Rambo é um daqueles personagens icônicos do cinema que pululam meu imaginário. Eu sou muito fã de Sylvester Stallone, e Rambo faz parte dos filmes que fizeram o ator ganhar expressão para mim. Na crítica de hoje, venho falar um pouco sobre a história de John Rambo, e como chegamos agora, nesse quinto filme, a um confronto que provavelmente será a despedida dessa lenda.

A partir do dia 19 de setembro você poderá conferir a estreia de Rambo – Até o Fim. O ex-militar John Rambo é daquelas figuras típicas do que resta de um ser humano que viu muita gente morrer, que perdeu pessoas amadas, que matou muito mais gente, e que sempre, SEMPRE peregrinou atrás de justiça e/ou vingança.

Ele era um jovem comum, mas após seu alistamento para a Guerra do Vietnã – com apenas 17 anos –, sua vida mudou drasticamente, e John acabou se tornando uma máquina de matar. Ele foi treinado para isso. E ao longo dessa franquia acompanharemos a jornada de um homem modificado, traumatizado, marcado… Porém, alguém letal. Alguém que foi torturado e que perceberemos, não estará livre nunca mais dos flashbacks dos dias terríveis que viveu.

Rambo vingativo

A princípio, percebemos que as imagens do passado não o deixam em paz. Medicações são prescritas e utilizadas para algo que deduzo ser uma espécie de Transtorno do Estresse Pós Traumático – um distúrbio caracterizado pela dificuldade em se recuperar física e psicologicamente depois de vivenciar ou testemunhar um acontecimento ou situações assustadoras, violentas, e traumáticas.

E nos dias atuais, sem qualquer referência à idade ou há quantos anos que se passaram desde o filme número 4, John Rambo vive no local onde nasceu – um rancho em Bowie, Arizona. Quem se recorda do fim do último longa, se lembrará de Rambo chegando ao rancho de sua família, voltando de vez para o Arizona, após deixar a Tailândia. Se atentem a caixa de correio com a inscrição R. Rambo – pai de John (ela aparece no fim do filme 4 e no começo desse número 5, antes de mais nada, trazendo uma ligação temporal e emocional).

Ou seja, esse filme se passa em terras conhecidas, pois ele está de volta para sua casa. E vivendo com seus animais e a lida com sua terra, ele não sabia que seus dias de ódio e de almejar uma revanche proporcional à suas perdas estavam para voltar. Em seu rancho, ele convive com Gabrielle (uma adolescente prestes a ir para uma boa faculdade) e sua avó. A ligação dos três é bastante familiar, pois Gaby cresceu nas terras de Rambo, e o chama, bem como o considera como – tio.

Presumivelmente sua “sobrinha” Gaby se envolve em uma grande confusão à la ‘Busca Implacável’, com Liam Neeson no papel principal. Rambo, conquanto ter sido ignorado em seus conselhos e se posicionar contra à busca de Gabrielle por seu pai em uma cidade bem perigosa no México, não mede esforços para caçar o rastro daqueles que sequestraram a garota. Será só o começo da sequência de atos brutais e violentos ao extremo.

Não há como deixar de fazer comparações entre o que John Rambo significa na história do cinema, com essa nova roupagem de um homem já na fase idosa de sua vida, contudo, ainda muito forte e muito capaz! A engenhosidade e seu treinamento de sobrevivência, assim como sua fúria vingativa visando nada mais que a vingança merecida, são cenas que não podemos assistir sem aquela expressão de espanto.

“Não mudei. Só estou tentando esconder isso todos os dias.”

Rambo estará enfrentando toda uma milícia de uma quadrilha de tráfico sexual. Embora ele tenha sido ferido gravemente e tendo sua pele marcada (literalmente), ele resiste. Ele acaba por colocar – infelizmente – um alvo nas costas de Gabrielle, porque agora os líderes da quadrilha, Hugo e Victor sabem que a moça é alguém especial para outra pessoa, e a iniciam nas práticas sexuais – com o combo heroína na veia. Semelhantemente sua pele também é marcada assim como marcaram Rambo.

Bom, após todo tipo de acontecimento lá no México, John retorna para o Arizona com “sangue no zói”. Simplesmente equipa todo seu rancho com armadilhas que se houvesse como classificar, eu diria que são além de mortais! Obviamente, como não poderia deixar de ser, existem diversos túneis subterrâneos nas propriedades de John. E ali aconteceram as cenas mais surpreendentes nesse longa. São tantas formas inimagináveis de se matar alguém, que chega a nos aturdir. Se você for pudico ou não conseguir lidar bem com cenas EXTREMAMENTE violentas, aconselho que feche bem os olhos. Sério!!!

Após toda essa carnificina, e o cumprimento de uma promessa feita a um dos irmãos líderes da quadrilha sexual ser inegavelmente realizado, a calmaria chega. E as cenas finais são bastante tranquilizadoras para os fãs da franquia. Para aqueles que não se esquecem de Stallone em sua melhor forma física, pronto para fugir, se esconder e matar sem dó ou remorso. O que posso concluir com tudo isso é que o ser humano com o tipo de história de John Rambo luta Até o Fim, mesmo que por uma causa perdida.

Rambo jovem

Enfim, minha recomendação aos saudosistas é: fiquem após a cena final de Rambo em seu rancho. Serão exibidos alguns trechos muito especiais para aqueles que acompanharam Stallone pelos outros 4 filmes. Vale a pena!

CURIOSIDADES:

  • John James Rambo nasceu dia 06/07/1947, em Bowie no Arizona. Seu pai era italiano e sua mãe de origem navarra;
  • O enredo é uma adaptação do livro de mesmo nome – First Blood – de David Morrell, lançado em 1972;
  • Rambo “ganhou” esse nome devido à variedade de maçãs cultivadas no século 17 por um imigrante sueco chamado Peter Gunnarson Rambo;
  • A famosa e conhecida faca usada por Rambo foi construída exclusivamente para a produção e foi feita em seis peças idênticas;
  • Sylvester Stallone está em ótima forma física em seus 73 anos de vida.

__________________________________________________________________________________________________________________

 

Data de Lançamento: 19 de setembro
Duração: 89 min
Gênero: Ação, Aventura
Diretor: Adrian Grunberg
Elenco: Sylvester Stallone, Paz Vega, Sergio Peris-Mencheta, Adriana Barraza, Yvette Monreal
Distribuidor: Lionsgate
Produtoras: Balboa Productions