FILMES

A HORA DE SUA MORTE | CRÍTICA

27 agosto, 2020 por

Dessa vez assisti ao filme A Hora da Sua Morte pelo streaming da Amazon, lançado nos cinemas em 25 de outubro de 2019 e no Brasil em 20 de fevereiro de 2020. Amo filmes de terror e como esse filme apareceu na minha lista de Melhores Filmes, fui lá dar uma chance!

O filme tem uma premissa bem interessante, um grupo de amigos em uma festa procurando um app que contava calorias, esbarram em um aplicativo que promete prever a hora exata de sua morte, para isso só precisa preencher seus dados e aceitar os termos de adesão (quem lê isso, né?).

Logo, todos que estão na mesa baixam o tal aplicativo e fazem um desafio, quem for morrer primeiro de acordo com a previsão do app, beberá toda a bebida da mesa. Courtney (Anne Winters – 13 Reasons Why ) perde e mesmo não levando muito a sério a previsão de que só teria mais algumas horas de vida, prefere voltar para casa a pé e não de carona com seu namorado que está meio “alto”, assim saberemos como esse curioso aplicativo funciona.

Na mesma noite, o namorado de Courtney, sofre um acidente e no hospital conhece a enfermeira Quinn Harris (Elizabeth Lail – a Guinevere Beck de You) conta para ela do aplicativo, Quinn então faz o download e descobre que tem apenas dois dias restante de vida, mesmo descrente no início, ela passa a ser assombrada por uma criatura, assustada, gasta seus últimos dias de vida procurando um jeito de enganar a morte e sobreviver ao destino.

O filme lembra um pouco do seu antecessor de sucesso, Premonição (James Wong, 2000), lida com a ideia de que não é possível escapar do seu destino e que qualquer tentativa de fugir dos seus momentos finais será recompensada com algum castigo macabro. As mortes serão bastante violentas, a ponto de (talvez) chocarem, mas são pouco gráficas.

A Hora da Sua Morte é o primeiro longa de Justin Dec (direção e roteiro), que mostrou saber das fórmulas dos filmes de terror, mas não soube colocar isso na tela, os recursos utilizados para deixar as sequências mais leves enfraqueceram o roteiro, há um ditado popular no meio audiovisual que diz: “dá para fazer um filme ruim com um bom roteiro, mas nunca um filme bom com um roteiro ruim”, foi isso que eu senti, uso excessivo de jump scares premeditados (mudança abrupta de imagem ou evento), maquiagem digital e CGI (imagens feitas em computador) e a falta de qualquer coesão narrativa para tornar a história razoável.

Como tradição da nova onda de terror adolescente, foram adicionadas algumas cenas de humor, durante a jornada de Quinn, surgem coadjuvantes válidos que funcionam como alívio cômico, mas rapidamente perdem a graça por serem super utilizados, como é o caso do padre geek, John (PJ Byrne), que inusitadamente ouve Lil Nas X e o hacker Derek (Tom Segura), que traz um humor ácido bem vindo. Quando vi a atriz Tichina Arnold (a Rochelle de Todo Mundo Odeia o Chris) interpretando a enfermeira Amy, estava esperando piadas mas ela não conta uma piada sequer, mesmo sendo isso que ela faz de melhor.

Por fim, A Hora da Sua Morte é um bom entretenimento para quem está acostumado a ver o mesmo filme de fórmula utilizada repetidas vezes e que goste do gênero, mas o mais interessante foi baixar o aplicativo que o filme promoveu (sim eu fiz isso) e descobri que tenho um pouco mais de 16 anos de vida (não vou precisar brigar com nenhum demônio)!

Assista ao trailer:

veja os posts relacionados

Deixe seu comentário

1 Comentário

  • […] A HORA DE SUA MORTE | CRÍTICA […]