LIVRO

RESENHA | AMOR E MEMÓRIA – UM LIVRO INCRÍVEL SOBRE UMA HISTÓRIA NÃO TÃO INCRÍVEL

17 julho, 2019 por

Amor e Memória -

Amor e Memória é um livro delicado e cativante. Inicialmente, o que me ganhou nele foi a capa: linda, com detalhes em hot-stamp e uma ilustração muito chamativa. Depois, a sinopse, porque sou apaixonada por romances com um fundinho histórico. Mas é um romance muito elogiado, inclusive pela autora Isabel Allende, que disse “Um romance cheio de reviravoltas e personagens cativantes”.

De fato, a autora não mente. Temos três histórias paralelas sendo contadas aqui: a de Jack e Ilona, a de Natalie, neta de Jack, e a de Nina e Gizella. Todos unidos por um único objeto: um medalhão que Jack furtou durante a II Guerra e acaba por incumbir sua neta de devolver a jóia, mesmo que nenhum dos dois saiba qualquer coisa sobre suas origens.

“A moça possuía o aspecto inconfundível dos sobreviventes dos campos. Mesmo alguns meses depois da libertação, eles eram mais magros do que os outros refugiados, mais ainda se comparados aos austríacos, que a partir de então começavam a experimentar a escassez de comida que o resto da Europa ocupada vivera ao longo da guerra. O rosto dela estava abatido e sombrio, sua expressão era séria, mas o cabelo tinha voltado a crescer na forma de cachos vermelhos, a luminosos e desordenados.” – p. 39

Apesar de completamente distintas, as histórias dos personagens giram em torno de um medalhão com o formato que ilustra a capa: um pavão incrustado de pedras. Não é muito precioso e a jóia pode ser considerada sinal de má-sorte pelos húngaros, mas acaba por se mostrar uma peça significativa e de grande valor sentimental, histórico e artístico.

Assim, ao passarmos as páginas, somos transportados para a Hungria. Primeiro com Jack, um soldado judeu americano,no ano de 1945, ao fim da II Guerra Mundial. Somos apresentados à Ilona, uma sobrevivente dos campos de extermínio, e ao amor que Jack desenvolve por ela. Mesmo tentando agir da melhor forma possível, Ilona mantém uma grande distância emocional soldado.

É também nessa parte que o medalhão vai parar nas mãos de Jack: por meios ilícitos e apenas para se lembrar da mulher que amou. Depois de sua morte, ele deixa o medalhão para Natalie, junto com uma difícil missão: retornar a jóia para sua família de origem. O problema é que nem Jack nem ninguém sabem nada acerca da peça.

Afinal, o objeto foi roubado do chamado Trem de Ouro Húngaro, que consistia em um trem carregado de objetos de valor dos judeus da Hungria. Segundo consta, os nazistas carregaram 52 vagões com ouro, prataria, louça, jóias, casacos de pele e vários outros itens que foram confiscados de judeus. O objetivo era cruzar a Polônia e usar o tesouro para reerguer o nazismo. O trem, porém, foi interceptado pelo exército americano.

“Gostaria de tê-la conhecido antes de se estilhaçar. Antes de seu mundo ter se estilhaçado. Mas talvez parte do que ele gostava nela era exatamente esse caráter estilhaçado.” – p. 107

E, sutilmente, Amor e Memória sugere como se deu o roubo desenfreado do tesouro contido no trem. Mas Jack tenta evitar o saque através da catalogação de todos os objetos possíveis. Seu único motivo para roubar o medalhão era devolvê-lo à Ilona, na esperança de dar-lhe algo para se lembrar de casa. O que ele não previa era que Ilona nunca tivesse visto o medalhão na vida.

Assim, ele fica com a jóia para poder se lembrar da garota de cabelos vermelhos. No momento em que o entrega para Natalie, Jack já está no fim de sua vida. E, até aquele momento, guardou segredo sobre a jóia e sua história, bem como o peso da culpa pelo roubo. Mas, a partir desse momento, o medalhão passa a fazer parte da história da neta.

Recém-divorciada, ela enxerga uma oportunidade de se encontrar e se distrair. Não apenas um recomeço, como também uma restituição histórica. Nesse ínterim, a jovem parte para Budapeste, entrando em contato com pessoas especializadas em restituir objetos perdidos às famílias de origem.

Seja como for, agora passamos a conhecer Nina. E a sofrer com o mistério da origem do medalhão, que parece estar para sempre perdida. Nesse ponto, Amor e Memória passa a tratar de um tema que, particularmente, adoro: feminismo.

Apesar de ser uma jovem judia nos idos de 1913, Nina não se contenta com a vida que seu pai planejou para ela. Não quer o casamento arranjado e quer se tornar a primeira médica mulher de Budapeste. Estuda muito para isso e também se envolve com o movimento conhecido como Sufrágio.

Sua personalidade forte é tida como histeria e ela passa a visitar um psicólogo. É dele, inclusive, o ponto de vista que conta a história de Nina e sua amiga anã, Gizella. Fortemente julgadas, as duas se tornam melhores amigas e, mesmo contra todas as possibilidades, participam ativamente do movimento feminista.

“Já fui como você. Vivia num mundo coberto por um véu, uma trama de mentiras onde coisas como o amor importavam. E, de repente, tudo desmoronou. Foi tudo estraçalhado, rompido, destruído.” – p. 151

É fascinante poder acompanhar uma perspectiva diferente acerca do tema. Quando estudamos a II Guerra Mundial, o foco se concentra na Alemanha, obviamente. Mas Amor e Memória me trouxe a oportunidade de saber um pouco mais sobre como tudo aconteceu em um outro país. Como mesmo antes de o nazismo explodir, os judeus já eram um povo rejeitado e maltratado.

Enfim, quase ao fim da história, podemos saber a verdadeira origem do medalhão. Depois de aparecer e desaparecer infinitas vezes, é um alívio descobrir de onde e como ele surgiu. E ao, fim, também, podemos sentir a tristeza e o peso do encerramento de uma série de eventos trágicos.

Apesar de se tratar de um romance, o livro também é denso. Por vezes, pesado. Tanto a história real quanto a fictícia. Sua leitura é um pouco mais lenta. É dividido em 5 partes e todas elas são muito bem amarradas e consistentes. Cada parte trata de um contexto histórico, social e cultural diferentes.

Os personagens também são diversos e muito bem construídos, explorados e escritos. A autora conduz tudo de forma maestral e sua escrita é viciante. Ao mesmo tempo em que desejamos saber o fim, também ficamos com medo do que pode acontecer na página seguinte.

Inegavelmente, Amor e Memória é uma preciosidade para quem gosta de romances históricos semi-fictícios. Sua capacidade de envolver o leitor, de levá-lo àquele exato momento, é incrível. A história também é apaixonante. E, portanto, a leitura é imprescindível. Não apenas pela leitura em si, mas por adicionar muito ao repertório histórico e social.

____________________________________________________________________________________________________________________

Livro Amor e MemóriaFicha Técnica
Título: Amor e Memória
Autora: Ayelet Waldman
Ano: 2014
Páginas: 400
Editora: Casa da Palavra / LeYa
Adicione a sua lista do Skoob
Compre pelo nosso link da Amazon.

 

veja os posts relacionados

Deixe seu comentário

1 Comentário

  • Amei sua resenha e a capa do livro também me cativou. Eu super gostei de saber da história por vários pontos de vista diferentes. E o melhor, numa país além da Alemanha.
    Já vou colocar ele na minha lista de leitura. Bjks!

    Mundinho da Hanna