Quem nunca escolheu um livro pela capa, que atire a primeira pedra! Atualmente, romance não é meu gênero preferido. Porém, foi inevitável não me interessar por “Esta e Todas as Vidas”, lançamento nacional da editora Astral Cultural. Primeiro, claro, por sua linda edição, mas também pela promessa de uma história sensível e mística.

Antares Letícia é uma jovem de 18 anos que acabou de terminar o Ensino Médio. Sempre morou em São Tomé das Letras, no interior de Minas Gerais, e ama a vida que tem. Juntamente com sua grande amiga de infância, Flor de Lis, tem o sonho de criar uma agência de turismo local.

Os pais de ambas as garotas se esforçam para que elas se preocupem com o vestibular, mas no momento elas tem toda a atenção voltada para o trabalho como guia local. Estão colocando em prática o projeto da empresa “Flor de Antares”. E é acompanhando um grupo de turistas paulistas que Antares irá conhecer Bruno Romão. Sério, carrancudo, ele desperta nela um sentimento de lembrança. Mas de onde seria? E por que parece que está acontecendo o mesmo com ele?

“Eu gostaria de mais uma vez poder falar sobre o quanto era importante para a cidade o negócio de turismo que Flor e eu estávamos construindo, dizer que não queria deixar o lugar em que nasci e cresci, que minha vida toda estava ali. Amava São Tomé das Letras e absolutamente tudo nela. “

O livro é muito bonito e tocante de várias maneiras. A começar pelo cenário da bela São Tomé das Letras, muito famosa pelo turismo ecológico, esotérico e místico. Eu, enquanto mineira, me senti muito orgulhosa e representada pelas belezas descritas. E confesso que a princípio o regionalismo me incomodou um pouco, mas foi uma questão de costume apenas. O uso está muito correto.

Como um bom romance, a identificação com casal principal é imediata. O fortalecimento da história dos dois é gradativo e emocionante. Ainda assim, temos um diferencial especial: descobrir pouco a pouco como a história dos dois se ligou no passado. Temos acesso a um trecho de uma outra história a cada novo capítulo. E não são trechos aleatórios, são sonhos da personagem principal. Ou seja, vamos acompanhando com ela a reorganização dos sonhos que sempre a atormentaram e agora possuem um rosto.

“Para piorar, conforme as chamas dançavam em seu rosto, ele ia se tornando mais e mais familiar para mim… Era uma sensação estranha, confusa, principalmente pela melancolia me apertando o peito e que não fazia qualquer sentido. “

Eu já disse anteriormente que romance não é o gênero que tenho lido com frequência, mas isso não quer dizer que não tenha lido vários. Algumas coisas do estilo já me desagradaram pelo caminho, mas confesso que tive uma leitura muito interessante e prazerosa com “Estas e Todas as Vidas”. Algumas situações clichês como “a mocinha que tropeça do nada” e “o mocinho exageradamente superprotetor”, estão presentes, mas nada que comprometa a leitura.

Existe um ponto delicado que gostaria de abordar, um ponto para reflexão e cuidado. Existe uma passagem bem rápida no livro que chamou bastante minha atenção. Nela, uma jovem rica e esnobe da cidade se refere a Flor de Lis com termos pejorativos e racistas. A reação da protagonista é imediata, porém seu par romântico e a própria amiga se assustam com a reação da garota e pedem que ela “deixe para lá, pois a outra está fora de si”.

” – Você acha que pode ver minha alma se eu tirar os óculos?
Bruno, então, lentamente, levou as mãos ao rosto e os retirou. Desviei o olhar imediatamente para o chão sem saber por quê.
– Diga, Antares. Você pode ver a minha alma?”

ESTA E TODAS AS VIDAS - ANNE MARCK

Entendo a posição da autora em querer mostrar uma postura superior da protagonista, e como esta ficou mais madura ao encontrar Bruno Romão e conhecer mais de sua própria vida e dons. Mas, sinceramente, não achei um bom exemplo, o confronto poderia ser outro. Antares se culpa e se envergonha de sua reação nos momentos seguintes. Não quero passar uma ideia de problematização desnecessária a vocês, porém racismo é crime e vou sempre defender a posição de enfrentamento mediante ao silêncio.

Enfim, a escrita da autora Anne Marck é leve, fluida e faz com que você sinta Antares Letícia. Toda a complexidade de sua história de amor frente ao desconhecido encanta e sensibiliza. Encontrar, descobrir, lutar e viver, são barreiras que este casal precisa vencer e eu duvido que ao final de Esta e Todas as Vidas você não tenha duas certezas: 1- Que história linda! 2- Preciso conhecer São Tomé das Letras!

“- Três dias atrás acho que eu era outra pessoa.
– O que mudou?
– Eu te conheci.”

______________________________________________________________________________________________________________

Titulo: Esta e todas as vidas
Autora: Anne Marck
Ano: 2019
Páginas: 288
Editora: Astral Cultural
Gênero: Literatura Brasileira, Romance, Jovem Adulto
Onde comprar: Amazon
Adicione a sua lista do Skoob