Shepard deixou os detalhes bastante aparentes para que o leitor pudesse ir fazendo essa junção de fatos no decorrer da narrativa. Foi uma jogada interessante, perspicaz, mas perigosa, uma vez que poderia ter gerado um desânimo no leitor caso ele sentisse que estava desvendando a história toda antes do fim da mesma. Pra mim deu certo, as coisas realmente não eram da forma que eu esperava e consegui ser surpreendida com os caminhos que Eliza seguiu adiante.

“Recebi um recado de voz esquisito desta mulher que diz ser sua mãe?! Ela não quer que a gente publique o livro!”

O que teremos à vontade nesse livro é essa busca incessante de Eliza por respostas. Ela consegue um aliado muito interessado em ajudá-la a descobrir o que aconteceu na fatídica noite. Nessa busca, Eliza precisa confrontar sua mãe, sua meia-irmã, o barman que atendeu ela em dos bares do resort (e possivelmente foi uma das últimas pessoas que a viram antes do acidente)… Ela precisa lidar com sua agente, com a editora, e com um programa famoso de televisão! Pra mim o mais interessante foi que mesmo sofrendo, e precisando lidar com um tipo de amnésia, ela foi resiliente.

Às vezes passou por sua cabeça que o tumor havia voltado. Ela duvidava de sua própria sanidade, já que tinha certeza que alguém a estava perseguindo. Seus amigos diziam tê-la encontrado em lugares que ela não se lembrava de ter ido. E a polícia não se interessou por seu caso, nem ao menos retornou suas inúmeras ligações. Ou seja, ela estava praticamente sozinha para desvendar esse mistério – praticamente sozinha, se Desmond não há apoiasse.

Enfim, a autora conseguiu responder aos questionamentos levantados durante o enredo. Não saímos com dúvidas dessa história. Descobriremos se Eliza tem algum problema de saúde, se o álcool pode estar afetando a mente dela com ilusões ou se tem mania de perseguição. Descobriremos os segredos sobre ‘As Dots’, e como foi incrível ler um livro dentro de outro. Foi uma ótima sacada de Shepard! Eu me envolvi bastante com essa narrativa, e atribui 3,5 estrelas em 5. Como eu adoro um thriller psicológico, e sou chegada a uma teoria da conspiração, me senti bastante satisfeita com o fechamento que Shepard trouxe para seu As Elizas.

“Deixar que ela se vá não significa amar ou odiar, significa não sentir nada.”

A edição de As Elizas está muito bonita. A capa brasileira ficou muito melhor do que a gringa, em minha humilde opinião. As cores escolhidas pela editora deixaram em evidência a dualidade e ambivalência existente na personalidade de Eliza, e ainda acrescentou a impressão de estar submersa, dentro de uma piscina. Nota 10 para essa capa, de uma edição em brochura, com 384 páginas em folhas amareladas e fontes bastante confortáveis. Uma edição simples e bastante agradável. A revisão e tradução também foram de ótima qualidade, uma vez que não pude perceber erros crassos durante a leitura.

A autora é norte americana, tem 41 anos, e é nascida na Pensilvânia. Vive com seu marido e seus cachorros. Sua série Pretty Little Liars – que é o maior motivo de todo seu sucesso – foi vagamente baseada em sua juventude passada na Filadélfia.

veja os posts relacionados

Deixe seu comentário

16 Comentários

  • Eliza Gregio
    junho 15, 2019

    Presente de Deus

    Filha de Deus se fez vida.
    Apenas um anjo que chega
    e como uma visita, ela fica.

    Útero fértil: uma semente,
    uma alma se faz presente
    se tornando vivente.

    O amor de Deus não se limita.
    Mostra-se cheia de vida.
    Minha mãe me chamou: vem Eliza!

    o mundo lá fora sem pressa a espera.
    Encantamento… seu amor floresceu!
    Apresentou-me a Deus e agradeceu
    á filha do criador que Ele me presenteou.

    Eliza Gregio

  • Clayci
    novembro 06, 2018

    Esse livro está na minha lista de desejados <3
    Espero consegui comprá-lo nessa BF
    Adorei a resenha

    Sai da Minha Lente

    • Carol Nery
      dezembro 02, 2018

      É um livro bem divertido de ler, ainda com aquela velha veia investigativa, que eu AMO!! Adoro um suspensezinho! hahahaa

  • Gislaine Lopes
    novembro 06, 2018

    Oi Carol,
    Sara Shepard é um nome bem conhecido para mim, não, particularmente, por sua escrita, mas sim pelas adaptações de suas obras. Pelo pouco que conheço da autora, ela tem algo bem particular em sua narrativa que é criar história onde mescla drama, suspense e romance. Uma protagonista de narrativa duvidosa e sofrendo de alguns surtos pode ser arriscado em uma trama, mas quando isso é bem desenvolvido pelo autor rende uma boa história. Já vi isso acontecer em outros livros, então não seria novidade, mas o cenário proposto por Sara é que trás um certo diferencial. Aqui o leitor é levado a crer que a protagonista tem tendências suicidas, mesmo que ela alegue (ao menos dessa vez) de que todos estão enganados. Mas toda a carga dramática de sua vida pessoal pode fazer o leitor questionar tudo o que acontece a Eliza. É um livro que desperta interesse sim, pois thriller psicológico tem esse efeito, mas não é um livro que irá para minha lista de prioridades.

    • Carol Nery
      novembro 06, 2018

      Sim Gislaine. A narrativa é realmente muito arriscada. Pode dar muito certo, como pode descambar pra algo chato, confuso e desnecessário. É bem ousado escrever dessa forma. Eu acho que ela acertou! Esse não seria um livro que me chamaria a atenção de cara, embora seja lindo. Porém, fui surpreendida pela trama. Os capítulos intercalados ajudaram e muito a fazer todo o fechamento da história.
      Beijo e obrigada pelo comentário.

  • Vanessa Assumpção
    novembro 06, 2018

    Nossa, adorei a premissa da história! Me chamou muito a atenção. Thrillers psicológicos me atraem muito (olá, Gillian Flynn!) essas personagens bastante perturbadas e que erram e que são muito humanas e essas tramas confusas. Adoro! Já quero ler.

    • Carol Nery
      novembro 06, 2018

      VERDADE, Van! A gente tem um quê que sempre tende para essas protagonistas cheias de problemas, né? Adoro essas moças "quebradas", que mostram que a realidade não é um mar de rosas. A trama é bem interessante! Se tiver a oportunidade, cai pra dentro. hehehee Beijocas.

  • Carol Campos
    novembro 05, 2018

    Instigante e intrigante. Conhecia a autora por meio da série de televisão que se originou por causa de seus livros de mesmo nome, Pretty Little Liars. Logo, já sabia o que esperar destá resenha em questão de nos fazer crias teorias (E põe teorias nisso, hahaha), ela manja dos paranauê. Já me vejo correndo atrás de respostas junto a Eliza, vivendo essa loucura, sendo forte por ela e com ela. Ótima resenha, já adicionei a minha lista de desejados e é bom saber que o livro teve um fechamento pois, se tivesse continuidade já ficaria desanimada, pois novamente, ela também manja de continuações e como, hehe A capa é belíssima, causam um mega efeito.

    https://twitter.com/CaarolForbes/status/1059565503142866945?ref_src=twcamp%5Ecopy%7Ctwsrc%5Eandroid%7Ctwgr%5Ecopy%7Ctwcon%5E7090%7Ctwterm%5E3

    • Carol Nery
      novembro 06, 2018

      Verdade, xará! Se tivesse gancho para continuações, já poderíamos sentar e esperar! Ela sabe como prende (e enrolar) o leitor por vários e vários livros. Mas, esse aqui é bem divertido, frenético, e termina de forma que a gente consegue entender o que a autora quis nos passar. Muito criativo. Abraços.

  • O Vazio na Flor
    novembro 05, 2018

    Que capa mais escândalo de linda!!!! Namoro este livro desde que o vi pela primeira vez e não vejo a hora de tentar encontrar as respostas que Eliza também busca em sua jornada.
    Uma menina que vive rodeada por tanto mistério!
    Esse lance de jogar o suspense em pessoas tão beirando a realidade é uma jogada de mestre e com certeza, o livro está na lista de desejados!!!
    Beijo

    https://twitter.com/AngelaGabriel1/status/1059471656694046720

    • Carol Nery
      novembro 05, 2018

      Sim! Eu babei na capa quando recebi o livro. A mistura de cores e o efeito ficaram fantásticas!! E a história também é bem intrigante. Vale a leitura. Abração e obrigada pelo comentário.

  • Não diferente das outras resenhas,esta também instiga-nos a desejar a leitura, mistério,suspense com pitadas de terror têm me atraído.Resenha top,com certeza faz atrair leitores a experimentar àquilo que deve tê-la atraído e feito nessa resenha show!!!

    • Carol Nery
      novembro 05, 2018

      Mari, o que mais gosto é que você é uma pessoa que vai experimentando as leituras, metendo a cara, e descobrindo que "aguenta" ler vários gêneros. Isso é lindo! Obrigada pelo carinho. Apareça sempre. Beijão

  • Cica F.
    novembro 05, 2018

    Maravilhosa essa resenha. Conseguiu definir bem a sensação de ler essa história. Uma trama bem elaborada que vale a pena ler, com certeza. Parabéns Carol

    • Carol Nery
      novembro 05, 2018

      Ah, obrigada companheira de leitura! Foi legal demais trocar algumas ideias com você enquanto passamos por esse sufoco junto da Eliza. hehehehe