SÉRIES

PSICOSE | CRÍTICA

19 junho, 2020 por

Psicose

Hoje minha indicação é de um clássico maravilhoso que voltou para o catálogo de streaming da Netflix, o filme Psicose (Psycho). Se você ainda não viu esse filme, que é o mais famoso dirigido pelo mestre do suspense, Alfred Hitchcock, pare tudo e vá assistir!

Psicose é um filme norte-americano de 1960 do gênero suspense. É uma adaptação do livro homônimo de Robert Bloch (lançado originalmente em 1959), inspirado nos crimes cometidos por Ed Gein (que veio a inspirar também O Massacre da Serra Elétrica e O Silêncio dos Inocentes).

Na história, temos a secretária de uma imobiliária, Marion Crane (Janet Leigh), que rouba 40 mil dólares que deveriam ser depositados para seu chefe e então foge da sua cidade dirigindo. Sua intenção com o roubo seria se casar e começar uma nova vida.

Durante a fuga, ela enfrenta uma forte tempestade, erra o caminho e chega a um velho hotel administrado por um homem perturbado de 30 anos de idade, Norman Bates (Anthony Perkins), que mora com sua mãe em uma casa próxima e nutre um forte respeito e temor pela mesma. Marion decide passar a noite no local, sem saber das perigosas consequências dessa decisão.

Acredita que o filme quase não foi produzido? Hitchcock tinha uma obrigação contratual de fazer um filme para a produtora Paramount por ano, sua secretária, Peggy Robertson, apresentou a obra de Block, que o deixou maravilhado, mas a produtora vetou o livro por considerar o seu conteúdo pesado e de difícil produção, preferindo opções mais simples.

O mestre não desistiu, com o orçamento em torno de 800 mil dólares (uma das razões para ter sido filmado em preto e branco), sugeriu para a produtora bancar o filme integralmente, sem ganhar salário, usando a equipe de produção de seu programa de TV: Alfred Hitchcock Presents, com filmagens no Universal Studios. O único comprometimento da Paramount seria distribuir o filme.

Psicose

Essa obra prima teve indicação no Oscar em 1961, nas categorias de melhor atriz coadjuvante (Janet Leigh), melhor fotografia, melhor direção de arte e melhor direção (Alfred Hitchcock). Venceu o Globo de Ouro (1961) na categoria de melhor atriz coadjuvante (Janet Leigh) e o Prêmio Edgar 1961 na categoria de melhor filme.

O faturamento foi de 60 milhões de dólares nas bilheterias do mundo inteiro, nada mal não foi? Mesmo com investimento próprio na produção, Hitchcock teve a distribuição sabotada pela Paramount, mesmo assim ele acreditou no sucesso de seu filme, até comprou anonimamente os direitos do livro e com isso tirou todas as cópias disponíveis no mercado para que ninguém lesse e descobrisse o final, que jogada de marketing, não?

Além do livro aqui no Brasil distribuído pela Darkside Books e do filme, foi produzida a série Bates Motel (2013-2017), que conta nos tempos atuais, como seria a juventude de Norman Bates. Tem crítica dela aqui no blog, vale a pena conferir!

Psicose é com certeza um dos meus filmes prediletos quando se trata de suspense, super recomendo, ainda mais se considerarmos que é inspirado em uma história real. As cenas da fuga de Marion nos tornam cúmplices dela, a conhecidíssima cena do chuveiro é uma obra de arte, que mesmo assistindo várias vezes o filme, me arrepia até hoje! Então, quer saber se Marion consegue escapar da polícia? O que acontece com Norman e sua possessiva mãe? Assista o filme e me conte o que achou?

veja os posts relacionados

Deixe seu comentário

33 Comentários

  • Karina Rodrigues
    Karina Rodrigues
    junho 29, 2020

    Oie, Grazi! Otima crítica, como sempre! Falar de Psicose é tipo uma utilidade pública, né! É igual O Iluminado, todo mundo precisa assistir (e ler)! Hahahahaha
    Adorei as informações que vc colocou, principalmente q voltou pra Netflix pq eu nem tinha percebido. Já vou ver de novo!
    Bjos

    • Graziela Costa
      Graziela Costa
      junho 29, 2020

      Psicose precisa ser visto pela humanidade, amo demais esse filme!
      O Iluminado é outro mesmo, as pessoas tem um certo preconceito com ele mas eu amo tanto esse filme tbm!
      Obrigada Ka! 😉

  • Erika Monteiro
    junho 29, 2020

    Oi, tudo bem? Nossa, tinha até esquecido desse filme. Quando era criança tinha muito medo de assistir e não conseguir dormir depois haha Esse mês estou assistindo algumas produções no Prime Vídeo mas acho que vou abrir exceção e assistir esse. Amo um bom suspense. Um abraço, Érika =^.^=

    • Graziela Costa
      Graziela Costa
      junho 29, 2020

      Psicose precisa entrar para a sua lista! É quando eu era criança eu via esses filmes e a noite meus pais penavam! KKKKKK
      Depois me conta 😉

  • Maisa Gonçalves
    Maisa Gonçalves
    junho 29, 2020

    Nossa, me lembro de ter assistido esse filme lá pelos idos anos 80, e fiquei tão impactada, que as cenas são claras até hoje. Tenho vontade de assistir a série, mas ainda não rolou, talvez por um medo de comprometer o sentimento do filme.. Grazi, que bom ler sua resenha, arrasou amiga!

    • Graziela Costa
      Graziela Costa
      junho 30, 2020

      Minha querida amiga obrigada pelo comentário, eu adoro tudo de Psicose, sou suspeita em falar!

  • Yasmine Evaristo
    junho 29, 2020

    Sem dúvidas uma das obras primas de Hitch. Adoro toda a estrutura se suspense montada por ele para gerar uma ambientação aterrorizante que se desenvolve a medida que a trama desenrola.

  • Olá! Que post! Falar de Psicose é importante à construção crítica, penso eu, de qualquer um que goste do tema, tanto nas telas quanto na Literatura. Um mega Clássico. Achei mega bacana a sua iniciativa de nos trazer curiosidades que vejo como super interessantes e que eu, particularmente, não sabia! Deu até vontade de assistir!

    • Graziela Costa
      Graziela Costa
      junho 30, 2020

      Adoro pesquisar curiosidades dos filmes assistidos! Obrigada pelo cometário! 😉

  • Debora Sapphire
    junho 28, 2020

    Eu já tinha ouvido falar sobre esse filme de suspense que voltou para o catálogo da Netflix. Porém, muito vagamente, então eu não sabia quase nada a respeito dele. Achei interessante que essa é uma adaptação do livro homônimo de Robert Bloch, inspirado nos crimes cometidos por Ed Gein, que serviu de inspiração também para: O Massacre da Serra Elétrica, que eu conheço um pouco melhor. E que jogada de marketing e tanto, né? Hehe Fiquei querendo saber o que acontece agora nessa trama toda!

    • Graziela Costa
      Graziela Costa
      junho 30, 2020

      Não foi Débora? Que marketing! Vai lá assistir, esse filme merece! Obrigada 😉

  • Lilian Farias
    junho 28, 2020

    Nossa, acho que vi Psicose em meados da década de 90, tem muito tempo, nem recordo direito, mas não sabia que estava no catálogo da Netflix. Conheço a série Bates Motel, mas nunca terminei, vi pouca coisa, acho que tenho bastante coisa para ver nos próximos dias.

    • Graziela Costa
      Graziela Costa
      junho 30, 2020

      Psicose merece ser revisto, um clássico do suspense!
      Obrigada pelo comentário 😉

  • Joyce
    junho 28, 2020

    Ainda não assisti esse filme, mas como gosto muito de suspense, já vai para minha lista. Parabéns, excelente resenha.

  • Hanna Carolina
    junho 27, 2020

    Eu sabia que tinha algo familiar nessa história… Olha aí a referência de Bates Motel! kkkk
    Enfim, essa cena do susto da atriz é um clássico, mas eu nunca vi o filme, acredita? Acho que vou aproveitar que está no catálogo para colocar o filme em dia… rs
    Bjks!

    Mundinho da Hanna
    Pinterest | Instagram | Skoob

  • Valéria
    junho 27, 2020

    Olá, Grazi. Nossa, fiquei feliz quando vi I filne na plataforma. Não canso de assistir. O livro é um dos meus preferidos do gênero e Hitchcock é Hitchcock né? Genialidade é sua marca registrada. Parabéns pelo texto

    Ainda não vi a série, acredita? Preciso reparar esse erro kkkk
    Tschüss

    • Graziela Costa
      Graziela Costa
      junho 30, 2020

      Achei muito interessante a série contar a história da juventude do Norman, vale a pena!
      Obrigada pelo comentário 😉
      Amo!

  • Leticia Rodrigues
    junho 26, 2020

    esse filme é um clássico mesmo. eu nunca assistir completo mas sei a história de cabo a rabo kkk. ta na meta de vida assistir inteiro e tentar engatar a leitura.

  • Silvia
    junho 20, 2020

    Assisti esse filme há uns 20 anos, mas depois de ler aqui o esforço do Hitchcock em fazer a produção ser bem-sucedida vou ter que ver de novo com outro olhar!

    • Graziela Costa
      Graziela Costa
      junho 22, 2020

      Sim, Hitchcock fez muito para esse filme ser gravado, vale a pena ver novamente. Eu perdi as vezes que eu vi esse filme! KKKKKK

  • Ana
    junho 19, 2020

    Esse filme é perfeito. Impossível não lembrar eternamente da trilha sonora. Realmente, quem não assistiu para tuuudo e corre assistir, pois vale muito a pena.

    • Graziela Costa
      Graziela Costa
      junho 22, 2020

      Amo! Já estou com vontade de rever e olha que assisti semana passada KKKKKK

  • Eric
    junho 19, 2020

    Adorei a resenha! Sou fã do livro, mas não do filme. Contudo, não tiro o mérito de ele ser classificado como um filme de grande importância, ainda mais pelo histórico profissional de Alfred e o esforço feito para que tudo desse certo. Quem sou eu num oceano de fãs que esse filme tem, não é verdade?

    O livro me cativou pela escrita objetiva, simples e realista de Bloch, sem contar com o enredo maravilhoso e o final “mind blowing”!

    Concordo muito com você no aspecto “cumplicidade” que “adquirimos” em relação a Marion, levando em consideração os sentimentos que a motivaram a tomar determinadas decisões, pois é aí que se encontra o elemento realista da obra (ainda mais quando pensamos em seres humanos) na minha opinião. E o elemento fantástico dessa história que mais me “encanta” é o mistério que envolve aquele hotel, que para mim, é o grande protagonista – tal qual o hotel Overlook o é em “O Iluminado” de SK – , portanto eu não conseguiria imaginar Norman Bates em um outro lugar, porquanto acredito que ele é extensão daquele lugar, assim como Torrance era extensão do Overlook. É isso que me encanta, que me instiga dentro dessa narrativa, pois não sabemos o limite da realidade e da fantasia dentro da mente do outro. Com isso, dá uma sensação de algo que “grow on you” durante e no fim dessa leitura.

    O filme não deixa a desejar em relação a tudo que citei, porém não senti a mesma emoção (logo, uma opinião bem mais pessoal) que senti quando fiquei imerso no livro.

    Parabéns pela resenha! 🙂

    • Graziela Costa
      Graziela Costa
      junho 22, 2020

      Que prazer de ler seu comentário meu amigo, amo o livro e o filme e as suas diferenças. Adorei a comparação com o Overlook e não é que você tem razão?
      Obrigada! 😉

  • Marilene
    junho 19, 2020

    Ahhhhh,me pergunto o porquê de ainda não ter assistido,esse filme.Fiquei bem curiosa também quando lemos lá no grupo que teve inspiração nos crimes de Ed Hein.
    Está mandando bem nas resenhas,Grazi!

    • Graziela Costa
      Graziela Costa
      junho 22, 2020

      Obrigada Mari! Assista, você vai adorar.
      Estou aprendendo e gostando desse negócio de escrever críticas kkkkk

  • Carol Nery
    junho 19, 2020

    Não tem como ser mais gêmea não, né?
    Amei a crítica, Grazi. Do nosso querido e amado diretor, de um dos meus livros preferidos, e um dos meus filmes mais amados!!! Arrasou.
    Podemos marcar de ver com as meninas quando isso tudo passar.
    Beijo beijo com saudades

    • Graziela Costa
      Graziela Costa
      junho 22, 2020

      Vamos? Esse filme é um dos meus preferidos da vida e assistir com vocês será mais que maravilhoso!
      Quantas saudades!

  • Hilsa Camargo
    junho 19, 2020

    Adoro Psicose, um clássico do suspense