Maria Do Caritó teve uma sessão especial para convidados na noite do dia 24 de outubro (quinta-feira passada), onde tivemos o privilégio de contar com a presença da dupla Lília Cabral e Leopoldo Pacheco. Além de podermos fazer fotos tietando os atores que demonstraram muita simpatia com o público, também pudemos descobrir um pouco mais sobre os detalhes da produção do filme, dos locais das filmagens e da emoção de trazer essa obra dos teatros ao cinema.

Como peça homônima, de Newton Moreno, Maria do Caritó ficou 5 anos nos teatros. O longa nos apresenta a protagonista vivida por Lília Cabral (Divã), de nome Maria, e que às vésperas de completar 50 anos, ainda sonha com um príncipe encantado. Lembram daquele filme Nunca Fui Beijada? Pois bem! É a história de vida da Maria. Ela nunca pôde ser tocada por nenhum homem. Desconhece os prazeres e as dores do amor. Seu sonho então é desencalhar e desaparecer da tal cidadezinha do interior.

Maria conta com uma grande aliada, uma amiga, de nome Fininha interpretada pela atriz Kelzy Ecard, que a todo tempo está a seu lado (ou à sua janela) buscando modos e maneiras de que a solteirona conheça um garboso rapaz para lhe tirar dessa vida de devota. O motivo de Maria do Caritó não conhecer o amor, é por conta de seu pai, muito devoto, ter lhe oferecido como noiva de São Djalminha ainda em seu nascimento. Isso, caso a menina vingasse. Pois a mãe morreu no parto.

Segundo Maria “fazer promessa com a cabaça dos outros é fácil”. Todos rimos! O filme retrata um humor interiorano, coisa típica de cidadezinhas pequenas e cheias de modismo. Nada ofensivo, nada tratado com chacota. O neologismo presente em quase todo diálogo é motivo de risadas, mas também de uma sensação de carinho por aquele povo da cidadezinha da Maria do Caritó.

“Eu até brincava que era uma injustiça colocar o santo de cabeça para baixo e, quanto mais a gente judiasse dele, menos coisa boa a gente conseguiria. Eu acreditava que quanto mais acarinhasse o santo mais rápido atingiríamos nossos pedidos.” ~ Lília Cabral

Maria aparentemente virou a santa local no boca a boca da população da cidadezinha. Sua transpiração excessiva (pela menopausa estar chegando, ou pelo “fogo embaixo das saias”) é vendida por seu pai como elixir milagreiro. Temos uma crítica não velada à exploração da fé dos mais humildes tanto pela igreja católica, quanto pelo pai da santinha. Mas, Maria do Caritó sempre anuncia que não faz milagre, que o que faz os “milagres” acontecerem é a fé do povo. Ela não quer ser santa. E no filme certamente conheceremos algumas de suas peripécias para não ser confinada em um mosteiro pelo resto da vida.

Acreditem se quiser, Maria do Caritó, com título de santa pela boca do povo, vai parar até embaixo das lonas de um circo itinerante em busca de seu verdadeiro amor. Cenas vividas durante seu contato com o pessoal do circo foram os pontos altos do filme pra mim. Ali senti pena, senti compaixão, ri com ela e ri dela. Um misto de sensações. Mas, me conte se você for assistir ao filme o que você achou do “pout-pourri do amor”. Faço questão de saber!

Maria do Caritó

Quem é fã de Ariano Suassuna com seu O Alto da Compadecida, contudo poderá sentir um quentinho no coração. E caso constasse Los Hermanos na trilha sonora, eu teria jurado que me lembrava também ao filme Lisbela e o Prisioneiro. Ah, por falar em trilha sonora, a escolha para o longa foi perfeita. Situa a gente completamente ao local que se passa a história. Nos faz querer dançar lá nas nossas cadeiras numeradas.

Maria do Caritó
Porém, o que acontece nesse enredo todo e como Maria terminará sua busca por um amor verdadeiro, eu deixarei para que vocês descubram quando assistirem esse divertidíssimo e bem produzido filme nacional. Contudo, deixo um alerta. As coisas nem sempre seguem o caminho que a gente pensa, embora o que quer que nossa mente deseje, somos pegos com as calças nas mãos. E em suma, no fim das contas, todas aplaudimos Maria no fim da exibição.

CURIOSIDADE:

Uma das definições para Caritó no dicionário é: prateleira ou nicho rústico nas paredes das casas sertanejas; isso, tipicamente no nordeste brasileiro.

Aqui, na nossa história, o significado é relativo à mulher que não se casou. Ela então se conserva “virgem” ou “intocada”, na prateleira do esquecimento.

______________________________________________________________________________________________________________

Maria do Caritó

 

Data de lançamento: 31 de outubro de 2019
Duração: 1h 34min
Direção: João Paulo Jabur
Elenco: Lília Cabral, Leopoldo Pacheco, Gustavo Vaz, Juliana Carneiro da Cunha
Gênero: Comédia, Nacional
Distribuidora: Imagem Filmes