O Irlandês é o novo longa que leva o nome do renomadíssimo diretor Martin Scorsese. Esse, que é muito conhecido por ser muito fã do neorrealismo italiano. Que também é o diretor vivo com mais indicações na história do Oscar. Hoje vamos conversar sobre esse filme que reuniu 10 indicações no The Academy Awards, ou simplesmente, The Oscars – premiação mais importante do cinema americano.

Com um roteiro fantástico e às atuações marcantes, O Irlandês alia em um mesmo longa os atores Robert De Niro, Al Pacino, e Joe Pesci, em toda sua expressão. O filme também alcançou 96% de avaliações positivas no Rotten Tomatoes. Mesmo com mais de 3h de duração, o alcance de usuários que assistiram ao filme completo na Netflix logo em sua semana de estreia foi expressivo. O que levou a plataforma de streaming até a divulgar os números. Coisa que a mesma não tem o costume de fazer.

A organização de críticos dos Estados Unidos da América, a National Board of Review Annual Awards, condecorou O Irlandês como o melhor filme do ano. Scorsese levou anos para fazer O Irlandês, o filme mais longo de sua carreira – e também o mais caro. O motivo de terem sido gastos tantos milhões de dólares, tem a ver principalmente com os custos com a tecnologia visual de rejuvenescimento dos atores. E foi a Netflix quem topou essa ousadia que era dar vida a O Irlandês.

O Irlandês é um filme que foi baseado no livro “I Heard You Paint Houses” (Charles Brandt). Conheceremos Frank Sheeran (Robert De Niro), um veterano de guerra – muito condecorado. Mais tarde viria a se tornar líder sindical. Porém, ele divide sua vida desempenhando duas funções: caminhoneiro e assassino de aluguel (o queridinho da máfia). E se tem algo que gosto em livros e filmes é uma história contada a partir de lembranças. Assim se dá aqui! Sheeran narra – bem envelhecido, em uma casa de repouso e sentado em sua cadeira de rodas – como foram alguns de seus trabalhos como mercenário.

Sheeran foi muito íntimo da família Bufalino, e amigo do líder sindical Jimmy Hoffa, vivido por Al Pacino. Lembrando que essa história tem toques baseados na vida real, aonde Sheeran, anteriormente, veio realmente a confessar (pouco antes de sua morte) ter sido o autor do assassinato de Hoffa. Esse importante dirigente sindical, com ligações com a máfia, foi dado como desaparecido em 1975, e declarado morto em 1982 (seu corpo nunca foi encontrado). Sheeran, no caso, se torna uma espécie de guarda costas de Hoffa, e suas famílias são bem próximas.

Retomando, Russell Bufalino (Joe Pesci) é o chefe da família, que eventualmente ‘descobre’ Sheeran. Ademais, passa a contratá-lo para diversos serviços de mercenário. Esse desempenho de Sheeran ficou conhecido como “pintar casas”, ou seja, ele era o ‘garoto’ que assassinava os desafetos da família Bufalino. Russel, meio que inesperadamente, se torna mentor de Sheeran durante todo esse processo de desenvolvimento do caminhoneiro no meio mafioso.

UM LINDO DIA NA VIZINHANÇA | ALERTA OSCAR

 

A ideia de rejuvenescer os atores para que não houvesse necessidade de troca de atores posteriormente, foi realmente uma boa jogada. Mas, sabemos que muito cara. Eu gostei porque já temos no nosso imaginário – até de forma saudosista – esses rostos tão conhecidos ao longo dos anos. Ressaltando aqui que em O Irlandês foi a primeira vez que Pacino e Scorsese trabalham juntos, mesmo já se conhecendo desde meados dos anos 70.

O Irlandês é um filme primordialmente triste, violento, que retrata o desgaste das relações familiares também, quando o trabalho de “pintar casas” se coloca em primeiro lugar na vida de um homem. Existem situações engraçadas, outras inusitadas. E eu achei muito interessante durante as cenas, aparecer um adendo como tal personagem foi morto ao longo de sua existência.

São, sobretudo, 3h e meia de história sim. Mas, são 3h29m que você não se arrepende de ter gasto presenciando mais uma obra prima da história cinematográfica. Finalizo aqui recomendando essa experiência para aqueles fãs de filmes que envolvem a máfia. Também para aqueles que gostam de biografias, que se aventuram por longas adaptados, e para os fãs de O Poderoso Chefão – Sim! Por que não?

HISTÓRIA DE UM CASAMENTO | ALERTA OSCAR

 

Algumas curiosidades:

  • Produzido pelo custo de 175 milhões de dólares (cerca de R$ 600 milhões);
  • A dobradinha entre Scorsese e De Niro não acontece há mais de 20 anos;
  • O Irlandês teve uma estreia limitada nos cinemas – para concorrer ao Oscar, por regras da Academia, um filme tem que ser exibido nos cinemas por um mínimo de 7 dias consecutivos;
  • A Netflix anunciou que a audiência de O Irlandês foi de 26,4 milhões em sua primeira semana em streaming;
  • Joe Pesci saiu de sua aposentadoria para viver Russell Bufalino. Foram mais de 50 pedidos até a afirmativa do ator.

 

 

Data de lançamento: 14 de novembro de 2019 (Brasil)
Elenco: Robert De Niro, Al Pacino, Joe Pesci, Harvey Keitel
Duração: 3h 29min
Gênero: Suspense, Biografia, Adaptação Literária
Disponível: Netflix
Direção: Martin Scorsese
Produção: Robert De Niro, Martin Scorsese, Randall Emmett, Jane Rosenthal, Emma Tillinger Koskoff, Troy Allen