Destaques

novidades por e-mail

21 março 2018

CRÍTICA DE ESTREIA | A LIVRARIA (THE BOOKSHOP)

Distribuidora: Cineart Filmes | Estreia: 22/03/2018 | Gênero: Drama | Duração: 1h53

Florence Green (Emily Mortimer) é uma viúva que se mudou para uma pequena cidade costeira na Inglaterra, a fim de refazer a sua vida. Decidindo abrir uma livraria no local, ela vai contra os moradores, que não acreditam que o empreendimento possa ser uma boa coisa, já que as pessoas que moram por lá não tem o costume de ler. Entre desafios e olhares tortos, a viúva abre sua livraria, mas nem todos a aceitam e os problema não foram todos solucionados. Inspirado no livro homônimo de Penelope Fitzgerald, lançado pela editora Bertrand Brasil, “A Livraria” chega nos cinemas no dia 22 de março.

A primeira coisa que preciso dizer do longa é: é um gênero peculiar. Falo isso, porque não é qualquer pessoa que fica quase 2 horas no cinema assistindo um filme que possui muita pouca ação - para não falar nada -, e que tenha um ritmo bem lento - para não falar parado. E sinceramente, eu sou uma dessas pessoas. Alguns já nessa parte vão desistir de ver a produção, tenho certeza, mas vamos falar um pouco dela então. Cheio de intrigas de uma sociedade preconceituosa, na década de 50, é interessante ver como Florence enfrenta os homens que entram em seu caminho dificultando a abertura da livraria, e uma mulher poderosa da cidade, que não possui o costume de ouvir “não” para as suas propostas.

Podemos ver uma relação em que o dinheiro e o poder, acabam sendo as coisas mais poderosas. E o enredo - apesar de ser um pouco mascarado e revelar algumas coisas bem no final - é cheio de intrigas. Vejo alguns problemas na produção, é claro, como focar tanto na livraria e em Florence, que não mostram o sucesso de outros comércios que afetam a história. Ou como, a livraria acaba sendo um sucesso, mesmo com toda a resistência da sociedade que dizia “não ler”. Espero que o livro, mostre isso, não o li, mas já entrou na minha lista.

Apesar disso, teve uma parte no filme que sinceramente me impressionou. Christine Gippin (Honor Kneafsey), uma menina de uns 11 ou 12 anos, é contratada por Florence para ajudá-la na livraria, e foi um dos grandes ápices e destaques para mim, no longa. Honor, interpretou seu papel muito bem, e a personagem em si, me encantou desde a primeira cena, até a última em que fiquei bem orgulhosa daquela menina atrevida. Outra coisa que não deixei de notar, é que a imagem reproduzida na tela, passa aquela sensação de ser uma produção mais antiga, com pouco brilho, deixando as cores mais escuras e ambientado na década em que se passa.


SOBRE: 

“A Livraria” teve 31 indicações para prêmios e foi vencedor de 12 delas, entre as premiações está o Cinema Writers Circle Awards, da Espanha, em que venceu em cinco categorias, três dela dando o prêmio a diretora do longa, Isabel Coixet (Melhor Filme, Melhor Diretor e Melhor Roteiro Adaptado). Tendo nascido na Espanha, Coixet tem em sua bagagem mais de 30 trabalhos como diretora, entre eles está “A Vida Secreta das Palavras”. No elenco, além de Emily Mortimer (“A Invenção de Hugo Cabret”, “O Idiota do Meu Irmão” e “Ilha do Medo) e Honor Kneafsey (“O Príncipe do Natal”, “Pesadelos Mortais” e “Já Estou com Saudades”), também estão Patricia Clarkson (“Maze Runner”, “House of Cards” e “A Ilha do Medo”) e Bill Nighy (“Anjos da Noite”, “Piratas do Caribe” e “Harry Potter e as Relíquias da Morte: Parte 1”).

Comentários via Facebook

7 comentários:

  1. Oi, Ana.

    Eu imagino que com certeza, a Florence enfrentou muitas dificuldades, principalmente por ser uma inovação para a população... E por eles não digerirem bem essa ideia, enfrentou represálias.

    Além de ter que enfrentar e bater de frente com uma rival.

    📚 Link do compartilhamento:

    https://mobile.twitter.com/DaianeAS1/status/976484904346189825

    ResponderExcluir
  2. Oi Ana,
    Se fosse há alguns anos atrás, este seria um filme que não me interessaria, justamente por causa da falta de ação e ritmo lento, hoje são essas características que me fizeram notar a Livraria. A história pode não ter grandes acontecimentos, mas aborda questões muito importantes. Florence tem que enfrentar muito preconceito e, eu diria, ignorância para conseguir ter ser negócio, o que só demonstra o quão forte e determinada ela é e, talvez, outra pessoa em seu lugar fosse ceder as propostas ou olhares tortos. Achei a fotografia do filme bem condizente com a proposta e retrata bem a época em que a trama se passa.
    Agora só me resta conferir o longa e desvendar os mistérios por trás da livraria.

    https://twitter.com/GisahSLopes/status/976515286802329600

    ResponderExcluir
  3. Oi, Ana! Eu estou no mesmo ponto que a Gislaine, também acho que se tivesse visto esse trailer há 5 anos, não teria me interessado, no entanto hoje em dia adoro histórias que podem mostrar pontos desafiadores para os personagens ao mesmo tempo que os ajudam a crescer por meio da ajuda de outros. Acho que vou gostar do filme e estou ansiosa para assistir!

    Beijos da Yana,
    Marshmallow Com Café

    https://twitter.com/Yana78Sofia/status/976567214743736320

    ResponderExcluir
  4. Oi, Ana!!
    Gostei bastante da indicação. Adorei o trailer do filme e acho que a história em si é bem interessante, mesmo que em quase duas horas de filmes não tenha muita ou nenhuma ação. Sem dúvida vou amar assistir essa obra.
    Bjos

    https://twitter.com/Martaizabeln/status/976620907325255680

    ResponderExcluir
  5. Interessante... aborda questões muito importantes mesmo sem grandes ações, tem uma fotografia muito bonita, uma personagem determinada a não ceder e sim permanecer, devo dizer que também gostei da Christine, hehe É um longa para ser conferido.

    https://twitter.com/CaarolForbes/status/976635296396861440

    ResponderExcluir
  6. Ao contrário de você, eu faço parte do time que passa duas horas na boa vendo um filme com tanto conteúdo, ainda mais quando é ambientado assim, naquela época mais antiga. Adoro esse gênero!!!
    Tenho acompanhado o lançamento deste filme tem um tempinho, desde as indicações e sei que não vou me arrepender desta espera! Afinal, tem livros, tem história e tem amizade!
    Verei com certeza!!!
    Beijo
    https://twitter.com/AngelaGabriel1/status/976780476231843840

    ResponderExcluir
  7. Vamos por partes... a capa do livro já tinha me chamado atenção porém não sabia que seria adaptado para o cinema, agora sigo atras do filme ou do livro, oque vier antes. Segundo que a ideia de chegar numa cidade, completamente desconhecida e recomeçar, me agrada muuuito, mas muito mesmo, sempre quis fazer isso na vida real, mas me falou oportunidade e coragem na verdade, ou falta de um porque, Mas digo isso que a parte mais legal de chegar num lugar desconhecido é que tu não precisa seguir as ideias dos moradores locais, tu é "estrangeira" de qualquer modo e foi o que a protagonista fez, não se abalou (ou se encaixou) e seguiu com seu plano. Mesmo parado ou cansativo, quero assistir só pela ideia do seguir em frente.

    ResponderExcluir

Instagram

© Coisas de Mineira - 💜 🐶 📖 🍀 💜 – Tema desenvolvido com por Iunique - Temas.in