DORAMAS

LOVE ALARM, UM DORAMA MUITO BLACK MIRROR | KDRAMA

03 dezembro, 2019 por

LOVE ALARM KDRAMA

Kdrama Love Alarm foi lançado em Agosto de 2019 sob o selo oficial da Netflix e é a primeira série original coreana produzida pela empresa. O anúncio foi feito em 2017 e, inicialmente, o drama seria composto de 12 episódios, contrários aos comuns 16 episódios. Baseada em uma webtoon de mesmo título, Love Alarm é da famosa artista coreana Chon KyeYoung e retrata uma realidade alternativa em que todos os sentimentos são expostos através de um aplicativo que se conecta ao coração do usuário: o Love Alarm. 

Produzida por grandes nomes do entretenimento na Coréia, o objetivo era claro: “Queremos que a série ‘Love Alarm’ mostre as verdadeiras emoções através de efeitos visuais que reflitam a visão da Chon quando criou a história”. E, claramente, eles não erraram. Pode ter demorado um pouco para sair, já que foi inicialmente anunciada em janeiro de 2017 e veio ao ar apenas em Agosto de 2019. Mas a demora, com certeza, valeu a pena! 

(Já vou deixar aqui um pequeno alerta de que esse texto pode conter spoilers!)

Passando para a história, somos apresentados a nossos três protagonistas: Kim JoJo (Kim SoHyun), Hwan SunOh (Song Kang) e Lee HyeYong (Jung GaRam). Song Kang, inclusive, participou de um dorama que já falamos aqui: Lovely Love Lie. SoHyun e GaRam atuaram em outros doramas, também, como Radio Romance, School 2015, The Heirs e Mistress. E todos os três entregam uma atuação muito boa. E como vocês com certeza já deduziram, sim, vamos acompanhar um triângulo amoroso. 

JoJo é uma garota simpática e doce. A série apresenta sua vida aos poucos e, inicialmente, tudo o que podemos concluir é: não tem sido fácil para ela. Logo de cara, percebemos que JoJo perdeu os pais e que ela guarda um segredo. Com o desenvolver do dorama, entendemos que é um segredo obscuro e que molda uma parte do seu presente. E apesar de tudo, ela consegue se manter otimista, trabalha muito (muito mesmo) e não desiste de seus sonhos. 

SunOh é filho de uma atriz famosa, trabalhou como modelo e sua família é rica e muito disfuncional. HyeYong é, desde muito pequeno, seu melhor amigo. A mãe de HyeYong trabalha para a família de SunOh e, por isso, eles moram na mesma casa. Ao retornar dos Estados Unidos, SunOh vai procurar o melhor amigo e acaba passando por JoJo. A cena é muito bonita e podemos perceber muito claramente que faíscas voaram quando os dois se olharam. 

Talvez não exatamente como em amor à primeira vista, mas com certeza o início de um incêndio. O problema é que HyeYoung já era apaixonado pela garota há muito tempo, só que nunca falou nada. E nossos três protagonistas vivem em um mundo em que um desenvolvedor anônimo criou um aplicativo que se conecta diretamente com o coração das pessoas. Quando o Love Alarm está ligado, qualquer pessoa em um raio (circular) de 10 metros que sinta atração ou amor por você fará seu aplicativo tocar. 

É nesse ponto que as coisas ficam um pouco Black Mirror. É impossível mentir com o aplicativo e o único jeito de ocultar seus sentimentos é desativando o radar, o que impede os dois lados de saberem se alguém gosta deles. Ou seja, se você desativar o seu aplicativo, você vai ocultar seus sentimentos e, por isso, não vai saber se alguém por perto gosta de você. Pode parecer um pouco bobo, inicialmente, mas o Love Alarm começa a mudar a dinâmica dos relacionamentos. Coisas como flertar, se declarar e etc., praticamente deixam de existir. E então, obviamente, as pessoas passam a confiar mais no app do que umas nas outras. 

O app também deixa as pessoas mais vulneráveis. Ataques a mulheres se tornam mais frequentes porque foram confortadas pelo Love Alarm. Pessoas se sentem feias porque seu Love Alarm não toca, eventualmente desencadeando ondas de suicídio e suicídio coletivo. A complexidade da dinâmica de tudo isso é algo que a série expressa muito bem. Podemos ver um dos colegas de JoJo ser tratado extremamente mal por se declarar, apenas por não estar dentro dos padrões de beleza, o que eventualmente leva ao seu suicídio. 

E, apesar de tratar-se de uma história de amor, a série toca muito em temas atuais e muito importantes. De uma forma um pouco mais suave, sim, mas o faz e isso é de grande valor. Por isso muitas pessoas têm falado que Love Alarm é a Black Mirror da Coréia do Sul, o que não deixa de ser verdade quando analisamos o quadro geral desenvolvido pelo app. Além do ponto do aplicativo, o drama também trata de questões como sexualidade quando o Love Alarm das pessoas começa a tocar por pessoas do mesmo sexo. 

Claro, o assunto é problemático na Coréia do Sul, e a forma como os personagens reagem também é muito importante. Podemos, inclusive, ver um garoto praticando bullying com outro menino que fez seu Love Alarm tocar. Ele chega a bater no garoto e ameaçá-lo algumas vezes. Algumas cenas depois, o mesmo garoto faz o Love Alarm de um dos personagens principais tocar, reavivando uma polêmica discussão sobre a homofobia ser uma reação de não aceitação de si mesmo. Contudo, a reação do menino é muito mais gentil, embora ainda trate com severidade o primeiro, dizendo-lhe para parar de fazer bullying com os outros.

O drama ainda toca outros temas importantes, como relações familiares e de amizade. A vida de JoJo é complicada, como podemos ver em qualquer episódio. E ela carrega um segredo que afetou toda a família que ainda resta. Sua prima, embora estude na mesma escola que ela, tem uma inveja enorme de JoJo por achar que ela toma toda a atenção e se ressente muito por ter que dividir tudo em sua vida. Mas JoJo demonstra sempre uma bondade e gentileza tanto para com a prima quanto para com a tia. Isso sem falar de sua avó, de quem JoJo cuida sempre.

Embora aponte várias problemáticas que são comuns mesmo hoje, mesmo sem o Love Alarm, o kdrama também traz uma fotografia impecável. Fofa, colorida, com efeitos especiais bem feitos, ambientes e cenários bonitos. Os personagens são bem escritos e com uma profundidade boa, bons backgrounds e muita bagagem emocional. Dá vontade de saber mais sobre todos eles, mais sobre suas vidas, sobre a origem de suas mágoas e o desenrolar de seu crescimento. 

Conforme os episódios transcorrem, vemos o dilema entre SunOh e HyeYong quanto à JoJo. SunOh, apesar de seus problemas familiares e de ser um pouco arrogante e mimado, se mostra um menino muito doce, gentil e generoso. Mesmo quando descobre todos os segredos de JoJo, ele continua a seu lado, a apoia e percebemos que ele moveria o mundo por ela. E HyeYong, analogamente, faria o mesmo por SunOh. Dá pra notar, inclusive, que existe mais dedicação na amizade por parte de HyeYong.  Ainda assim, SunOh é adorável, fofo e carinhoso. 

Apesar de ter apenas 8 episódios, o dorama é complexo e todos os episódios trazem muitos acontecimentos. Não deixa, porém, a sensação de correria ou de acontecer rápido demais. O único ponto em que me senti assim foi na transição do tempo, achei a quebra muito súbita e até um pouco confusa. Outro ponto que me chamou a atenção é que logo no primeiro episódio temos (pasmem!) um beijo entre os protagonistas.  O que, essencialmente, demonstra que a Netflix deu um pequeno toque ocidental ao roteiro.

A trama se desenvolve de maneira mais fluida, sem se arrastar, sem aquele pudor exagerado a que estamos acostumados em um dorama. Por um lado, isso tornou a série mais envolvente. Por outro, sentimos aquela pontadinha de perda de essência da cultura. Nada que incomode muito, mas que para alguns pode fazer uma grande diferença. Embora o cliffhanger no final do episódio 8 não deixasse dúvidas de que uma parte 2 poderia estar a caminho, a segunda temporada foi confirmada pela Netflix, ainda sem data de estréia. E, decerto, eu já estou aqui louca para ver a segunda parte!

______________________________________________________________________________________________________________

Ficha Técnica:
Título: Love Alarm
Episódios: 8
Ano: 2019
Gênero: Drama, Romance
Emissora: Netflix
Onde assistir: Netflix
País: Coreia do Sul
Nota: 5/5

veja os posts relacionados

Deixe seu comentário