FILMES

BRINQUEDO ASSASSINO | CRÍTICA

22 agosto, 2019 por

Brinquedo Assassino (Child’s Play) me pegou desprevenida. Mais uma vez eu cheguei à sessão sem ter lido a respeito do filme. Não é ‘pouco caso’ não… Certamente é que eu realmente gosto de ir bem clean ao cinema. Spoiler não é comigo, e algumas sinopses entregam muito da história. Eu prefiro esperar o filme mesmo pra saber tudo de uma vez.

Entretanto, ledo engano pensar – eu pensei – que Brinquedo Assassino seria um remake da história de “seu irmão mais velho”. A ideia original não foi aproveitada. Nesse filme que estreia dia 22 de agosto de 2019, o diretor Lars Klevberg usou e abusou de referências, bem como de críticas ao mundo moderno e toda sua tecnologia.

Chucky não é mais um assassino serial que habita o corpo antes inanimado de um boneco e brinquedo. Antigamente, Chucky estava louco para encontrar um novo corpo humano para transferir sua alma através da prática do voodoo, e é essa a motivação do então antigo Brinquedo Assassino. O boneco tornou-se uma figura importante do terror e da cultura pop, isso desde o fim da década de 80.

Na verdade, vejo nessa nova roupagem de Brinquedo Assassino um renascimento para a franquia do macabro boneco que manipula facas e aciona serras elétricas – ou seja, este é um reboot. Ah, Chucky é dublado pelo ator Mark Hamill (Luke Skywalker), e você pode pegar uma referência e uma brincadeira a respeito de Star Wars nos momentos após o boneco chegar à sua nova residência.

Tanto a mãe Karen (Aubrey Plaza), quanto o filho Andy (Gabriel Bateman), têm os mesmos nomes da franquia que teve início nos últimos anos da década de 80. Mas, as coincidências ou referências param por aí. Nesse novo formato de Brinquedo Assassino acompanhamos no início do longa, um trabalhador extremamente desgostoso da vida por ser humilhado e maltratado. Para se vingar, em um chip interno do boneco que recebe as configurações de comportamento do brinquedo, o cara desconfigura tudo!

Com essa “brecha” tecnológica é bem fácil e óbvio entender as críticas nada veladas a respeito do consumismo desenfreado. Também da nossa dependência tecnológica que é muito real na atualidade. Em Brinquedo Assassino tudo é conectado – online. Os comandos dos aparelhos domésticos, dos brinquedos, da iluminação e da ‘play list’ das músicas, tudo está conectado a um sistema. Alguns comandos por voz, outros direcionados através de aplicativo no próprio celular. Nada muito improvável!

Então Karen, a mãe solteira, trabalha em uma loja de departamentos. Ela teve a brilhante ideia de levar pra casa um boneco Buddi que foi devolvido por estar com defeito. Seu filho Andy é retraído, tem uma deficiência auditiva e ainda não se adaptou depois da mudança. Enfim, de forma bastante óbvia, logo percebemos que esse boneco é o mesmo que recebeu o chip reconfigurado lá na fábrica. Ou seja… Ele não tem bloqueio/censura para violência ou palavras chulas, digamos assim.

O ponto chave é que esse novo boneco Buddi é configurado para reconhecimento facial e ser leal ao seu “melhor amigo”. Então, no momento que Andy abre o pacote de presente que sua mãe lhe deu de aniversário adiantado, o boneco vai sendo configurado para aquilo que virou uma relação obsessiva com o menino. Algo digno de um relacionamento super-extra-mega tóxico! E Andy vai percebendo paulatinamente que Chuck – o nome que o boneco auto escolheu pra si – não é muito normal (claro, por isso foi devolvido à loja).

A vingança a quem perturba Andy ou tenta ser um amigo mais próximo do pré-adolescente começa de forma mais leve. Primeiro eram sustos e troças que o próprio menino se divertia ao ver Chucky pregá-lo. Só que sabemos que a evolução da violência irá aumentando conforme Chuck vai percebendo quão chateado Andy fica com alguém. Também é muito perigoso quando Chucky sente que sua amizade com o garoto está sendo ameaçada.

Preciso dizer, antes que alguém me pergunte, que sim… Eu achei o boneco muito estranho. Muito artificial. O rosto dele é totalmente irreal. Mas, acredito que era isso que era almejado. E combinou demais aquele boneco todo moderníssimo buscando formas estoicas de eliminar seus adversários diretos.

CRÍTICA | HISTÓRIAS ASSUSTADORAS PARA CONTAR NO ESCURO

Eu sou uma pessoa que gosta muito de filme de terror. Mas, também não tenho aquele critério rígido dequem busca história no roteiro como se fosse para um filme de drama, por exemplo. Acredito que dentro da linha e gênero que se propõe, Brinquedo Assassino foi muito interessante. Com seu estilo de fazer humor em algumas partes, com algumas cenas meio gore, e com um elenco que foi bastante feliz em suas interpretações… Eu gostei bastante da experiência! Confesso que esperava um filme beeemmm ruim.

Ressalto aqui, para finalizar, que amei o jovem Gabriel Bateman. Ele me lembrou de dois atores quando crianças. Na verdade, uma mistura deles dois… O Tyler Posey (Teen Wolf) e o Josh Hutcherson (Ponte para Terabítia). Achei ele uma graça. Fez o papel do menino enjeitado por ser portador de uma deficiência, como também por ser novo em um novo lugar, muito bem. Suas reações lidando com Chuck também foram ótimas. O garoto pode ser promissor. Torço por isso!


Concluindo, para você que cresceu nos anos 90, para você que gosta de filmes de terror com uma dose de nostalgia, ou para você que está curioso para saber o que fizeram com o boneco Chuck neste reboot, recomendo que se dirija às salas de cinema da sua cidade. Você terá 90 minutos de diversão.

__________________________________________________________________________________________________________________

 

 

Data de lançamento: 22 de agosto de 2019
Duração: 1h 30m
Estrelando: Aubrey Plaza, Gabriel Bateman, Brian Tyree Henry
Direção: Lars Klevberg
Roteiro: Tyler Burton Smith
Gênero: Horror
Produtoras: Orion Pictures, Bron Studios, KatzSmith Productions
Ano: 2019

 

veja os posts relacionados

Deixe seu comentário

36 Comentários

  • Lorena
    setembro 17, 2019

    Olá!

    Também gosto bastante de filmes de terror mas confesso que esse filme não me animou de forma alguma, talvez seja porque eu prefira outro tipo de medo hahaha, mas gostei da sua crítica e como você se surpreendeu com ele.

    • Carol Nery
      Carol Nery
      setembro 17, 2019

      Lorena, eu também não queria ver não. Mas, surgiu a chance, e olha… me diverti! hhahahaa
      Abraços

  • Ana Paula Drumond
    setembro 07, 2019

    E quem nao queria um Chuck pra chamar de seu??? Sei la viu…achei estranho. Sou mais o antigo…esse novo Chuck nem dá medo. Nao ficou com cara de boneco q a gente quer porque quer ter um haha
    Mas enfim…depois da sua resenha vou assistir

    • Carol Nery
      Carol Nery
      setembro 11, 2019

      OBA! Assiste e me conta. Eu achei interessante a pegada da tecnologia.
      Beijão, amiga

  • Fernando
    setembro 06, 2019

    É estranho ver o Chuchy com essa cara. Para quem cresceu nos anos 90 e acompanhou os outros filmes, ver esta nova roupagem é um pouco estranho, mas viva a tecnologia. O enredo com algo mais tecnológico parece ser acertado.

    • Carol Nery
      Carol Nery
      setembro 11, 2019

      Eu achei estranho no começo, e depois acostumei. Porque gostei dessa proposta a respeito da tecnologia.
      Nós sabemos que nossos meninos não iriam se encantar por um Chucky com um serial killer encarnado. Eles querem saber de wi-fi, de tecnologia. hehehehee

  • Regiane
    setembro 06, 2019

    Nossa eu quando ouvi falar esse filme achei que seria nos moldes do antigo. Mas achei super interessante essa roupagem nova, usando tecnologia. Achei acertado, vivemos num mundo tecnológico e creio que atraiu o público dessa geração.

    • Carol Nery
      Carol Nery
      setembro 11, 2019

      Concordo. Essa roupagem cai bem com a época. As crianças de hoje em dia já saem do útero com curso de TI. Eles dominam a internet e tudo o mais. hahahha Meus filhos são geneozinhos. Não iriam topar um brinquedo assassino com encarnação do mal hahahaha

  • Michelle Russo
    setembro 06, 2019

    Olá tudo bem? Adorei seu post de opinião, eu nunca fui muito fã desses filmes não sei se teria coragem de ir assistir, se me lembro vi apenas um na época e não quis mais!

    • Carol Nery
      Carol Nery
      setembro 11, 2019

      Te entendo, Michelle. Eu gostei de ter ido ver. Mas, quando lançou, até pensei que não iria animar. hahahaa
      Foi divertido no fim das contas. Abraços

  • Rayanni Kellsin
    setembro 03, 2019

    Olá, tudo bem? Mesmo lendo tantas criticas ao filme eu estou com muita vontade de assistir, por conta deste toque nostálgico! Adorei as suas impressões sobre o filme.
    Um beijo.

    • Carol Nery
      Carol Nery
      setembro 05, 2019

      A nostalgia quase sempre ganha a gente. Mesmo se… a gente se arrepender depois! hahahhaa
      Beijão

  • Paloma
    setembro 02, 2019

    Interessante saber sua opiniao sobre o filme. Realmente o boneco é bem artificial..kkkk Enfim, via muito filme de terror antes, mas agora nao faz muito meu genero.
    Bjus,
    Monólogo de Julieta

    • Carol Nery
      Carol Nery
      setembro 05, 2019

      Eu sempre gostei. É interessante essa questão de gosto, né? Tem gente que não ver terror/horror por nada no mundo!!!
      Beijão

  • Marijleite
    agosto 30, 2019

    Oi, eu só vi um dos filmes mais recentes da série, amei saber um pouquinho do que rola nesse novo filme, achei interessante trazer toda a questão tecnológica. Já fiquei curiosa para assistir também.

    • Carol Nery
      Carol Nery
      setembro 05, 2019

      Legal, Mari! Quem sabe você não se divirta também. Eu gostei bastante da experiência…
      Abraços

  • Luna
    agosto 30, 2019

    Quando eu era bem pequena, devia ter uns sete anos, assistia Brinquedo Assassino, deitada no chão da sala, com um cobertor no rosto.kkkkkkkkkkk… Toda vez que passava uma cena que eu considerava violenta, eu fechava os olhos e colocava o cobertor no rosto. Depois que o filme terminava, eu deitava na cama e me cobria por inteiro, não deixando sequer o dedinho do pé descoberto, pois achava que assim poderia me esconder do Chucky. Depois que eu cresci algo mudou? De modo algum! Continuo tendo pavor de filmes assim. Já não gosto de terror, mas quando envolve brinquedos ou tem tom sobrenatural eu fico com mais pânico ainda. Assim, não irei assistir essa espécie de remake da história original.

    Gostei de saber que o filme traz uma crítica ao excesso de consumo e como a tecnologia nos tornou dependentes dela. Confesso que não sou muito fã de tanta tecnologia e até mesmo do meu celular eu me “desconecto” por várias horas no dia.

    Bjs!

    • Carol Nery
      Carol Nery
      setembro 05, 2019

      Luna, com mil perdões, eu ri muito da sua história! hahahaha Ainda mais que ontem fomos na pré estreia de It, parte 2 e uma amiga que morre de medo de palhaços, tampou o rosto em todas as cenas que o maledeto poderia aparecer. hahahaha Pensa no feeling da moça. No fim, acho que ela tava quase dormindo… Foi bem divertido.
      Grande beijo

  • Aninha Goulart
    agosto 28, 2019

    Oiiii,

    Olha eu jurava que seria só um remake mesmooooo do clássico. Achei a perspectiva das críticas interessantes, mas sinceramente não é meu tipo de filme. Eu não sou fã de filmes de terror, então eu passo a dica, mesmo tendo ficado curiosa com as críticas ao consumismo.

    Beijinhos…
    http://www.equipenerd.com.br

    • Carol Nery
      Carol Nery
      agosto 29, 2019

      Oi Ana! Entendo sua curiosidade, mas também entendo sua falta de afinidade com o gênero!
      Tem porque passar por isso não, né? Outras oportunidades de ir ao cinema virão!!! hahahaha
      Beijocas

  • Simeia da Silva
    agosto 28, 2019

    Mulher, quero muuuito assistir a esse filme e fazer a comparação com o verdadeiro da minha época, hahahaha., Mas vou esperar ele chegar na Netflix e assistir com a galera toda em casa, morro de medo e no telão daquele tamanho não vai rolar, hahaha

    • Carol Nery
      Carol Nery
      agosto 29, 2019

      Eu te entendo. Às vezes ando pegando uns filmes no cinema que dá vontade de sair correndo. Aquela telona, aquele som alto… hahahaha Assustador!

  • Greice Negrini
    agosto 26, 2019

    Nossa, se você achou o boneco estranho imagina eu, já chorava só de ganhar o boneco. Isso que eu acho que estraga um pouco, porque o antigo pelo menos era mais original. Claro que tem que aperfeiçoar enredo, mas não precisa maltratar o desempenho da saga.

    • Carol Nery
      Carol Nery
      agosto 29, 2019

      Greice, eu acho que foi proposital essa mudança no boneco. No filme anterior o Chucky era possuído por uma alma humana, né? Nesse ele é só um brinquedo mesmo.
      Abração

  • No Conforto dos Livros
    agosto 26, 2019

    Olá!! 🙂

    Eu confesso que nao conhecia este filme ainda, mas achei otimo que tenhas gostado de assistir! E que tenhas partilhado a tua opiniao!

    Contudo, nao obstantes os elogios e a diversao, acho que nao sou o publico alvo, porque nao sou nem dos a nos 90, nem gosto particularmente de terror.

    Boas leituras!! 😉
    no-conforto-dos-livros.webnode.com

    • Carol Nery
      Carol Nery
      agosto 29, 2019

      Isso aí, se não és público alvo desse tipo de filme, é bom passar longe mesmo. hahahhaa
      Tem gente que dá uma chance e até se diverte, mas quando não te agrada de forma nenhuma, é melhor deixar pra lá mesmo. Abraços

  • Malu
    agosto 26, 2019

    Nem sabia que está para sair um remake desse clássico do cinema. O antigo Brinquedo Assassino me tirou o sono por tanto tempo… Agora, adulta, dá vontade de conferir este novo filme, será que vai rolar pesadelos de novo?
    Parabéns pela resenha!

    • Carol Nery
      Carol Nery
      agosto 29, 2019

      Malu, o Brinquedo Assassino figurava entre nossos medos da infância, né? Eu sempre gostei de filmes de terror. Mas, hoje em dia eu mais me divirto do que assusto realmente. hahahaha
      Abração

  • Eduardo Moretti
    agosto 25, 2019

    Estou bem relutante em assistir tbm o remake por esses motivos. O boneco esta mto estranho, ñ se compara ao original e não gosto mto de remakes. A maioria só decepciona.

    • Carol Nery
      Carol Nery
      agosto 29, 2019

      Mas, é uma história nova, né? Então não tem aquele clima de “mudaram isso ou aquilo”. Só dando uma chance mesmo pra entender. Eu me diverti!! hehehee
      Abração

  • Blog Dois Pernods
    agosto 25, 2019

    Tão bom ler uma crítica inteligente… Sobre o Brinquedo Assassino… Realmente é muito estranho o boneco. Não assistiria. Nuca gostei do filme.

    • Carol Nery
      Carol Nery
      agosto 29, 2019

      Ah, obrigada pelo elogio. Mas, é assim mesmo… se não é um gênero que te atrai, tem nem que passar perto mesmo. hahahaa Abraços

  • Márcia schorn
    agosto 25, 2019

    Olá , acho também muito estranho o boneco assassino. Não curto terror , nunca assisto nada no gênero.

    • Carol Nery
      Carol Nery
      agosto 29, 2019

      Eu já gosto muito de terror, Márcia. Porém, esses estilos assim me divertem mais do que assustam!!!
      Acho que o próprio ser humano e suas maldades já me assustam mais que qualquer filme. hahahaha

  • Joana Darc
    agosto 25, 2019

    oi!
    Eu não sou fã de remake e por isso eu ainda não assisti o Brinquedo Assassino e o boneco é muito feio… Mas gostei da sua resenha e vou dar uma chance ao filme 😉

    • Carol Nery
      Carol Nery
      agosto 29, 2019

      Como é uma história nova, deu pra dar uma divertida mesmo. Quem sabe não vale a pena, Joana?
      Abraços