Distribuidora: Universal Pictures | Estreia: 31/08/2017 | Gênero: Ação, Espionagem | Duração: 1h55 | Orçamento: $30 milhões

 

Semana passada teve estréia no cinema para os amantes do filme de ação. “Atômica”, estrelado por Charlize Theron (que tem no currículo produções como “Mad Max: Estrada da Fúria”, “O Caçador e a Rainha do Gelo” e “Prometheus”), se passa na Berlim de 1989, ano em que o mundo ainda enfrentava a Guerra Fria e em que um muro dividia a cidade alemã em oriental e ocidental.
Charlize interpreta Lorraine Broughton, uma agente do MI6 que recebe a missão de investigar o assassinato de um colega na cidade. Seu contato em Berlim é David Percival (James MacAvoy), chefe de localidade que está infiltrado há algum tempo. Além das investigação, Lorraine também tem que recuperar uma lista de agentes duplos que o governo britânico deseja.
O longa é baseado na graphic novel, escrita por Antony Johnston e ilustrada por Sam Hart, “Atômica: a cidade mais fria” lançado no Brasil em setembro pela editora Dark Side Books.

Atômica” já começa nos apresentando a agente em uma banheira com o corpo cheio de hematomas. Logo, descobrimos que a história irá se passar por meio de flashback, enquanto a agente conta em depoimento o que aconteceu em Berlim.
O longa possui cenas de ação bem elaboradas e não deixa nada a desejar para o trailer, entregando tudo o que ele promete e até um pouco mais. Lorraine é aquela agente durona que em cima do salto acaba com várias pessoas ao mesmo tempo. Uma coisa boa para a representatividade feminina, como mulher forte, guerreira e inteligente.
O estilo da personagem me lembrou muito a outra mulher forte das telonas: Beatrix Kiddo, conhecida como “A Noiva”, interpretada por Uma Thurman no clássico Kill Bill de Tarantino. Assim como Lorraine, Beatrix acabava com várias pessoas ao mesmo tempo com cenas impressionantes de ação.
Outro aspecto semelhante a este filme, foi o detalhe do sangue, que não chegou a jorrar como no clássico mas foi bem expressivo. Um detalhe bom de “Atômica”, foi o respiro para o espectador entre as cenas de ação e a sala de interrogatório tranquila, onde a cena volta para o presente quando Lorraine está contando a história.
O contexto histórico, com a montagem da fotografia, figurino, maquiagem (o realismo dos hematomas foi incrível) e até mesmo trilha sonora (que teve clássicos do anos 80 como “Sweet Dreams” da dupla britânica Eurythmics e “Under Pressure” da banda Queen feat David Bowie), conseguiu familiarizar o espectador no que aquelas pessoas viveram naquela época, dias antes do muro de Berlim cair.
Com um final excelente e cheio de reviravoltas, o longa certamente é uma ótima opção para ver nas telonas. Uma curiosidade do filme é que Charlize, quase não usou dublê e encarou treinos pesados para viver a personagem. James McAvoy, tem em seu currículo personagens como Charles Xavier, nos filmes X-Men: Primeira Classe, Apocalipse e Dias de um Futuro Esquecido.
O diretor David Leitch também trabalhou a frente de grandes produções como “De Volta ao Jogo”, e “Atômica” deixa uma boa sensação para os seus próximos trabalho, como o segundo filme de Deadpool.

O blog Coisas de Mineira levou sete de seus leitores para a pré-estreia do filme dia 29, terça-feira, na sala do Shopping Boulevard, e vou deixar aqui abaixo a opinião de alguns deles para tornar a crítica ainda mais real:

“Atômica é um filme de ação, com uma dose de humor impossível de não gostar. Uma fotografia maravilhosa e uma trilha sonora recheada apenas por sucessos dos anos 80 que, particularmente amei! Charlize Theron maravilhosa, da um baile de atuação juntamente com James McAvoy. Adorei o filme do começo ao fim. Espero que tenha um retorno às  telonas. ” 
Carol Campos
 
“O filme tem o tipo de história que te faz questionar quem é o vilão é quem é o mocinho. Pois nem sempre as coisas são como aparentam. Algumas cenas do filme me lembraram Kill Bill e Os Oito Odiados do Tarantino. Gostei muito, pois sou fã de filmes de ação e curti muito a história do filme.”

 

Raquel Carvalho