A CURA (A CURE FOR WELLNESS) | CRÍTICA DE ESTREIA

Chegou nesta última semana aos cinemas a nova aposta de terror do famoso diretor Gore Verbinski, o mesmo de O Chamado em 2002. “A Cura” (A Cure for Wellness) promete muito pelo trailer com um cenário estonteante, efeitos chamativos e trama envolvente. Porém não cumpre exatamente tudo isso.


O filme conta a história do jovem executivo Lockhart (Dane DeHaan, conhecido por “O Espetacular Homem-Aranha 2”), que é designado a ir buscar o CEO de sua empresa em um centro de tratamento nos Alpes Suíços. Este havia decidido permanecer no local realizando certo tratamento de cura, e apenas comunicou aos seus colegas através de uma carta. Chegando ao local, Lockhart encontra respostas vagas e comportamentos suspeitos, o que agrava quando sofre um misterioso acidente de carro e se vê internado na instituição impossibilitado de andar. Começa então uma busca por respostas, onde seu caminho cruza com a enigmática Hannah (Mia Goth, conhecida por “Evereste”) e com o Dr. Volmer (Jason Isaacs, o Lúcio Malfoy dos filmes “Harry Potter” e o Dr Hunter Hap em “The OA”).

 

A trama inicial é bastante elaborada e interessante, e é justamente a parte abordada pelo trailer. Confesso que estava extremamente ansiosa para assistir. Com um ar do filme “Ilha do Medo”, segue uma linha de mistério e investigação até entrar por estranhos caminhos. A história muda seu foco várias vezes, e em uma procura por inserir vários elementos de terror, o enredo acaba por se perder.

Filmado em um castelo na Alemanha, o filme apresenta uma lindíssima paisagem. Os efeitos especiais e cenas bastante realistas também são de tirar o fôlego e, apesar da estranheza do texto, os atores cumprem bem o seu papel em repassar o sentimento de seus personagens para o público. Claramente se percebe traços de “Laranja Mecânica” e “O Iluminado”, o que talvez mostre certa inspiração em Stanley Kubrick por parte de Verbinski, mas com 2h30min de duração “A Cura” apenas insere diversas situações que não consegue justificar(que neste caso quanto menos eu disser será melhor para quem vai assistir), cenas chocantes, e finaliza de forma bem fraca, confusa e muito pouco convincente.