Destaques

novidades por e-mail

18 outubro 2018

{ #RESENHA } VIDAS À DERIVA - TAMI OLDHAM ASHCRAFT E SUSEA MCGEARHART

DICA DE LIVRO: VIDAS À DERIVA - TAMI OLDHAM ASHCRAFT E SUSEA MCGEARHART
Título: Vidas à Deriva | Tami Oldham Ashcraft e Susea Mcgearhart | Ano: 2018 | Páginas: 272 | Editora: Astral Cultural | Gênero: Memórias, Não-Ficção, Autobiografia | Adicione a sua lista do Skoob  | Onde comprar: AMAZON

“- Richard suspirou profundamente. - Eu realmente me sinto abençoado com o Cruzeiro do Sul lá em cima brilhando sobre nós, mas me sinto mais abençoado com você  ao meu lado. É o destino, Tami. Eu velejei metade do mundo para te encontrar.”

A resenha de hoje é de um livro que ganhei da editora em uma sessão exclusiva da adaptação do mesmo para o cinema: “Vidas à Deriva”. A história, que é real, conta como Tami Oldham sobreviveu depois de passar mais de quarenta dias à deriva em um barco, após a embarcação ser atingida pelo furacão Raymond, quando ela e seu namorado Richard Sharp estavam velejando do Taiti para a Califórnia. Tenho que dizer que ter visto o filme antes de ler o livro foi uma das melhores coisas para mim, porque consegui sentir a emoção dos acontecimentos quando vi na telona, e depois, lendo a história, consegui encaixar muitos fios soltos que foram ficando para trás.

Como geralmente acontece em adaptações literárias, não espere que o filme seja fiel ao livro, na verdade, ele revela muitas coisas nas primeiras páginas que o filme só mostra no final. Além de que no livro, podemos ver como o tempo que Richard e Tami passaram juntos antes do acidente foi maior. Até a forma como os dois se conheceram e o que fizeram juntos teve certa divergência. Não estou dizendo que o filme é ruim, apenas que existem divergências, em que no livro, tudo fez mais sentido.



Uma coisa que posso dizer que é bem similar nas duas obras é a forma como ela foi colocada para o leitor/espectador, mesclando o presente, a viagem no Hazana e o acidente com o furacão, com as lembranças do que aconteceu antes na vida dos dois: como se conheceram, se apaixonaram, o que fizeram e conquistaram juntos, e os fatos que levaram com que eles estivessem no barco e fazendo aquela viagem até a Califórnia.

Enquanto ia passando as páginas, lembrava de algumas coisas que tinha visto no filme e isso foi muito bom. Mas, uma coisa que ficava me incomodando durante a leitura, eram os termos técnicos de navegação e os nomes das coisas que compunham a embarcação, na primeira vez que olhei, busquei uma nota de rodapé com o significado, mas não achei. Apenas no fim da publicação, pude ver um glossário com as explicações do que significava cada coisa. Entendo que esteticamente ficaria difícil colocar essas explicações em nota de rodapé.


Apesar disso, acompanhar Tami na jornada para sobreviver foi bem emocionante. Com a evolução da leitura podemos perceber como ela cresceu como pessoa e como sua força foi aumentando com o passar dos dias, apesar de ela mesma não ter percebido isso na hora. Humana, como qualquer outra pessoa, Tami teve medo e até momentos de desespero em que não acreditava mais que seria possível sobreviver ao que estava passando, e é isso que sentimos enquanto a leitura vai evoluindo.

Acho bem legal, quando um livro consegue transmitir sentimentos, talvez isso tenha acontecido com “Vidas à Deriva” porque é uma história real e a própria pessoa que vivenciou tudo aquilo escreveu sobre ela, não um terceiro. Outra coisa que me impactou na leitura foi que eu consigo entender bem melhor a Tami durante a leitura do que assistindo ao filme. Em algumas páginas da publicação existem fotos da época que me ajudaram a formar imagens de várias das cenas, como uma foto do casal Tami e Richard, e outra em que mostrava o estado em que a embarcação Hazana chegou ao Havaí.


Agora vamos falar sobre capas? Gente do céu, a capa do livro é a mesma do banner promocional do filme e tenho que dizer que é uma cena que eu elogiei bastante por causa da composição, onde mostra o mar em um azul tão profundo e bonito e o Hazana destruído, e na contracapa eles apenas utilizaram a extensão do mar. Se não houvesse a lombada e colocássemos a capa e a contracapa juntas, daria apenas uma imagem bem bonita com o barco destruído no meio daquele mar. Como utilizaram o pôster do filme, além dessa imagem há também os rostos dos dois protagonistas, Shailene Woodley e Sam Claflin.

“Durante quarenta e um dias no oceano, tentei entender o que tinha acontecido com você - conosco. A única coisa que consegui descobrir é que estávamos apaixonados. Simples assim. Nada aconteceu conosco, exceto um amor louco e apaixonado.”

Comentários via Facebook

3 comentários:

  1. Oi Ana,
    Amo histórias com esse nível de drama, mas quando este vem carregado com o peso da realidade, meus sentimentos ficam divididos entre alegria e tristeza. Vidas à deriva carrega a responsabilidade de contar uma história que um dia aconteceu e isso, por si só, já trás um olhar diferente para quem vier a conhece-la. Eu só soube do livro após assistir ao trailer da adaptação, que de cara me chamou atenção pelo elenco que já protagonizou outras adaptações de grande conhecimento entre os leitores (Jogos Vorazes e Divergente). Sendo a história contada por Tami há muita intimidade na narração, principalmente nas partes em que ela se questiona se irá conseguir sobreviver ao acidente, e é algo totalmente compreensível. Acredito que as informações do livro são mais detalhadas que no filme, pois a adaptação sempre omite algo ou modifica a forma como a história é contada. Como já assisti ao filme, não estou tão empolgada pela leitura, mas se a oportunidade surgir, não vou hesitar.

    https://twitter.com/GisahSLopes/status/1053037034602942464

    ResponderExcluir
  2. Gosto de histórias baseadas em fatos reais e sendo contada por quem vivenciou, a leitura torna se melhor ainda. É uma história carregada de drama, "um mar" de emoções, hehe Imaginar que talvez não conseguisse sair da situação com vida, não deve ter sido nada fácil com certeza. Particularmente, gosto de capas que não remetem a suas adaptações mas, concordo com você, essa capa ficou bonita mesmo. Será mais provável que minha pessoa assista ao filme do que leia o livro, já faz um bom tempo que não ando lendo nada... Mas, se surgir a oportunidade da leitura e essa maré tenha passado, irei ler sim.

    https://twitter.com/CaarolForbes/status/1053106814647222272

    ResponderExcluir
  3. Estou doida para ler este livro, pois tudo que li até agora só fala isso, de como dois universos tão diferentes, livro e filme puderam se encaixar tão bem!
    Vi o filme já tem um tempinho e mesmo com alguns pontos negativos, principalmente por este se envolver rápido demais,que me deixaram meio apreensiva, adorei a adaptação.
    E pelo que li acima, tudo no livro é mais sentido, mais vivido. E realmente, a capa é um escândalo de linda!!!
    Espero ler e ter o livro em breve!
    Beijo

    https://twitter.com/AngelaGabriel1/status/1053234985048702976

    ResponderExcluir

Instagram

© Coisas de Mineira - 💜 🐶 📖 🍀 💜 – Tema desenvolvido com por Iunique - Temas.in