LIVROS

A BRUXA NÃO VAI PARA A FOGUEIRA NESTE LIVRO – AMANDA LOVELACE | RESENHA

10 fevereiro, 2020 por

A BRUXA NÃO VAI PARA A FOGUEIRA NESTE LIVRO - AMANDA LOVELACE

Hoje eu venho falar do segundo livro de Amanda Lovelace “A bruxa não vai para a fogueira neste livro”. Como qualquer coisa que eu diga, darei minha opinião, resolvi pegar a sinopse do Skoob para vocês.

Aqueles que consideram “bruxa” um xingamento não poderiam estar mais enganados: bruxas são mulheres capazes de incendiar o mundo ao seu redor. Resgatando essa imagem ancestral da figura feminina naturalmente poderosa, independente e, agora, indestrutível, Amanda Lovelace aprofunda a combinação de contundência e lirismo que arrebatou leitores e marcou sua obra de estreia, “A princesa salva a si mesma neste livro”, cujos poemas se dedicavam principalmente a temas como relacionamentos abusivos, crescimento pessoal e autoestima.

“essa é a luta
de todas as que venceram
as chamas do preconceito
e da opressão & descobriram como
amar profundamente a si mesmas,
do jeito que são.”

A BRUXA NÃO VAI PARA A FOGUEIRA NESTE LIVRO - AMANDA LOVELACE

Agora, em “A bruxa não vai para a fogueira neste livro”, ela conclama a união das mulheres contra as mais variadas formas de violência e opressão. “A bruxa não vai para a fogueira neste livro” é mais do que uma obra escrita por uma mulher, sobre mulheres e para mulheres: trata-se de uma mensagem de ser humano para ser humano – um tijolo na construção de um mundo mais justo e igualitário.

Então vamos lá. Encontrei “A princesa salva a si mesma neste livro” em uma feira de livros, me intriguei pelo título e acabei amando a leitura. Logo ansiei por ler o segundo livro e na primeira oportunidade adquiri o livro e comecei a ler.

Definitivamente, não me desapontei com a leitura. Ao contrário do primeiro livro, em “A bruxa não vai para a fogueira neste livro” logo no início temos um alerta inicial do material sensível que a história abordará: abuso de crianças, abuso cometido por um parceiro, estupro, distúrbios alimentares, trauma, morte, assassinato, violência, fogo, menstruação, transfobia, entre outros. Além disso, a autora faz um lembrete para que os leitores se cuidem antes, durante e depois da leitura.

“esta é uma história
simples na qual as mulheres
lutam contra a estrutura
criada pelos homens,
que permaneceu muito mais tempo
do que devia.”

A BRUXA NÃO VAI PARA A FOGUEIRA NESTE LIVRO - AMANDA LOVELACE

Então se você não gosta de histórias que abordem essa temática, esse livro não é para você.

Amanda Lovelace divide a publicação em quatro partes: o julgamento, a queima, a tempestade de fogo e as cinzas. Assim como o primeiro livro, as palavras que são escritas tem o propósito de exaltar as mulheres. Em uma época em que o corpo feminino ainda é visto como objeto e que as mulheres têm enfrentado muito para conseguir espaço e respeito, eu acredito que os livros da autora são de extrema importância.

Nele, muito além de exaltar a figura feminina, ressalta a importância das mulheres não competirem entre si, e sim se ajudarem. Quando há uma luta tão grande e importante a ser travada, porque gastar tempo e energia lutando umas contra as outras?

“posso
não sobreviver aos fósforos, mas meu
fogo de vadia vai sobreviver a todos eles.”

“A bruxa não vai para a fogueira neste livro” é uma publicação pequena e pode ser lida rapidamente. Mas, como a autora mesmo adverte, cuide de você durante a leitura e não tenha pressa de terminar, leia no seu tempo.

 

Amanda Lovelace cresceu como uma devoradora de palavras e amante de contos de fadas. Hoje, quando não está lendo ou escrevendo ela pode ser vista esperando que o café com especiaria volte para a temporada, ou assistindo Gilmore Girls (na sua biografia ela diz ser team Jessie).

Amanda vive em Nova Jersey com sua esposa, seus gatos e sua imensa coleção de livros. Amanda ganhou duas vezes o prêmio goodreads choice de melhor poesia.

A autora possui 14 livros ao todo. No Brasil, dois foram lançados pela editora Leya: “A princesa salva a si mesma neste livro” e “A bruxa não vai para a fogueira neste livro” ambos sendo respectivamente o livro 1 e 2 da coleção “Women are some kind of magic”. O terceiro volume da coleção “A voz da sereia volta neste livro” foi publicado em 2019 pela editora Planeta. E depois dessa leitura, estou muito curiosa para ver o que Amanda traz neste terceiro livro e em todos os outros que ela venha escrever.

“sempre coloque a si mesmo em primeiro lugar.
sacrifique-se para sua própria
decisão.
– 1º mandamento das bruxas.”

Para finalizar, como o livro fala sobre a força da mulher, queria deixar um vídeo que chamou muito a minha atenção, no final de 2019. Nós, mulheres, ainda temos que lutar diariamente contra o preconceito e a violência, um coletivo do Chile chamado Lastesis lançou a intervenção “Un violador en tu camiño” (um estuprador em seu caminho). Deixo para vocês o vídeo para que também o vejam, caso queiram.

“‘a única coisa de que somos culpadas é de sermos mulheres’, dizemos a eles,
& isso é tudo que eles ouvem.”

Título: A bruxa não vai para a fogueira neste livro (#2 As mulheres têm uma espécie de magia)
Autora: Amanda Lovelace
Ano: 2018
Páginas: 208
Editora: LeYa Brasil
Gênero: Poemas, Poesia, Não-Ficção
Nota: 5/5
Adicione à sua lista do Skoob
Onde Comprar: Amazon

veja os posts relacionados

Deixe seu comentário

14 Comentários

  • Valéria
    fevereiro 17, 2020

    Oi, Ana. Nossa, eh não sabia que a autora tinha tantos livros publicados. Só conhecia mesmo esse e o anterior. Mas não li ambos. Embora tenha certa curiosidade em ver a maneira que ela aborda questões tão importantes para nós, mulheres.

    Espero ter a chance de fazer a leitura.
    Küss

  • Karina Rodrigues
    Karina Rodrigues
    fevereiro 17, 2020

    Eu acho os títulos dessa série sensaaaaacionais. Sério! Andaria com todos estampados em uma camiseta. Porém, preciso vencer meu bloqueio por poesias e me aventurar nessa leitura.

  • Alice Teixeira
    fevereiro 17, 2020

    Oi oi,
    Eu adoro a escrita da autora, e já li o terceiro livro (o da sereia) e super recomendo. Sei como é difícil para algumas leitoras ler as obras dela, pois, contém alguns gatilhos. Mas eu adoro a forma que ela nos toca com as palavras. Amei a resenha e as fotos!

    Beijoss, Enjoy Books

  • Erika Monteiro
    fevereiro 17, 2020

    Oi, tudo bem? Falar sobre certos assuntos é sempre delicado, ainda mais quando envolve “ser mulher”, feminismo, e todo esse universo. As vezes não me aprofundo muito no assunto porque algumas pessoas sempre levam para o lado pessoal e acabam discutindo. Nós mulheres queremos nosso espaço, nossos direitos, mas acredito que há formas de conseguir isso sem ser por meio de brigas. Não li nenhuma obra da autora mas concordo que os temas são “pesados”. Um abraço, Érika =^.^=

  • RENATA CRISTINA SILVA AVILA
    fevereiro 16, 2020

    é engraçado como essa capa passa outra imagem da historia. Se fosse só pela capa nunca ia imaginar que era essa a tematica do livro

  • Carol Nery
    Carol Nery
    fevereiro 16, 2020

    Aninha, eu tenho certeza que esse livro deve ser muito poderoso. Mas, sabe que mexe em umas áreas que eu nem sempre dou conta de lidar?!!!
    Fico feliz demais que a obra te alcançou, e que a autora não decepcionou.
    Beijocas

  • Nayara Borges
    fevereiro 16, 2020

    Nós, mulheres, enfrentamos batalhas diárias por igualdade e respeito, por tanto quando vi esse livro pela primeira vez, eu coloquei na minha lista de desejos na hora! Acho muito importante os temas abordados, pois muitas de nós precisa ler coisas do tipo, para conhecer e se reconhecer. Estou louca pra ler!

  • Vic
    fevereiro 16, 2020

    Aninha, eu já tinha um super interesse nessa autora desde quando vi o primeiro. Agora que li sua resenha, eu tô MORRENDO pra ler todos os três. Acho que vou até comprar todos juntos pra não precisar esperar. Temas assim são sempre importantes de serem discutidos e é bom ver que têm cada vez mais espaço e destaque.

  • Vitor Damasceno
    fevereiro 16, 2020

    “Queime todos que tentarem queimar você”, literalmente. Que bom que existem literaturas como essa. Me parece que a autora não é apenas experiente mas sabe muito bem como atrair a atenção de novos leitores. Sensacional !

  • Leticia Rodrigues
    fevereiro 16, 2020

    li o primeiro e adoro ele, tenho o segundo e quero ler muito!! não imaginei que um dos temas abordado seria a menstruação, tema tão importante e sempre discutido do jeito ”errado”.

  • Debora Sapphire
    fevereiro 16, 2020

    Primeiramente, preciso dizer que eu super concordo com esse termo designado para “bruxas”, “que são mulheres capazes de incendiar o mundo ao seu redor”. E também, na minha opinião, mulheres inteligentes e de opinião própria, espíritos indomáveis e livres e muitas vezes incompreendidos. Porque eu me encaixo nesse termo e já fui muito perseguida pela opressão de uma sociedade que ainda tem muito o que evoluir e mudar sua maneira de pensar. Enfim, esse foi o primeiro livro que eu li da Amanda Lovelace e logo de cara me conectei demais! Só depois li o antecessor a esse, mas ambos são livros que se tornaram meus favoritos e eu quero reler muitas e muitas vezes mais.

  • Lilian de Souza Farias
    fevereiro 16, 2020

    Quando alguém me chama de bruxa, coisa muito comum, acho um elogio, principalmente quando vem da boca de um religioso fanático. Sobre o livro, eu li, e foi uma leitura bem rápida, ao meu ver, uma obra juvenil, a pouca preocupação estética me incomodou um pouco, mas de forma geral, eu utilizaria em sala de aula tranquilamente, acho que pode gerar boas discussões.

  • Hanna Carolina Lins de Paiva
    fevereiro 15, 2020

    Sou doida para ler os livros dessa série, ainda mais sabendo a força que o texto traz em cada volume. Eu tenho apenas uma camiseta do livro da princesa, mas que é a minha favorita. S2
    Bjks!

    Mundinho da Hanna
    Pinterest | Instagram | Skoob

  • Yasmine Evaristo
    fevereiro 13, 2020

    Esse livro é ótimo e com ctza é escrito por uma mulher, sobre mulheres e para mulheres para que e entendamos o quanto podemos ser mais do que pensamentos retrógrados pregam. Infelizmente o de humano pra humano ainda coloca as mulheres em um patamar mais baixo.