CRÍTICA DE ESTREIA | ENTRE IRMÃS 2017

11 outubro, 2017 por
Filme: Entre Irmãs  | Distribuidora: Sony Pictures Estreia: 12/10/2017 Gênero: Drama |  Gênero Nacionalidade: Brasil |  Duração: 2h 40min

Chega aos cinemas dia 12/10/2017 o filme Entre Irmãs do diretor Breno Silveira (2 Filhos de Francisco, Gonzaga, de Pai pra Filho), com os atores Marjorie Estiano (O Tempo e o Vento), Nanda Costa (Gonzaga, de Pai pra Filho), Rômulo Estrela (Além do Tempo), Júlio Machado (Hoje Eu Quero Voltar Sozinho), entre outros. Confesso que não conheço todos pois não assisto novelas e nem muitos filmes nacionais mas para quem assiste é fácil reconhecer tais atores.

Baseado no livro “A Costureira e o Cangaceiro” de Frances de Pontes Peebles, o filme conta sobre a vida de duas irmãs, Luzia (Nanda Costa) e Emília (Marjorie Estiano), que moram com a tia Sofia no nordeste brasileiro na década de 30. A história tem início com as duas irmãs ainda crianças brincando, onde Luzia é a mais espoleta, e Emília a irmã “certinha”. Após um acidente ocorrido na infância, ocasionado por Emília, Luzia passa a conviver com uma deficiência no braço. Os anos se passam e as duas moças ainda moram com sua tia Sofia, no sertão nordestino. Temos Luzia convivendo com vergonha de sua deficiência e Emília sonhando com o príncipe encantado para abandonar a vida sofrida do sertão e se mudar para capital.

Certo dia surge o bando do cangaceiro conhecido como Carcará (Júlio Machado), ao mesmo tempo em que Emília encontra um rapaz, Degas (Rômulo Estrela), fica logo interessada e o interesse parece ser mútuo. Esse seria o ponto de separação na vida das irmãs, vamos acompanhar a vida de Luzia junto ao bando de cangaceiros com quem ela irá morar por vontade própria, vivendo assim as dificuldades, sofrimentos e alegrias dessa vida, e de Emília que após se casar com Degas, vai morar na capital e dar início a tão sonhada vida que deseja.

Luzia é relativamente feliz ao lado do Carcará, mas a vida no cangaço não é nada fácil já que o cangaceiro e seu bando estão sendo caçados pela polícia e por um político. Emília não está sendo tão feliz quanto imaginava que seria, seu marido sempre ausente não tem cumprido seu papel de esposo para com ela, o que a deixa bem chateada e intrigada. Em determinado momento da história ela descobre o porquê dessa ausência.

Pela fotografia dá para perceber nitidamente a troca dos cenários alternando entre a capital e o sertão. As atuações ficaram muito boas, Nanda Costa (Luzia), uma mulher forte, de fibra, decidida e corajosa mas que teme o futuro lhe reserva. Marjorie Estiano, (Emília) é mais sensível, inocente e cheia de romantismo. Júlio Macho (Carcará) nos mostra que até mesmo um cangaceiro pode ter um lado cruel e um lado bondoso. Rômulo Estrela (Degas) mesmo não tendo um papel de muito destaque, exerce bem seu papel mostrando a paixão que move seu personagem em busca de felicidade.

Mesmo o filme sendo bem longo, deu pra entender um pouco da história do povo sofrido do sertão e do cangaço. Vemos nitidamente o contraste entre a capital (rica) e o sertão (pobre), que foram muito bem retratados. Não precisaria ser tão longo, poderia ser menor, porém, como retrataram muitos detalhes da época fez com que ficasse extenso.

A trilha sonora alterna entre o barulho da máquina de costura, percussão e violino retratando a ausência de fala dos personagens. Em alguns momentos usam o som de metralhadoras que é bem perturbador, pois nos causa bastante tensão, principalmente nas cenas passadas no cangaço.

Uma coisa que me fez pensar nesse filme foi sobre a história de amor de um casal homossexual. Nesses tempos de cura gay, determinadas cenas do filme nos fazem parar pra pensar como algumas pessoas ainda pensam que ser homossexual é uma doença e que, para isso, a pessoa em questão deve ser internada para que receba tratamento, o que acontece numa cena do filme com um dos personagens. Isso me fez pensar em muito da nossa atualidade.

Confesso que não fui esperando nada do filme, mas me fez pensar bastante também sobre o laço entre as irmãs, porque no começo do filme a tia fala para as duas moças quando elas estão tirando sarro uma com a outra: “A única pessoa que você pode contar no mundo é com sua irmã” e no final o que aconteceu foi isso, Luzia só pôde contar com Emília.

Não sou muito fã de filmes nacionais mas esse me fez repensar sobre o conceito que tenho a respeito deles, porque pra mim filme nacional ainda é visto muito como pornochanchada e não como algo que contém história, por isso ainda tenho um certo preconceito. O final foi agradável, pois deu um tapa de luva em determinado personagem do qual tomei birra desde que apareceu pela primeira vez em cena. Sinceramente, queria que um final diferente do que foi, mas devido aos acontecimentos ele foi até satisfatório.

Se você for o tipo de pessoa que gosta de se emocionar, porque confesso que chorei em certas cenas do filme, e gosta de saber sobre a história do povo nordestino, recomendo que assista, vale a pena pela lição que ele nos passa, tanto sobre valorizar o laço entre irmãos quanto sobre temas que algumas pessoas julgam saber demais e na verdade não dominam…

veja os posts relacionados

Deixe seu comentário

33 Comentários

  • Jois Duarte
    outubro 29, 2017

    Marjorie Estiano é uma artista completa. Uma que vive com relativo conforto, mas não é feliz, e a outra que vive perigosamente e é feliz. É contraditório e por isso interessante.

    • Raquel Carvalho
      novembro 01, 2017

      Ei Jois!
      A história das duas é bem interessante e o laço que as une também. Ver que mesmo distantes e em mundos diferentes no fim uma pode contar com a outra foi muito interessante e emocionante também.
      Obrigada pelo comentário.

  • Nicole Longhi
    outubro 23, 2017

    Amei a crítica!
    Também não sou de assistir filmes nacionais, mas é bom ver que estamos crescendo bastante nessa área.
    Parece ser uma trama emocionante, e com um bom elenco.
    Estou interessada em ler livro antes.

    beijos

    • Raquel Carvalho
      novembro 01, 2017

      Oi Nicole!
      Fico feliz por você ter gostado!!
      A trama é bem interessante e nos emociona, estou ansiosa para ler o livro e saber o que fizeram de diferente ou não no filme.
      Obrigada pelo comentário.

  • Ketherine Gomes
    outubro 15, 2017

    Parabéns, amei a resenha.
    Estava com receio de assistir por não curtir também muito filme nacional. Mais a vontade de ver e conhecer o livro estão aqui maiores.

    • Raquel Carvalho
      novembro 01, 2017

      Ei Keth!!
      Obrigada por ter gostado da resenha fico feliz com isso!
      Confesso que estava receosa também, mas me surpreendi e no fim acabei gostando do filme. O livro já está na lista para ser comprado e lido..
      Obrigada pelo comentário.

  • Stephanny Manini
    outubro 13, 2017

    Oi,
    Com certeza irei assistir esse filme pois sempre dou um chance aos nacionais, já assistir vários bons e quem sabe esse me surpreende também, o trailer me chamou muita atenção então bem provável irei assistir.

    • Raquel Carvalho
      novembro 01, 2017

      Ei Stephanny!
      Eu não sou de assistir nacionais haha
      Mas deste gostei muito sai do cinema pensando em muitas coisas.
      Você chegou a assistir? Gostou?
      Obrigada pelo comentário!

  • Herica Lima
    outubro 12, 2017

    Não gostei muito da trama. Para falar a verdade não gosto de filmes que se passam no sertão ou essas coisas, sempre acho muito chato.
    Porém sempre é bom ver filmes nacionais.
    O filme parece ser bem triste em alguns aspectos.

    https://twitter.com/Of_Watson/status/918528699959529472

    • Raquel Carvalho
      novembro 01, 2017

      Oi Herica!
      Eu gosto de saber sobre a história do povo brasileiro nas várias regiões do nosso vasto país, não sou de assistir filmes nacionais assisto mais documentários. Mas deste filme eu gostei. Em alguns aspectos o filme é sim triste, mas essas partes nos fazem parar pra pensar, gosto desse tipo de coisa.
      Obrigada pelo comentário.

  • Samanta Samy
    outubro 12, 2017

    Temos ótimos filmes nacionais, três dos meus filmes preferidos são brasileiros, além de termos ótimos atores e atrizes.
    Assisti ao trailer e fiquei extremamente interessada, o elenco está show!
    Quero muito ler o livro, mas acho que não vou conseguir esperar e vou ver o filme logo rs.

    Divulgação no Twitter: https://twitter.com/SamyACS/status/918288527078674433

    • Raquel Carvalho
      novembro 01, 2017

      Oi Samanta!
      Eu ainda tenho receio com filmes nacionais, é como eu disse na resenha, tenho preconceito ainda mas quem sabe um dia eu tomo gosto por eles?
      Também quero ler o livro fiquei curiosa pra saber se o destino das irmãs é o mesmo do filme e se o fim é o mesmo.
      Obrigada pelo comentário.

  • pamela mendes
    outubro 12, 2017

    Eu já tinha visto o trailer desse filme e tinha ficado interessada. Confesso que também não assisto muitos filmes nacionais e nem novelas, a única atriz que conheço do elenco é a Marjorie Estiano, mas gostei de saber que a atuação de todos está boa. Eu achei bem interessante a premissa do livro, realmente parece ser uma história bem triste, e acho que também vou me emocionar um pouco. Estou querendo ver esse filme, mas não sei se vejo no cinema ou espero sair em dvd…
    Bjss ^^

    Divulgação: https://www.facebook.com/pamela.mendes.39395/posts/865880946922602

    • Raquel Carvalho
      novembro 01, 2017

      Ei Pamela!
      Eu só conheço a Marjorie por causa de Malhação e a Nanda por conta de alguma novela que minha irmã assistiu, sou uma negação não consigo gostar de novela… hahaha
      A história faz a gente ficar emocionada em certas partes se puder assista sim, creio que irá gostar e se emocionar.
      Obrigada pelo comentário.

  • Carol Campos
    outubro 12, 2017

    Do elenco só reconheci a Marjorie Estiano pois, lembro dela em Malhação quando tinha a Vagabanda, kk (Época que acompanhava o que rolava na TV com relação a novelas) mas, após ver as fotos reconheci a outra atriz que tem o papel de ser sua irmã… enfim, não é meu tipo de filme, mas, gostei da ligação entre irmãs, ter alguém em que realmente possa contar, no mais, vou deixar passar a indicação…

    https://twitter.com/CaarolForbes/status/918285113410183168

    • Raquel Carvalho
      novembro 01, 2017

      Oi Carol!
      Também só reconheci essas duas atrizes, você não está sozinha nessa hahaha
      É muito interessante a ligação entre elas.
      Talvez num futuro você assista e goste.
      Obrigada pelo comentário.

  • RUDYNALVA
    outubro 12, 2017

    Raquel!
    Primeiro fico bem feliz que tenha mudado sua opinião sobre os filmes nacionais, porque nos últimos anos temos muitos filmes bons.
    E fica ainda mais feliz que esse filme esteja fazendo com que repense sua opinião, porque é muito bom ver a história do nosso nordeste e do cangaço, ser retratada de forma tão lírica em um filme e ainda trazer assuntos bem relevantes como o homossexualismo e a questão do amor familiar.
    Quero assistir com toda certeza.
    “Não há nada que faça um homem suspeitar tanto como o fato de saber pouco.” (Francis Bacon)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE OUTUBRO 3 livros, 3 ganhadores, participem.

    https://plus.google.com/u/0/+marlenecancei%C3%A7ao/posts/b5kyFr3tk5U

    • Raquel Carvalho
      novembro 01, 2017

      Oi Rudynalda!
      Tá vendo! Aos poucos minha opinião pode mudar é só dar uma chance não é mesmo? Até eu me surpreendi com o tanto que esse filmes me fez pensar sobre certos assuntos tratados na trama. O filme retratou bem a história do povo nordestino, mostrando o contraste entre o cangaço e a capital.
      Obrigada pelo comentário.

  • Marlene Conceição
    outubro 12, 2017

    Oi Raquel.
    Eu não sabia que essa obra tinha sido adaptada para o cinema, conhece a premissa através do lançamento da arqueiro desse mês.
    A história me chamou bastante a atenção, principalmente pelo fato de que uma tem a outra para contar, independente das adversidades, enfim fiquei feliz que curtiu o filme.

    Divulgação: https://plus.google.com/+marlenecanceiçao/posts/b5kyFr3tk5U

    • Raquel Carvalho
      novembro 01, 2017

      Oi Marlene!
      Eu não sabia que sobre o livro, só havia visto a respeito do filme, fiquei com vontade de ler.
      Hoje em dia não vemos famílias unidas ou mesmo irmãos unidos tanto na vida real e na ficção. E elas mesmo tendo ficado tanto tempo distantes uma da outra, no fim o laço entre elas falou mais alto do que a condição de cada uma. Gostei da lição que o filme passou a respeito disso.
      Obrigada pelo comentário.

  • Isabela Carvalho
    outubro 11, 2017

    Oi Raquel 😉
    Vi a propagando desse filme hoje mais cedo, e não tinha me interessado tanto. Não é meu tipo de filme, mas acho que como você, se fosse ver iria sair do cinema surpresa.
    Gosto das atuações da Marjorie Estiano, acho ela uma ótima atriz e gostei do trailer. O filme parece abordar temas bem complexos e que precisam ser discutidos, e deve ser lindo esse laço mostrado entre as irmãs. Obrigada pela indicação *-*
    Bjos

    Divulgação: https://www.facebook.com/isabelacarvalho.isabela/posts/1526686214079358

    • Raquel Carvalho
      novembro 01, 2017

      Oi Isabela!
      Confesso que sai da sala de cinema com a cabeça a mil, pois nunca pensei que um filme nacional pudesse me emocionar e me fazer pensar tanto sobre certas coisas. Os temas abordados no filme são bem complexos e merecem ser discutidos com certeza.
      Fico feliz que tenha gostado da indicação.
      Obrigada pelo comentário.

  • Maria Alves
    outubro 11, 2017

    Geralmente os filmes nacionais que assisto são de comédias e são poucos, mas fiquei curiosa com esse por tratar da vida difícil do nordeste, essa comparação do nordeste e capital da para se ter uma boa ideia das dificuldades que o povo sofre. Impressionante como alguém pode achar que ser gay é doença af.

    • Raquel Carvalho
      novembro 01, 2017

      Olá Maria!
      Confesso que raramente assisto filmes nacionais, nem as comédias eu assisto rs
      Mas essa história chamou minha atenção por se passar no nordeste e por tratar de dois cenários tão diferentes, pois quando se fala em nordeste pensamos logo na pobreza e não paramos pra pensar que lá também existem os ricos que não se importam com os pobres e vivem suas vidas como se eles não existissem ou fossem a vistos como lixo pela sociedade abastada.
      Quando vejo ou leio pessoas tratando homossexualidade como doença, percebo que nem todos são tão instruídos, cultos ou mesmo "inteligentes" como se dizem, doente é quem acha que o outro diferente por suas escolhas.
      Obrigada pelo comentário.

  • Gislaine Lopes
    outubro 11, 2017

    Oi Raquél,
    O cinema nacional tem feito muitas apostas nos últimos anos e até que tenho ficado interessada em alguns longas. Entre irmãs é o tipo de drama que gosto de acompanhar, pois explora as relações familiares nos bons e maus momentos. O interessante desta história é ver como as dificuldades do sertão afeta cada uma e como elas irão atrás de um futuro diferente. A Luzia é bem corajosa, pois ir com os cangaceiros e viver esta vida regada de perigo não é para qualquer um. Achei a fotografia está bem bonita e contraste entre cenários é bem nítido, deixando claro como a vida das protagonistas passará por grandes mudanças.

    Twitter: https://twitter.com/GisahSLopes/status/918237435963768832

    • Raquel Carvalho
      novembro 01, 2017

      Oi Gislaine!
      Luzia foi super corajosa e foi um personagem que me surpreendeu, Emília também no final me deixou com cara de tacho, porque confesso que não gostava da personagem dela rs
      As duas encontram dificuldades no decorrer de filme e conseguiram tirar lições valiosas disso. Gostei muito do filme.
      Obrigada pelo comentário.

  • Yasmim Ingrid
    outubro 11, 2017

    quando ouvimos falar de filme nacional costumamos a ficar com um certo "preconceito", mas eu com certeza vou ir assistir esse filme.

    • Raquel Carvalho
      novembro 01, 2017

      Oi Yasmim!
      Realmente ainda temos muito pé atrás com nosso cinema. Mas espero que isso mude pois pelo pouco que já assisti parece que esse preconceito que temos, pode ser que diminua um pouco.
      Obrigada pelo comentário.

  • Marta Izabel
    outubro 11, 2017

    Oi, Raquel!!
    Não sou tão fã assim do cinema nacional. Mas estou bem entusiasmada com essa produção. Gosto muito da atriz Marjorie Estiano e sempre acompanho seus trabalhos desde Malhação. Então, quando vi o trailer desse filme cai de amores pela estória dessas duas irmãs!! Adorei a indicação do filme é espero não ficar tão emocionada assim com essa estória.
    Bjoss
    https://mobile.twitter.com/Martaizabeln/statu/s918201635205206017

    • Raquel Carvalho
      novembro 01, 2017

      Oi Marta!
      Eu fui sem saber nada sobre esse filme e confesso que gostei, me emocionei em certas cenas, não tem como isso não acontecer por causa da emoção que é transmitida pelos personagens…
      Obrigada pelo comentário.

  • Jessica Borges
    outubro 11, 2017

    Olá! Gostei muito da resenha, pois também acho que o cinema nacional ainda é visto como piada, principalmente pelos próprios brasileiros. Confesso que o que mais gosto no cinema nacional ( tirando as comédias, que para mim, são todas ruins) é a forma de representar o povo, que é belíssima. As histórias são simples e complexas ao mesmo tempo e eu adoro isso. Bjos!

    Twitter: https://twitter.com/Jeje__Borges/status/918167386108448769

    • Raquel Carvalho
      outubro 31, 2017

      Oi Jessica!
      Eu tenho muito preconceito com filmes nacionais como disse na minha resenha, mas estou tentando mudar isso. Os poucos filmes que assisti estão fazendo com que eu mude um pouco a opinião que tenho sobre nosso cinema. Mas dessa história eu gostei, porque representa uma parte do povo brasileiro numa história simples e que nos faz refletir.
      Obrigada pelo comentário.