{ #RESENHA } O FILME PERFEITO – JODI PICOULT

06 junho, 2016 por
O Filme Perfeito / Jodi Picoult / ano 2009 / Paginas 358 / Editora Planeta

Uma amiga do trabalho disse que me emprestaria um livro e no dia seguinte me deparei com essa capa linda dentro da minha gaveta, imediatamente comecei a ler. Inicialmente temos uma lenda indígena que achei bem bonita, mas que é apenas uma introdução.  Então a história começa pra valer com Will – William Cavalo Alado e uma mulher que se apresenta como Jane “Ninguém”. Ele é um policial, descendente de índio, que acaba de chegar à cidade de Los Angeles e é surpreendido por ela, uma mulher que acorda desmemoriada em um cemitério sem ter a mínima ideia de quem seja ou como tenha ido parar ali. Se sentindo perdida e sem opções, Jane aceita ir para a casa de Will. O policial começa a se encantar pela misteriosa mulher hospedada em sua casa, mas no dia seguinte eles descobrem que Jane na verdade é Cassie Barrett esposa do famoso ator Alex Rivers.

Após ser reconhecida Cassie volta para casa com o marido, mas inicialmente com a personagem desmemoriada temos uma compreensão incompleta do relacionamento. Mais adiante o livro nos trás detalhes do inicio do romance, casamento e vida em comum do casal. Descobrimos então que Cassie vivia com um homem de mil facetas, capaz de mudar do amor para o ódio em poucos minutos. Assombrado por lembranças do passado, Alex ficava transtornado e descontava sua ira espancando Cassie. Ela por muito tempo aceitou ser agredida, mas ao descobrir que estava grávida decide deixá-lo para proteger seu filho. A história nos é entregue aos pouquinhos e quanto mais lemos, mais compreendemos o enredo e vamos obtendo respostas aos nossos questionamentos. Quais são os traumas de Alex? Por que Cassie aceita ser agredida? Para onde e como ela irá fugir? O que mais acontece entre Cassie e Will?

Narrando em terceira pessoa a autora vai nos apresentando Will, Cassie e Alex – os outros personagens são bem menos explorados – e dentro de um mesmo parágrafo existem separações. Nessas separações lemos um pouco sobre o que cada personagem está vivendo, sonhando, lembrando ou sentindo e as mudanças entre os textos são destacadas pela primeira frase em caixa alta. Dessa forma a história transita não só entre um personagem e outro, mas também entre passado e presente. Eu preferiria que a história fosse contada de forma linear, mas reconheço que essa alternância entre passado e presente fez com que o livro se transformasse em um grande quebra-cabeça que fiquei ansiosa para montar.  Para mim o final não foi o ponto alto da leitura, senti falta de algumas explicações, mesmo assim não me arrependo de ter lido, pois mexeu com minhas emoções e me levou a refletir.


O assunto violência contra a mulher é bastante complexo, mas não há razões ou explicações que façam com que eu não me sinta indignada e foi indignação que senti enquanto lia. A cada relato de agressão eu torcia por ver Cassie reagir pondo fim a tudo e sempre que não havia reação eu pensava o quanto gostaria que ela fosse menos passiva. Gosto de ler sobre experiências que não vivencio, penso que é assim que a leitura amplia meus horizontes e me tira do meu “mundinho”, mas fiquei triste ao pensar que o livro imita a vida, e que infelizmente situações similares a esse drama fictício representam a realidade de algumas mulheres. Ler o livro me fez pensar sobre o que leva a pessoa agredida a permanecer calada e continuar ao lado do agressor. Sei que os motivos são diversos, cada caso é um caso, mas agressão é crime e ninguém deveria se calar.  E você, já leu esse livro ou algum sobre o mesmo tema? Beijos!


Gostou do post? clique nas redes sociais abaixo e compartilhar com os amigos e assim você ajuda 
o blog crescer!♡! 

veja os posts relacionados

Deixe seu comentário

8 Comentários

  • Gislaine Motti
    junho 29, 2016

    Achei a temática bem forte e necessária nos tempos atuais. E realmente, é tão complexa a questão da vítima não largar o agressor que fica até difícil saber como reagiriamos no lugar da pessoa.
    Gislaine | Paraíso da Leitura

    • Nathalia Reis
      julho 14, 2016

      Forte mesmo não é Gislaine?!
      Realmente é difícil nos colocarmos no lugar
      eu por exemplo sempre penso que revidaria, que
      iria fazer e acontecer… Mas pensar é fácil né
      só sabe mesmo é quem vivencia. O livro me fez pensar
      em tudo isso! Beijo.

  • Michelle Agda
    junho 08, 2016

    'O Filme Perfeito' é um livro do qual nunca havia ouvido falar, mas me surpreendeu de tal forma que me despertou uma imensa vontade de ler. Para começar, o livro aborda um tema muito comum nos dias atuais que é a agressão contra as mulheres. Preciso ler!

    • Nathalia
      junho 13, 2016

      Olá Michelle,
      O livro é mesmo surpreendente com esse
      tema incomum nos romances literários e
      infelizmente comum nos dias atuais.
      Desejo que faça uma boa leitura! Beijo.

  • Aline Santos
    junho 07, 2016

    Uaaal Nathalia! Fiquei sem palavras com este livro!
    Mto difícil encontrar esse assuntos em livros, me chocou e ao msm tempo me prendeu atenção de uma maneira que me dxo sem palavras, só qro ler pra ontem!
    Parabéns pela resenha!
    Bjs!

    • Nathalia
      junho 07, 2016

      Oi Aline. Eu não esperava que o romance
      tomasse esse rumo. Muito me surpreendeu…
      Que bom que gostou da resenha. Obrigada!
      Beijo.

  • Joice Novaes
    junho 06, 2016

    Nossa, esse livro parece ser bem forte! Sinto que essa temática iria me prender muito, porque infelizmente vivenciei coisas assim em casa durante muito tempo. Quero muito ler pra saber o que levou ela a nunca revidar!
    Ótima resenha, ficou muito bem elaborada e deu muita vontade de ler <3
    Beijos!
    http://livrosamoremais.blogspot.com.br/

    • Nathalia
      junho 06, 2016

      Olá Joice, boa tarde,
      Particularmente achei sim bem forte. Embora
      a narração da violência não seja exacerbada
      a ponto de nos chocar a própria
      palavra espancamento por si só já soa pesada aos
      meus ouvidos e por isso foi impossível ficar
      indiferente ao drama da personagem.

      Fico feliz em saber que gostou da resenha e
      caso venha a ler espero que traga reflexões.Beijo.