Filme: Bright | Distribuidora: Netflix | Estreia: 22/12/2017 | Gênero: Fantasia, Suspense Ação | Duração: 1h58min | Orçamento: USD 90 milhões

Em 22 de dezembro estreou na Netflix o filme “Bright”, do diretor americano David Ayer (Esquadrão Suicida) com os atores Will Smith (Esquadrão Suicida), Joel Edgerton (Ao Cair da Noite), Lucy Fry (Wolf Creek), Noomi Rapace(Alien Covenant), Édgar Ramírez (A Garota no Trem), Enrique Murciano(Bloodline) entre outros…

No mundo futurista, seres humanos terão de conviver harmonicamente com orcs ou ogros, elfos e fadas. Porém esse tipo de convivência não será assim tão fácil… Os elfos são vistos como a dita “elite”, os orcs como a mão de obra ou os marginalizados/rebeldes e até mesmo seres malignos, as fadas… Ah as fadas, não pensem nelas como seres lindos como as que aparecem nos filmes e desenhos da Disney, elas são seres encrenqueiros e feios, muito feios… hahaha.

A trama tem seu início quando o policial Ward (Will Smith) é designado a ter como parceiro um orc, chamado Nick Jakoby (Joel Edgerton). Ninguém no departamento de polícia está feliz com essa parceria, porém é uma regra que veio da chefia para um tipo de integração entre as espécies. E para piorar a situação de Nick, acontece um incidente que causa mais raiva contra ele e muita desconfiança sobre ele ter dito a verdade ou não sobre o ocorrido, já que os orcs são membros de um clã e todos são vistos como seres nada confiáveis. Durante uma ronda de trabalho, essa dupla atende a um chamado e é ai que a história começa…

Eles atendem a um chamado num bairro meio barra pesada, lá chegando se deparam com uma bela recepção, só que não… Quando entram no local para investigar, dão de cara com uma cena um tanto quanto estranha em relação aos corpos e encontram uma mulher chamada Tikka (Lucy Fry) que está de posse de um artefato muito valioso capaz de realizar os maiores sonhos de quem o possuir. Ela está tentando fazer com que tal artefato não caia nas mãos erradas. Nick consegue conversar com ela na linguagem dos elfos e explica para Ward a importância de proteger tal artefato.

Nesse meio tempo, Ward chama reforços, mas… O que dizer da polícia? Como sempre existem as laranjas podres que querem tirar vantagem de tudo, ainda mais por saberem da lenda desse tal artefato. É tanta gente atrás do objeto, que no fim até eu tava querendo ter ele pra ajeitar minha vida, hahaha.

Sobre os atores adorei as interpretações, Will eu amo desde Bad Boys, Joel Edgerton, eu de imediato não o reconheci como Nick, só nos créditos finais quando li o nome dele, mas o tempo todo fiquei “as feições dele não me são estranhas”. Noomi sempre será pra mim uma atriz com cara de má, mas gosto muitos dela, já a Lucy Fry eu não conhecia mas gostei da personagem dela, determinada a proteger o artefato a todo custo. A fotografia ficou muito boa, nos mostra Los Angeles nesse mundo futurista, uma cidade dividida entre a parte bonita e bem cuidada habitada pelos elfos, a parte não menos favorecida habitada pelos orcs e a parte dos humanos, que foi retratada como sempre é nos filmes, sem alterações, pelo menos ao meu ver.

A trilha sonora ficou por conta de Junkie XL (Liga da Justiça) e Dave Sardy (Monster Trucks), achei a escolha dos dois muito boa, até vou procurar a playlist do filme para ouvir. Nos faz interagir com o filme e isso eu acho ótimo. A maquiagem e figurino foram outro ponto que gostei, principalmente a parte da maquiagem, os orcs ficaram perfeitos, as fadas também, os elfos com uma beleza…

Achei algumas curiosidades sobre o filme:

– O filme já foi visto por 11 milhões de usuários nos Estados Unidos nos primeiros três dias de lançamento, 21, 22 e 23 de dezembro.

– Joel teve que usar uma máscara sintética que pesava cerca de três quilos para poder viver o orc. E essa máscara nunca parecia de mentira, porque tudo que ele fazia, as expressões no rosto.

Se você curte ação, suspense, fantasia e dos atores acima citados, vai gostar muito desse filme! Vale a pena conferir!!

 

Essa matéria foi escrita por Raquel Carvalho enquanto ainda era colunista do Coisas de Mineira