FILMES

AS VANTAGENS DE SER INVISÍVEL – STEPHEN CHBOSKY

29 junho, 2020 por

AS VANTAGENS DE SER INVISÍVEL – STEPHEN CHBOSKY

As Vantagens de Ser Invisível (The Perks of Being a Wallflower) é todo sobre Charlie. Sabemos que nos Estados Unidos (e em qualquer escola) existem aquelas pessoas “populares”, conhecidas, e que todos gostariam de fazer parte de algum grupo com eles. Conforme logo perceberemos, Charlie não é popular. Ele é calouro do ensino médio, e passa o livro escrevendo cartas.

Antes de mais nada, a respeito do título original: Um wallflower é alguém com um tipo de personalidade introvertida que participará de festas e reuniões sociais, mas geralmente se distancia da multidão e evita ativamente estar no centro das atenções. (Tradução Livre – Wikipedia En)

Charlie é um adolescente muito tímido, mas, logo perceberemos que ele tem algum tipo de transtorno ou bloqueio em sua psique. E essa ponta não ficará solta! Chbosky nos entrega, sobretudo, um Charlie que escreve suas cartas para um “amigo”, alguém inominável, que facilmente podemos nos colocar no lugar deste destinatário. E isso é muito legal.

Essas cartas são um tipo de diário, onde através delas, Charlie se apresenta, fala sobre si, sobre as pessoas que conhece, e sobre quem ama. Portanto, é através dessas cartas que veremos a história toda acontecer. E tenho certeza que se você se deixar envolver com os dramas e as subtramas vividas pelos protagonistas, se sentirá muito bem após essa leitura. Esse livro é de certa forma bastante libertador.

“Não há nada como a respiração profunda depois de dar uma gargalhada. Nada no mundo se compara à barriga dolorida pelas razões certas.”

No decorrer da trama Charlie conhecerá dois adolescentes que o aceitam em seu meio. Eles são Patrick e Sam. Mesmo começando a frequentar algumas festas, a namorar uma das garotas dessa nova turma, e desenvolvendo mais esse seu lado que tem a ver com a escrita e com a música, Charlie ainda não se sente à vontade em dizer não. Ele não sabe, ele não consegue frustrar os outros.

Nessa história, que se passa no princípio dos anos 90, teremos noção de como os adolescentes buscavam formas de serem enxergados, de fazer parte de algo, e mesmo esse livro tendo sido publicado pela primeira vez em 1999, as coisas não estão tão diferentes assim. Contudo, o que mais impressiona nessa leitura é seu poder de nos conectar a ela e de ser atual.

Acredito que em As Vantagens de Ser Invisível o leitor aprende muito a ser tolerante, a olhar o outro com olhos diferentes. É ideal estar com a mente livre de pré-conceitos, para que se possa desenvolver a empatia inegavelmente necessária para compreender os caminhos tortuosos das personagens. E também para entender a busca frenética por liberdade e autoconhecimento.

STEPHEN CHBOSKY

“Nós aceitamos o amor que achamos que merecemos.”

Em As Vantagens de Ser Invisível teremos a abordagem de muitos temas polêmicos e até contraditórios. Chbosky falará abertamente sobre abuso doméstico, suicídio, uso de drogas, abuso sexual, homossexualidade, doença mental e aborto. E fica aqui o nosso aviso para pessoas que possam ter algum tipo de gatilho acionado a respeito dos temas referidos acima.

Analogamente, caso algum pai/mãe seja mais criterioso a respeito das leituras de seus filhos, também ressalto que existe uma miscelânea de palavreados mais pesados, uso de drogas, e cenas de sexo. E que a censura de cada um a respeito desses temas para leitores mais jovens deve ser feita individualmente.

Provavelmente essa leitura falará diretamente com o público adolescente. Porquanto eles podem estar vivenciando as mesmas situações, ou bem parecidas, com o enredo que Chbosky apresenta em As Vantagens de Ser Invisível. Não há momento melhor do mundo para descobrir-se quem se é, e a que lugar se pertence. A adolescência é o começo do que iremos realmente viver.

AS VANTAGENS DE SER INVISÍVEL

“Mas agora nós estamos vivos. E nesse momento, eu juro. Nós somos infinitos.”

Por sua ode à maturidade, alguns leitores consideram As Vantagens de Ser Invisível comparativo ao famoso clássico O Apanhador no Campo de Centeio. Por todas essas questões surpreendentemente relacionadas uma nova perspectiva na visão de um jovem adolescente. Como importa e como contam suas escolhas para sua própria vida.

Concluindo enfim, a recomendação de idade para leitura dessa obra costuma ser para adolescentes acima dos 15 anos. Em uma edição simples, brochura, e com a capa verde estrelada com as personagens do filme homônimo, esse é o tipo de livro que dá vontade de reler (e se emocionar) de tempos em tempos. Deixo como dica essa leitura, bem como sua adaptação cinematográfica que não deixa a desejar.

Essa é a força dos escritos de Chbosky. Ele cria a voz de Charlie de uma maneira que desafia o contexto. Charlie está dentro de todo adolescente solitário e todo adulto se lembra dele com carinho. As Vantagens de Ser Invisível é um presente, e a Stephan Chbosky sempre serei grato. ~ Nic (Tradução Livre)

________________________________________________________________________________________________________________

Autor: Stephen Chbosky
Ano: 2012
Páginas: 224
Nota no Skoob: 5/5 
Editora: Rocco Jovens Leitores
Gêneros: Infantojuvenil, Jovem adulto,Literatura Estrangeira, Romance
Adicione a sua lista do Skoob
Compre usando nosso link da Amazon

veja os posts relacionados

Deixe seu comentário

15 Comentários

  • Cibele
    julho 06, 2020

    Olá!
    Eu tenho muita vontade de ler esse livro, mas ainda não tive a oportunidade. Eu ainda não assisti o filme, pois prefiro ler antes de assistir. Rsrs
    Gosto muito de leituras que abordam temas polêmicos, pois sempre aprendo bastante e acabo tendo novas visões sobre determinado assunto.
    “Nós aceitamos o amor que achamos que merecemos.” Amei demais esse quote, e acredito muito nele. Por isso sempre defendo que para amar verdadeiramente alguém, precisamos nos amar primeiro. Assim, vamos aceitar somente amores bons e saudáveis.
    Não achava que o livro era antigo, imaginava que fosse mais recente. Rsrs
    Espero conseguir ler em breve essa obra. ❤️

  • Erika Monteiro
    julho 06, 2020

    Oi Carol, tudo bem? Independente de onde tenhamos crescido acredito que todo adolescente já quis se “encaixar” num determinado grupo. As vezes mesmo sem querer isso acaba acontecendo, é involuntário. Quando estava na 7ª série se não me engano queria muito ter amizade com algumas meninas, pensava que elas eram legais. Mas sempre gostei muito de estudar, de ler, assistir documentário, e não tem muitos adolescentes que curtem isso. Então, naturalmente fui fazendo parte dos “nerds”. Isso durou até a faculdade. Hoje já não sinto essa ânsia de ser aceita, talvez pela maturidade e por ter descoberto minhas qualidades e meu valor. Ter essa segurança é importante. Um abraço, Érika =^.^=

  • Yasmine Evaristo
    julho 06, 2020

    Devorei esse livro e já vi o filme inúmeras vezes. Sempre que penso em reler fico meio melancólica e desisto, mas ainda tenho um carinho muito grande por ele. Gosto muito da escrita dese autor.

  • Alice Mendes
    julho 06, 2020

    Oi oi,
    Em meados de 2015, eu era fanática por esse livro. Não só por causa da história, que mexeu comigo desde a primeira vez que li a sinopse, mas por causa dos personagens que me tocaram de uma forma profunda e tocante. A sua resenha ficou tão perfeita que fiquei emocionada, ao relembrar do cenário e algumas cenas (por causa dos quotes).

    Beijoss, Enjoy Books

  • Ana Claudia
    julho 05, 2020

    Puxa, “aceitar o amor como achamos que merecemos” já mexe com a gente! Sempre quis ter acesso direto e pessoal a essa história! Mas realmente é necessário estarmos com a mente livre de pré-conceitos. Achei interessante também o conceito de “wallflower”. Não conhecia.

  • Debora Sapphire
    julho 05, 2020

    Acabei de me recordar do livro e faz muitos anos desde que li pela primeira vez. E embora essa história seja contada em uma época diferente, ainda assim, aborda temas e problemáticas bem atuais, né? Confesso que é um livro que eu não leria novamente, porque hoje em dia não funcionaria mais pra mim. E eu não saberia aproveitar e gostar da leitura. Enfim, foi bom relembrar e conhecer as suas colocações e opinião sobre o livro. Acho importante aprender essa questão da tolerância. Ainda mais, nos tempos em que estamos vivendo.

  • Camille Pezzino
    julho 05, 2020

    Eu não imaginava a comparação com Apanhador no campo de centeio, mas achei a ideia interessante. Eu vi o filme, mas ainda não li o livro. Acho que isso pode ter afetado a minha percepção em relação a essa relação e comparação.
    Gostei das suas considerações e a abordagem quanto aos temas, é muito necessária. Mas acredito que homossexualidade poderia não estar encaixada próximo a temas de gatilho. 😉

  • Valéria
    julho 05, 2020

    Olha a responsa, comparado a O apanhador no campo de centeio
    Eu já tive esse livro mas não bateu vibe pra ler e acabei trocando no sebo xD
    Mas penso em ver o filme. Se eu gostar, compro o livro de novo pra ler…
    Não sabia que ele era de 99. Achei ser mais ‘recente’ rs
    Acho interessante essas reflexões que ele levanta a respeito desse período que é a adolescência..
    Tschüss

  • Joyce
    julho 05, 2020

    Nossa, quantos temas bons aborda esse livro! Eu não li ainda e nem assisti ao filme, mas quero assistir com certeza. Adoro livros que se parecem diários, dica anotada.

  • Vitor Damasceno
    julho 05, 2020

    Pelo que percebi o livro vai mais a fundo no que não é possível ir no filme, isso é muito valido! Temos que dar atenção aos temas delicados e como os jovens lidam com eles pois perdemos muitas vidas com a falta de atenção e tabus desnecessários.

  • Graziela Costa
    julho 05, 2020

    Gêmea, li esse livro mais ou menos em 2013, comprei o exemplar e falei que ia reler (como sugerido), vou tentar encaixar em breve! Como sempre, perfeita sua resenha.

  • Desejo ler essa obra, desde que a conheci, pois parece ser uma história bem atrativa e surpreendente. E depois que li sua resenha, minha curiosidade só ficou mais aguçada. Espero ler em breve.

  • Hanna Carolina
    julho 04, 2020

    Eu queria muito ver esse filme, mas sempre fico adiando… preciso mudar isso. Com relação ao livro, o fato de ele ser comparativo a’O apanhador no campo de centeio já me chateia um pouco, pois embora eu saiba da importância da obra, ainda mais quando ela foi publicada, não foi uma leitura que me agradou muito, sabe?
    Bjks!

    Mundinho da Hanna
    Pinterest | Instagram | Skoob

  • Leila
    junho 29, 2020

    Gostei muito do filme é já quero ler o livro! Obrigada por essa resenha tão gostosa de ler, amiga!!!!!

  • jessica de freitas vasconcelos
    junho 29, 2020

    Delícia de resenha.♥️