Quinze Dias é o primeiro livro publicado pelo escritor e ilustrador brasileiro Vitor Martins e conta a história de Felipe, um adolescente tímido e gordo que está muito ansioso pelas férias de julho. E com colegas de escola que fazem o possível pra infernizar sua vida, não dá pra culpar o Felipe, né? O que ele não espera é ter que dividir a casa e o quarto com Caio, seu vizinho e ex-amigo de infância.

E é claro que Felipe se sente super indignado e bravo porque: 1- ele pretendia passar as férias todas no quarto, colocando suas séries, filmes e livros em dia, e 2- desde bem novo, ele tem um crush enorme em Caio e morre de vergonha de ficar perto dele. Além disso, Felipe só queria um pouco de paz longe de todo o resto do mundo, sem ficar se preocupando se alguém está olhando sua barriga ou julgando qualquer atitude dele.

“Um dia você aprende a gostar mais de quem você é, e isso vai refletir em como as outras pessoas vão te enxergar. Gente babaca vai existir para sempre, mas a gente aprende a resistir.”

QUINZE DIAS - VITOR MARTINS

Apesar de isso tudo soar como um leve drama adolescente, também é muito compreensível. A identificação com Felipe é muito rápida e muito fácil para todos os desajustados do mundo, seja por conta do corpo, da orientação sexual, da personalidade, da cor da pele. Felipe parece ter um pedacinho de todas as pessoas fora do padrão. E Vitor Martins faz um trabalho maravilhoso com uma narrativa tocante, viciante e bem escrita.

A capa por si só já é um convite: em tons coloridos puxados para o pastel, com uma ilustração de piscina e a sensação de querer estar ali. Ainda mais nesses dias de puro calor que estamos enfrentando, né? Inclusive, acho que é o tipo perfeito de livro pra ser lido na beira da piscina, tomando um solzinho, com os pés na água. Sim, esse é o nível de leveza de Quinze Dias!

“Eu sou gordo, não sou “gordinho” ou “cheinho” ou “fofinho”. Eu sou pesado, ocupo espaço e as pessoas me olham torto na rua.”

Afinal, a piscina é uma parte importante do enredo do livro. Acredito que piscinas sejam partes importantes na história de vida de toda pessoa fora do padrão: ela marca o momento em que começamos a sentir vergonha de nossos próprios corpos. E não apenas os corpos gordos, como o autor mostra no livro. Toda pessoa tem alguma ressalva, algum ponto em que se sente inseguro. E é na piscina, ambiente que quase toda criança adora, que essa insegurança começa a despertar.

De qualquer forma, Felipe precisa enfrentar seu pesadelo que virou realidade: dividir seu espaço com outra pessoa durante as férias de julho. As férias que deveriam significar solidão e paz por maravilhosos 15 dias em que ele se afundaria em Netflix e poderia respirar aliviado. E todo mundo que já passou por bullying na escola sabe como é essa sensação, né? Estar longe dos apelidos e empurrões e caras feias. Não precisar segurar o choro o tempo todo.

QUINZE DIAS - VITOR MARTINS

Por isso, é muito difícil para Felipe lidar com a chegada de Caio. Ele fica desestabilizado e ainda mais inseguro perto do vizinho. O fato de ter um crush nele não ajuda nem um pouco. Inicialmente, até dá pra achar que Caio também não gosta muito dele, porque ele passa os primeiros dias lendo e relendo o mesmo livro. Mas aos pouquinhos, eles vão se abrindo um para o outro e criando uma amizade muito bonita e agradável.

De forma emocionante, podemos ver o quanto Caio é uma pessoa de coração muito aberto e, apesar de toda a ansiedade e da insegurança de Felipe, ele se dispõe a ficar ao lado dele e a ajudar com essas situações. Lidando com seus próprios problemas, o garoto é muito carinhoso com Felipe. E Felipe, apesar de ser bastante tímido e inseguro, também faz todo o possível para apoiar o novo (porém antigo) amigo. E é lindo de se ver o quanto Felipe consegue mudar sua vida, se abrir para novas amizades e dar pequenos passos na direção da aceitação e do amor próprio.

“Não se apaixone por uma pessoa que não faça com que você se sinta lindo. Não to falando que o cara precisa te dizer o tempo todo que você é perfeito e maravilhoso. Não é isso. Mas quando você se sente lindo só de estar perto da pessoa, ai, filho, é muito mais fácil. Você acorda com a cara amassada, o cabelo bagunçado, e ainda assim se sente lindo. Porque você está com uma pessoa que não aponta os seus defeitos. Não faz você se sentir pior. Não repara naquela estria na bunda que nem você tinha reparado até então. Porque essa pessoa, enxerga a melhor parte de você.”

QUINZE DIAS - VITOR MARTINS

Existe um conjunto de situações que Vitor Martins explora em Quinze dias e que são realmente muito bem ilustrados e trabalhados. Ele fala de relações familiares através da mãe de Felipe que, aliás, é maravilhosa e me lembrou muito da minha própria mãe. Através da mãe de Caio, trata de homofobia no âmbito familiar porque, apesar de amar o filho, ela não aceita sua melhor amiga lésbica; consequentemente, Caio não conseguiu, ainda, sair do armário.

Igualmente, trata de gordofobia, bullying, ansiedade e depressão. Trata de auto aceitação, de se cuidar e se amar. Trata de timidez e de preconceito, de saúde mental e até mesmo de amor ao próximo. Apesar de retratar a vida de um adolescente, o livro é de uma delicadeza incrível, é composto de personagens muito diversos e traz uma representatividade ampla.

Acima de tudo, porém, acredito que Quinze Dias de Vitor Martins fala sobre amor, pura e simplesmente. Sobre amar e ser amado, sobre nossa dificuldade em aceitar amor. Sobre como amamos e nos deixamos amar (ou não deixamos). Em seu primeiro livro, o autor nos presenteia com uma obra prima carregada de empatia, de suavidade e de responsabilidade. Incrível, em cada mínimo aspecto!

______________________________________________________________________________________________________________________

Quinze Dias

FICHA TÉCNICA:
Título: Quinze Dias
Autor: Vitor Martins
Editora: Globo Alt
Número de Páginas: 208
Ano de Publicação: 2017
Gêneros: Romance Adolescente, LGBT
NOTA: 5/5
Compre na Amazon