Distribuidora: Warner Bros. | Estreia: 18/05/2017 | Orçamento: U$ 175 milhões | Gênero: Ação, Aventura, Medieval, Fantasia | Duração: 02h:06


“De Ninguém a Rei!”
Acontece esta semana a estreia de mais uma versão da história do famoso Rei Arthur, desta vez com a direção de Guy Ritchie. Colecionando grandes sucessos (e também grandes fracassos), muito provavelmente você já assistiu um dos filmes dele: Sherlock Holmes 1 e 2, Revolver, Destino Insólito, Snatch: Porcos e Diamantes, O Agente da U.N.C.L.E.

Rei Arthur – A Lenda da Espada” conta a história de uma época em que homens e magos viviam em paz, até que o poderoso Murdred quebrou este equilíbrio. Marchando contra a última terra da qual ainda não tinha domínio, Camelot, ele foi de encontro ao Rei Uther Pendragon (Eric Bana) que, com o uso de sua espada Excalibur forjada de forma especial, derrotou o mago. No entanto, após essa vitória o Rei Uther sofreu uma traição em sua própria família, vinda de seu irmão Vortigem (Jude Law), e isso culminou em sua morte, a de sua esposa, o sumiço de seu filho e de sua espada.
Anos se passaram e o Rei Vortigem, estabeleceu seu reino através do medo, opressão e pagando o preço necessário para se manter no poder, enquanto do outro lado da cidade o jovem Arthur (Charlie Hunnam) crescia em um prostíbulo em meio a todas as dificuldades e violência da região precária. O destino os colocará cara a cara quando, ao tentar retirar a espada do local em que está presa, Arthur tem sucesso e a partir daí passa a ser alvo de seu tio ambicioso.
A primeira impressão que gostaria de repassar é: QUE EFEITOS! Os efeitos especiais em som e imagem foram muito bem trabalhados neste filme. A alternância entre som e vácuo, cenas rápidas e em câmera lenta destacando os detalhes, fotografia, posicionamento das câmeras e trilha sonora (escutem a música do trailer!) resultou em um conjunto de tirar o fôlego, digno do estilo de ação medieval. Assisti em 3D, o que fez toda a diferença, e acredito que se fosse IMAX daria para surtar. O filme conta com ótimas sequências de lutas e batalhas sendo um destaque a abertura com a batalha de Murdred, a ótima sequência do crescimento de Arthur e a batalha final (claro!).
Sobre a história, foi uma abordagem bem interessante e até inovadora, mas isso sem ultrapassar a linha da estranheza. Após inúmeros trabalhos envolvendo Camelot, geralmente focados em Rei Arthur, Morgana, Guinevere e Lancelot, este filme vem em contrapartida contar sua versão da história focada na criação da espada Excalibur, seu uso desde o Rei Uther e o processo de ascensão e treinamento do seu herdeiro perdido. Sem a pretensão de apresentar um modelo de ética e sabedoria nato, Arthur é um jovem arrogante, atrevido e completamente movido por suas emoções. Outro fato interessante sobre a apresentação do personagem é como seu figurino foi calculado para diferenciá-lo dos demais em todas as cenas. Desde sua primeira aparição, enquanto todos usam roupas escuras, simples, sujas e/ou até rasgadas, Arthur se destaca em tons claros e modelos um pouco mais trabalhados, lhe dando certo ar de realeza ou falsa elegância desde o princípio.
No elenco do filme acontece um desfile de nomes famosos que fazem um bom trabalho individual e em grupo, a começar por Charlie Hunnam (o lindíssimo ator também conhecido por seu papel em Sons of Anarchy, e por sua recusa em interpretar Christian Grey na franquia 50 Tons de Cinza) que entrega um perfeito Rei Arthur em todos os sentidos. Temos também Jude Law (dispensa apresentações), Eric Bana, Djimon Hounsou, Aidan Gillen (o Petyr Baelish de Game of Thrones), Michael McElhatton (Roose Bolton de Game of Thrones) e até mesmo uma curta participação do ex-jogador David Beckham. A atriz Astrid Bergès-Frisbey (a sereia Syrena em Piratas do Caribe) interpreta a maga que ajuda o grupo de Arthur e, apesar das poucas oportunidades de diálogo e atuação, gera um bom trabalho no papel da misteriosa personagem que fica com sua identidade em aberto (seria ela uma representação de Morgana?!).
Como resultado de um perceptível e coeso trabalho de roteiro, elenco e produção, “Rei Arthur – A Lenda da Espada” é uma excelente opção para os fãs das histórias dos cavaleiros da Távola Redonda e filmes medievais de ação e aventura.