LIVRO

RESENHA | A METADE SOMBRIA – STEPHEN KING

13 maio, 2019 por

A Metade Sombria do autor Stephen King foi relançado em 2019 pela Suma. Com uma nova diagramação em capa dura o livro mantem sua historia original.

A-METADE-SOMBRIA-STEPHEN-KING

Você sabia que Stephen King escreveu alguns livros sob um pseudônimo? Pois é! Chegou uma época da vida de King onde ele gostaria de publicar mais de uma obra no ano, mas seus editores acreditavam que isso saturaria a marga “King”, e o aconselharam a deixar essa ideia de lado. Assim nasceu Richard Bachman. Sob a alcunha de Bachman King poderia soltar mais histórias suas no mercado, sem ser reconhecido. King também aproveitou para saber se seu reconhecimento junto ao grande público era realmente pelo que escrevia, ou se seu nome por si só já vendia os livros. Ele tinha talento? Ou ele tinha sorte? Mas, essa história fica para um outro post.

“A ideia de usar um pseudônimo tinha uma atração curiosa. Parecia uma espécie de liberdade – uma espécie de rota de fuga secreta, se é que você me entende.”

 

Hoje quero falar de A Metade Sombria. Após um período bastante “doido” na vida de King – drogas, bebidas e até xarope para tosse – Tabitha (sempre sua esposa salvando o dia! hahaha) promoveu uma Intervenção em favor de seu marido. Ela o pressionou e exigiu que ele largasse os vícios, cuidasse da família e retornasse ao hábito da escrita. Esse livro aparentemente foi gerado através dos próprios demônios internos que habitam no nosso mestre do horror. Porque temos justamente um autor que já foi publicado por seu próprio nome antes, ousando publicar alguns livros através de um pseudônimo. O problema é que aqui em A Metade Sombria o escritor será assombrado de formas terríveis e inimagináveis.

Thad Beaumont é um autor que – após um bloqueio criativo – criou e escreveu através de um pseudônimo que é “um cara não muito legal” e bastante desagradável. Seu nome é George Stark. Em certo momento de sua carreira, Thad foi exposto por certa pessoa, o pseudônimo foi descoberto, e o escritor decidiu “matar” Stark e não sucumbir a possíveis chantagens. A Revista People faz uma matéria especial a respeito disso tudo, e através de fotografias eles ilustram a vida pacata de Thad e Liz, bem como um falso enterro de George Stark, com direito a uma lápide de mentira.

“Não tenho a menor ideia de quando ele se tornou uma… pessoa separada. Ele me parecia real quando eu assinava com o nome dele, mas do mesmo jeito que as histórias que eu escrevo parecem reais pra mim quando estou escrevendo, nada mais que isso”.

livro: A Metade Sombria 

A vida da família Beaumont continuava normal e tranquila em uma das famosas cidades imaginárias de King, Castle Rock. As coisas estavam em seu ritmo normal, até quando os demônios internos de Thad passaram a atormentá-lo. Ele volta a ter dores de cabeça e a visão embaçada de pardais que prediziam tais dores. Às vezes ele também sofre pequenos apagões, e quando retorna a si percebe que escreveu mensagens ou palavras soltas que não fazem sentido pra ele naquele momento.

A verdade é que dá pra sentir – pelo menos eu senti – bem latente uma forma de identificação entre King/Thad e Bachman/Stark. Assim como Bachman, Stark é bastante psicótico, cruel e ‘alguém’ que adora ver o sofrimento dos demais personagens. Será Stark as projeções de Thad a respeito de si mesmo? O que ele próprio poderia conter em si a respeito de dor, raiva, potencial para a violência, e vícios? A velha mitologia do duplo é mais uma vez apresentada na literatura.

Essa questão da presença de um Doppelgänger em A Metade Sombria me trouxe algumas recordações do último livro do King publicado no Brasil, o Outsider. Aqui, a despersonalização da figura de Thad até chegarmos a Stark é bastante evidente, e somos levados junto com o “gêmeo mal” a atentados grotescos e violentos, frutos esse de um forte desejo de vingança e revanche. Algo que precisaremos acompanhar até o fim para saber no que vai dar. Thad não está louco. Ele não está cometendo crimes que acontecem há mais de 800 km de sua cidade. Mas, mesmo assim ele está muito mais ligado a esses assassinatos grotescos do que ele poderia sequer imaginar. Ou seja, King pode usar e abusar do tema “duplo maligno” que ele sempre consegue trazer um resultado bastante satisfatório.

Dica de Leitura: A Metade Sombria 

Para um leitor que já é mais íntimo da escrita de King, podemos sentir aqueles aspectos que nos intimidam em seus detalhes, coisa típica do autor nos anos 80, aquele horror que nos pega desprevenidos, por exemplo, em uma cirurgia que Thad precisa fazer quando criança, ainda nas primeiras páginas de A Metade Sombria. Existem também pequenas ligações com algumas obras passadas na hoje já famosa cidade de Castle Rock, e deixa na gente aquele gostinho de quero mais: Por favor, Suma, traga Trocas Macabras pelo selo Biblioteca Stephen King!

E por falar nisso, essa é a edição desta coleção que, pelo menos para mim, ficou mais linda! O tom de roxo é maravilhoso e combinou muito com a lápide falsa do louco e não tão imaginário George Stark – aquele que não esteve vivo, porém não ficará morto. Sem esquecer o pardal batendo suas asas e pronto para pousar na lápide. A textura da capa é demais. São 464 páginas com diagramação simples e bastante confortável, em folhas de papel pólen, daquele jeitinho que a gente ama. Você não irá se arrepender de tê-lo em sua coleção.

“Mas o rosto de George Stark, até então só visto pela descrição de Thad Beaumont, tinha começado a espiar por cima de seu ombro. Ele ainda não conseguia ver, mas sentia que estava ali, observando”. 

Após o término da leitura temos algumas páginas informativas sobre o anti-herói criado por Stark, bem como sobre a importância para King em ter sido Bachman. Em uma obra onde pode-se notar o tom, ou mesmo uma sombra de crítica ao meio editorial, eu dou nota máxima para o conjunto da obra!

Stephen King é meu autor preferido desde o início dos anos 2000. Ele nasceu em Portland (Maine), completou 71 anos no dia 21 de setembro, e mora em Bangor com sua esposa e também escritora Tabitha S. King. Ele é pai de Naomi King, Joe Hill e Owen King, esses dois últimos, também escritores. King já vendeu mais de 400 milhões de cópias, sendo publicado em mais de 40 países; e tais números o colocam como o nono autor mais traduzido. Suas obras não param de se metamorfosear em adaptações para as telas – cinema e TV – e até mesmo para o teatro.

___________________________________________________________________________________________________________________________

Título: A Metade Sombria 
Autor: Stephen King 
Ano: 2019 
Páginas: 464 
Editora: Suma | Gênero: Suspense, Mistério, Terror | Adicione a sua lista do Skoob | Onde comprar: Amazon

veja os posts relacionados

Deixe seu comentário

25 Comentários

  • Jennifer Garcia
    junho 04, 2019

    Achei uma boa sugestão de livro pra quem gosta desse estilo de história e tudo mais.
    O livro é livro desde a capa. Amei a indicação.
    https://blogdajenny2014.blogspot.com/

    • Carol Nery
      Carol Nery
      junho 04, 2019

      Lindo mesmo!! Que bom que gostou…

  • Leitura Enigmática
    maio 26, 2019

    Recebi esse livro semana passada e estou bem curioso em saber dessa história na íntegra. Ela com certeza será uma supre história, pois é o mestre quem escreve.

    • Carol Nery
      maio 27, 2019

      EXATAMENTE! Porque o mestre, é o mestre!!! Espero que goste também.

  • Erika Monteiro
    maio 22, 2019

    Oi, tudo bem? Tenho muita curiosidade em ler alguma obra do autor. Apesar de alguns títulos me deixarem meio assustada como It, a coisa e O cemitério. Já assisti o filme do Cemitério e O iluminado mas senti um frio na espinha haha Tenho curiosidade em ler Misery que também vi o filme mas não foi inteiro. Então preciso entender a história. Beijos, Érika =^.^=

    • Carol Nery
      maio 27, 2019

      Tem alguma coisa com a escrita do King. É muito raro eu ver pessoas falando que leu e não gostou… geralmente é viciante! Ou eu estou vivendo em um nicho muito kinguiano. hahahaha ADORO!!!! Beijo

  • Maria Luíza Lelis
    maio 22, 2019

    Oi, tudo bem?
    Vou te confessar que eu nunca li nada do autor e nem tenho curiosidade. Por mais que os livros dele sejam aclamados, eu não curto o gênero e acabo não me interessando por conhecer as obras dele. Porém, achei super interessante ele ter escrito com pseudônimo (não sabia que ele tinha um kkk) e entendo a curiosidade dele se saber se o público gostava dos livros dele por serem bons mesmo ou pelo seu nome.
    Vou passar a dica desta vez só porque não curto o gênero, mas adorei conferir sua resenha.
    Beijos!

    • Carol Nery
      maio 27, 2019

      Vale a pena saber que ele escreve em diversos gêneros. E não só em terror, como é vendido a torto e a direito.
      Fantasia, ficção científica, policial e até romancinhos… É só se jogar, caso queira conhecer a escrita dele.
      Um beijão

  • Barda Literária
    maio 21, 2019

    eu participo de um projeto de ler king, porque ô homem pra ter livro é o KIng, um dos que to ansiosa é essa, e adorei saber que na obra tem um Doppelgänger, me deixou bem curiosa, e concordo contigo, king pode pegar diversos temas e deixa-los incriveis, dos que li dele só uma obra não gostei mas foi mais pessoal do que o autor mesmo, na rotina de vida amo ele e suas obras *–* adorei sua resenha me deixou instigada.

    • Carol Nery
      maio 27, 2019

      Leio King há muitos anos. Mas, desde 2017 estou em projetos onde lemos King TODO mês. Às vezes, como sou a loka do King, leio de 2 a 3 livros do mestre dentro de um mês. hahahahhaa AMO!!!!

  • Ana Caroline Santos
    maio 18, 2019

    Olá, tudo bem? AH ADOREI A SUA RESENHA <3 Ainda não tive oportunidade de ler nada do rei King, mas espero mudar isso em breve. Admito que tenho um pouco de medo, porém temos que uma encarar né?! Ótimas palavras!
    Beijos,
    https://diariasleituras.blogspot.com

    • Carol Nery
      maio 27, 2019

      Encara sim!!! Vai que ele se torna um amor literário tão grande na sua vida quanto na minha? hahahaha
      Vai de leve. Talvez você acabe gostando.
      Um beijo

  • Ana Caroline Santos
    maio 18, 2019

    Olá, tudo bem? AH ADOREI A SUA RESENHA <3 Ainda não tive oportunidade de ler nada do rei King, mas espero mudar isso em breve. Admito que tenho um pouco de medo, porém temos que uma encarar né?! Ótimas palavras!
    Beijos,
    https://diariasleituras.blogspot.com

  • Beatriz Andrade
    maio 18, 2019

    Necessito desse livro! Estou só esperando o meu chegar para começar a ler, adoro os livros do King e esse será mais um que vai entrar para a lista de favoritos, adorei a resenha!

    • Carol Nery
      maio 27, 2019

      Eu espero que chegue logo. Ele é o mais lindo da biblioteca!!!
      Um beijo e boa leitura

  • Joanice Oliveira
    maio 17, 2019

    Olá

    Esse livro é bem mais biográfico que uma mera ficção do autor haha
    King escreve mais suspense do que terror propriamente dito e até sabe disso. Sua confusão com esse gênero é mais porque suas obras quando adaptadas ao cinema em 80 acabavam sendo colocadas nos enquadramentos da época e até hoje dizemos que ele é o "Mestre do Terror", mas há obras que balançam para o terror como It, O Cemitério e esse aqui.

    Beijos

    • Carol Nery
      maio 18, 2019

      Boas suas observações. Mas adoro a versatilidade dele. Por exemplo, ele foi fantástico em escrever policiais. Eu super amei! Thriller é uma grande paixão, e se tem a assinatura do meu autor preferido então… é receita CERTA pra me agradar.
      Beijão

  • Clayci
    maio 15, 2019

    Eu sabia, mas não li nenhum livro dele no nome de Richard.
    Lembro que em uma entrevista ele havia dito que criou para testar se realmente escrevia bem ou se era apenas popularidade. Bom, ele conseguiu provar que é bom mesmo, né? hahahah
    Esse livro está na minha lista de desejados <3

    Sai da Minha Lente

    • Carol Nery
      maio 16, 2019

      Com certeza ele tirou a prova. No fim das contas, as pessoas começaram a perceber o nível dos textos do Bachaman, e essa história não demorou tanto tempo!

  • Bianca Ribeiro
    maio 14, 2019

    Poxa vida, adorei saber da história desse livro, e eu quero MUITO ler ele, porque eu amo muuuuuuuuuuuuuito o King e não sei o que seria de mim sem ele, de verdade mesmo, eu amo ele de uma forma inexplicavel, tudo que é relacionado a ele me encanta (menos alguns livros, até porque né…) Adorei sua resenha e suas fotos, ficaram maravilhosas!!!

    • Carol Nery
      maio 16, 2019

      Bianca, você é MUITO das minhas. Não sei o que seria de mim sem as obras do mestre King!!! Espero que curta. Obrigada pelos elogios.

  • Alice Duarte
    maio 14, 2019

    Oii Carol

    Essa edição em roxo está mesmo maravilhosa e a história parece ser sensacional, o King é um desses raros que consegue criar qualquer trama de terror e se sair bem. Apesar de eu achar a escrita dele bastante densa (pelo menos ns livros que li – Mysery e O Iluminado) é um autor que quero ler de vez em quando com certeza e achei A Metade Sombria uma dica interessante pra quando for fazer minha próxima leitura do autor.

    Beijos

    http://www.derepentenoultimolivro.com

    • Carol Nery
      maio 14, 2019

      Ah, Alice… com certeza! King tem uma escrita densa, principalmente nesses dois que você citou. Esse aqui não deixa nada a dever. Tomara que seja uma experiência legal pra você.
      Beijos

  • Jeffa Koontz
    maio 14, 2019

    Carol, minha querida, que resenha linda. Realmente, Metade Negra (desculpe, sou daqueles que leu nos anos 90 e Dark Half sempre será Metade Negra e não o politicamente "correto" atual) é um clássico absoluto do mestre. Vale todo e qualquer centavo investido. Parabéns pela espetacular resenha. Beijos.

    • Carol Nery
      maio 14, 2019

      Ai, Jeffa… que prazer!!! Lendo algo que escrevi e ainda sofre o mestre King?!!!! Socorro. Também tenho o A Metade Negra. Pra mim também continua sendo assim. Mas, enfim. AMEI te ter aqui. Beijocas