Menu

CRÍTICA DE ESTREIA | LIGA DA JUSTIÇA (JUSTICE LEAGUE)

16 novembro 2017

Distribuidora: Warner Bros | Estreia: 16/11/2017 | Orçamento: U$ 300 milhões | Gênero: Ação, Aventura, Fantasia | Duração: 02:00h

E o dia finalmente chegou. A pré-estréia  mais aguardada do ano (por mim) aconteceu neste último dia 14, e o blog Coisas de Mineira esteve lá para conferir, juntamente com alguns leitores convidados. Quem acompanha meus textos por aqui já sabe todo o meu amor pela DC Comics, inclusive gosto de defendê-la sempre, e que após o lançamento de "Mulher-Maravilha" (se você ainda não leu minha crítica sobre ele pode clicar AQUI) eu tive a certeza de que minha ansiedade não seria em vão... e não foi!

O filme conta a história exatamente após o trágico acontecimento final de "Batman vs Superman" onde ***SPOILER ALERT*** o Superman morre. Segundo a deixa do próprio "BvsS" e "Mulher-Maravilha", uma possível equipe começa a ser planejada e os candidatos a membros rastreados, dentre eles Barry Allen (Flash), Arthur Curry (Aquaman) e Victor Stone (Cyborg). A morte do Superman causou, além de muita tristeza, a perda da esperança no mundo, o que atraiu um grave problema à Terra, maior que tudo que já foi enfrentado antes, tornando-se urgente então a união dos heróis idealizada por Bruce Wayne e Diana Prince.



Repleto de cenas de ação, o filme deixa pouco tempo para que o expectador se recupere. Após uma pequena introdução e com rápidos diálogos, o filme é "quebradeira" do início ao fim. O tom sóbrio, sombrio e agressivo da DC (que a difere das demais histórias) continua presente, porém com uma nova e acertiva inclusão de humor na medida certa, principalmente com Barry Allen, assemelhando muito ao personagem dos quadrinhos e das animações. Surpreendentemente, Batman e Mulher-Maravilha também ganharam alguns momentos descontraídos, mas sem exageros. Cyborg embarca em uma interessante jornada de autoconhecimento, enquanto Aquaman surge em uma versão completamente "badass", bem agressiva, intimidadora e máscula.

Sobre as atuações eu preciso dizer: QUE ELENCO! Não existe ninguém que eu gostaria que fosse trocado. Primeiramente Gal Gadot mais uma vez reina absoluta, encarnando a personagem e representando sua extrema força, sabedoria e postura austera. Ela reafirma o porquê de sua escolha, eliminando qualquer dúvida que já tenha surgido. O Bruce Wayne de Ben Affleck desempenha bem sua função de idealizador da Liga da Justiça e, apesar de eu não gostar do ator, entrega um bom trabalho como o Homem-Morcego. Minha maior crítica ao ator sempre foi sua falta de expressões, o que neste caso até o ajuda na construção do sombrio personagem, onde até mesmo suas oportunidades cômicas dão a entender estarem fora do lugar (me lembrou muito as animações quando, em raros momentos, você vê aquele sorrisinho disfarçado do Batman e se pergunta se é isso mesmo que está vendo).


O Cyborg de Ray Fisher entra na minha categoria de surpresas boas. Por não conhecer o ator eu estava com expectativas nulas e seu ótimo trabalho me surpreendeu. Ele transmitiu muito bem o conflito vivido pelo personagem e nos fez torcer por ele. O Barry Allen de Ezra Miller é de longe minha melhor surpresa com seu extremamente descontraído Flash, trabalhando sempre no limite do exagero. Mas ficou muito bom! Talvez cause certa estranheza àqueles acostumados ao personagem da série de TV que carrega bastante responsabilidade e drama, mas o do cinema é o mais próximo ao do desenho onde ele esbanja humor, caras e bocas, e felicidade/orgulho em fazer parte de uma equipe tão poderosa.

A repaginação total do Aquaman e sua versão com o ator Jason Momoa talvez seja o mais comentado e aguardado desde a divulgação do filme. Todo mundo quer ver o resultado da caracterização "fodona". Jason Momoa, apesar de lindo (MUITO LINDO!), não é um especialista em atuação. Porém, no filme ele tem mais uma vez a oportunidade de representar um estilo de personagem do qual já está familiarizado (Khal Drogo em Game of Thrones, Frontier) e isso o favoreceu muito. Apesar de poucos diálogos e maior utilização  de sua aparência, as cenas de batalha do Aquaman transmitem bastante veracidade e entusiasmo. Sobre certo personagem que ressurge, o que dizer? Me calou. Perfeito em todas as suas cenas. Para os personagens que ainda não tiveram um filme solo o filme é apenas uma pequena introdução, deixando vários pontos em aberto sobre sua jornada pessoal.


Mas nem tudo são flores e sim, algo me desagradou no filme (ahhhhh...). Foi um incômodo difícil de ignorar. É possível notar a direção de Zack Snyder no filme claramente, ainda mais após a brilhante direção de Patty Jenkis no longa "Mulher-Maravilha". O uniforme da personagem feminina ficou mais curto, a câmera passou a focalizar seus movimentos de "baixo para cima" e até mesmo filmá-la de costas com foco em suas calças justas. A roupa das amazonas também encurtou bastante e, embora sua agressividade tenha aumentado muito, não consigo parar de pensar como elas ficaram mais vulneráveis em batalha com o corpo tão exposto (foto abaixo). Mas se você pensou "Nossa, lá vem essa feminista chata..." tenho que dizer que não se resume só ao lado feminino. Os atributos físicos de Momoa também são abertamente explorados com tiradas de camisa desnecessárias, foco no abdômem trabalhado e excesso de sensualização. Lembram quando em 2007 ele dirigiu "300", com aquele exército sarado seminu? Então...


Sobre a história central do filme, que evitando qualquer spoiler eu não vou falar nada, achei mais uma vez semelhante às famosas e elogiadas animações da DC. Acontece um problema grave que você não tem tanta certeza assim se entendeu a origem, não sabe como ele pode ser derrotado, mas o combate está sensacional (me vem muito à cabeça a animação de 2014 "Liga da Justiça: War" quando o mundo estava para acabar por causa de uma invasão alienígena). Enfim, acredito (e espero!) que a DC tenha encontrado e acertado seu caminho cinematográfico, com doses satisfatórias e equilibradas de vários elementos. O filme, composto em sua maioria por cenas eletrizantes, é ótimo para ser assistido no cinema e principalmente em uma sala IMAX, e as cenas onde a equipe aparece unida são de emocionar qualquer fã.


OBS.: O filme possui 02 cenas pós-créditos!


comentário(s) pelo facebook:

3 comentários:

  1. Impactante! Tô no chão aplaudindo com os pés essa obra simples e coesa para os futuros projetos que diga se de passagem, já estou num hype sinistro, haha Que filmão da p*rra! Ezra Miller me surpreendeu entregando um papel tanto cômico quanto dramático mas, o Ray Fisher foi uma grata surpresa ao interpretar um herói sombrio e trágico. O vilão deixou a desejar um pouco e a parte visual, a respeito da computação, também mas, nada que impeça de se deleitar com um filme tão aguardado. Zack Snyder e Joss Whedon fizeram um Ótimo trabalho, tá lindão!! Minha DC Comics tem esperança, haha Me arrisco a dizer que vi a equipe da animação nessas duas horas, grata! Coisa linda esse filme, quero assistir de novo e de novo e de novo, obrigada ao blog por mais esse convite!!

    https://twitter.com/CaarolForbes/status/931340976269987840

    ResponderExcluir
  2. Não vejo a hora de ir ao cinema e assistir esse filme maravilhoso, tanta gente falando bem que minha vontade só aumenta cada hora mais meu Deus aguenta coração *---*

    ResponderExcluir
  3. Gente estou abismada com o spoiler do outro filme *O* agora quero ver ele também. Confesso que fiquei doida pra ir na pré estreia de Liga da Justiça com o blog, mas infelizmente eu tinha aula no dia. Fui ver o filme depois e achei demais, não era muito fã de super-heróis mas agora estou até gostando, acho que os roteiristas estão mais criativos.

    ResponderExcluir

 
© 2015 - Todos os direitos reservados 🐶 🐶 🐶 - Layout por Leh Pimenta