O Príncipe Cruel é o primeiro volume da nova trilogia da autora Holly Black, intitulado O Povo do Ar, publicado pela Galera Record.  Estamos no mundo das fadas – mas se você ainda tem a visão de seres bondosos, sem malícia, vai perceber que aqui elas não têm vez. Nesse mundo os féericos podem ser bem traiçoeiros e cruéis. Jude Duarte vive com seus pais, sua irmã gêmea Taryn e a irmã mais velha Viviene. Tudo perfeito, até que um dia um homem invade sua casa, mata os pais de Jude e leva as três irmãs para o reino das fadas. O assassino se revela o pai de Vivi, Madoc, general do grande rei do mundo dos féericos – Elphame, o que torna Vivi meio fada.

Mas viver nesse mundo, sendo humano, não é fácil. Os féericos desdenham dos humanos, que são fracos e mortais. Sendo assim, as irmãs são treinadas desde o início a se proteger das brincadeiras com as quais são atormentadas, já que elas convivem como se pertencessem àquele mundo, inclusive frequentando a mesma escola que os feéricos. Mas, não deixam de ser vistas como escória, objeto de escárnio, e crescem atentas às manipulações. Interessante que as duas irmãs, mesmo com todos os problemas, amam esse reino, ao contrário da irmã meio feérica, que sonha em voltar ao mundo mortal.

“Mesmo que por algum milagre eu seja melhor que eles, jamais serei um deles.”

Livros Holly Black

Um dos feéricos que mais se diverte atormentando as irmãs é Cardan, um dos filhos do Grande Rei. A sucessão em Elfhame é uma escolha do rei, não se relaciona com a ordem de nascimento. São seis irmãos, mas há uma certa clareza que o rei escolherá o Príncipe Dain, que tem até mesmo seu círculo de cavalheiros, e está se preparando para assumir o posto desde seu nascimento.

O Príncipe Cruel é Cardan, filho mais novo, arrogante e encrenqueiro nato – o que o afasta mais e mais da linha de sucessão. O que mais o irrita é Jude não se deixa abalar por suas brincadeiras. Ele tem seu séquito de amigos – Valerian, Nicasia e Locke Taryn procura ficar invisível, sem chamar atenção para si, mas Jude quer se tornar cavaleira, então ela treina muito, mas claro que nem mesmo seu pai postiço acredita na capacidade dela. Até que ela recebe uma proposta difícil de recusar… e acaba se envolvendo em tramoias políticas que podem levar a uma guerra furtiva pela coroa.

Quem já leu os livros da Cassandra Clare ou da Sarah J. Mass já está acostumado com os seres feéricos, e justamente por gostar muito desses seres que acabei conhecendo o mundo da Holly Black, com a leitura de O Canto mais escuro da Floresta. E, mesmo sendo estórias independentes, temos dois personagens que vão aparecer em O Príncipe Cruel. No início da estória, a trama parece bem juvenil, com adolescentes sendo adolescentes: aquelas brincadeiras bem sem noção, com humilhações públicas bem grotescas. Mas, quando estamos bem à vontade na estória, a trama começa a tomar rumos bem diferentes, e a coisa deixa de ficar tão pueril…

“Se eu não posso ser melhor que eles, vou me tornar algo muito pior.”

Livro O Príncipe Cruel – Holly Black

Jude é uma personagem muito interessante. Começa o livro vendo seus pais sendo assassinados, e tendo de ser feliz junto à nova família. Por tudo o que viveu, odeia tudo o que os feéricos representam, mas ao mesmo tempo tem uma vontade de se afirmar perante todos e, acima de tudo, com seu padrasto. Todas as humilhações que ela enfrenta acabam fortalecendo-a, e faz com que ela tenha objetivos muito claros.

Através de Jude que desenvolvemos a relação com Cardan. Ele acaba sendo uma incógnita, pois faz questão de passar a imagem de um ser sombrio e maléfico, com um posicionamento difícil de decifrar. Que é cruel, sim, mas avançando na estória vamos percebendo nuances do príncipe, chegando ao ponto de entender como sua criação o tornou tão mesquinho. E captar essa nuance deixa o personagem mais fascinante.

“Mas do que tudo, eu te odeio porque penso em você. Com frequência. É nojento e eu não consigo parar.”

Livros Holly Black

Madoc, o assassino dos pais de Jude, acaba se transformando em uma figura paterna, moldando seu caráter, e é uma relação muito conflituosa que vai deixar marcas. Taryn… ai, que vontade de entrar no livro e dar um grito. Ela se faz de invisível, mas tem seus planos e ambições, que acabam surpreendendo no final. Mas eu gostei mesmo da relação de ódio entre Jude e Cardan. Eles estão todo o tempo pensando em como derrubar o outro – e a gente sabe bem como isso deve acabar. Mas Holly Black talvez tenha outros planos para esses dois. Ou não?! Fato é que são um casal que tem faísca, sim. Quando estão juntos em cena, fiquei como aquele jargão: vou soltando o ar que não sabia que estava prendendo…

Mas, se até aqui a estória ia num crescendo, de repente é acontecimento atrás de acontecimento. São tantas reviravoltas – e todas bem vindas, que de fato eleva a estória num patamar surpreendente. O final é eletrizante, e só correndo para ler O Rei Perverso, que foi lançado recentemente, para acalmar os ânimos.

O Príncipe Cruel é indicado para quem gosta do gênero fantasia, com personagens femininas fortes, mapas – eu adoro, relações e personagens com múltiplas camadas e que com certeza vai te deixar querendo mais.

_____________________________________________________________________________________________________________

O PRÍNCIPE CRUEL - HOLLY BLACK

Serie: Povo do ar Livro
01 – O príncipe cruel
02 – O rei perverso
Autor:  Holly Black
Ano: 2018
Páginas: 320
Editora:  Galera Record
Gênero:  Fantasia
Adicione a sua lista Skoob
Compre pelo nosso link da AMAZON